24 de fev de 2010

BRASILEIROS MUÇULMANOS JÁ CHEGAM A UM MILHÃO!

Faz parte do imaginário popular a ideia de que o povo brasileiro é aberto, acolhedor, livre de preconceitos. Com uma Constituição forte e moderna, pode-se afirmar que no Brasil todos possuem os mesmos direitos e oportunidades, sem distinção de raça, credo ou sexo.
De fato, não há restrições legais para a prática das mais diversas religiões e o preconceito racial, por exemplo, há tempos é punido com rigor.
No entanto, há uma forma sutil de preconceito ou de animosidade que só é perceptível a quem faz parte de determinado grupo e que, na maioria das vezes, não chega a configurar uma violação das leis do país. Em algumas cidades, sobretudo do interior, protestantes e católicos vivem às turras; o mesmo acontece entre cristãos (católicos e protestantes) e espíritas em determinadas localidades e, nesse caso, a rixa é tão grande que não é raro que os envolvidos acabem na delegacia de polícia.

Uma prova para a paz

Pois a tradicional hospitalidade brasileira está para ser posta à prova mais uma vez. Vários veículos de comunicação vêm apontando o avanço do islamismo no Brasil. Em reportagem recente, o jornal francês Le Figaro publicou uma extensa matéria sobre o aumento do número de muçulmanos nas periferias dos grandes centros brasileiros. No ano passado, a revista Época relatou o mesmo fenômeno, mostrando como a religião muçulmana tem feito adeptos, sobretudo junto às comunidades mais pobres, que veem na mensagem islâmica de igualdade racial e justiça uma forma legítima de combater o racismo e a violência policial a que são submetidas com frequência.
Embora não seja possível precisar o número de muçulmanos no Brasil, estima-se que eles já sejam um milhão de fiéis. Conforme indicam os estudos, esse número só tende a crescer e a pergunta que fica é: como será a convivência entre os brasileiros de várias religiões e os brasileiros muçulmanos?

Terroristas de uma hora para outra?

Em países de maioria muçulmana, os adeptos de outras religiões, sobretudo os cristãos, enfrentam muitas dificuldades para professar sua fé com liberdade. No Brasil, qualquer pessoa tem o direito de optar pela religião que quiser, tem o direito de mudar de religião, tem o direito de frequentar o templo que bem entender, tem o direito até de não crer. E isso não é só no papel, já faz parte da cultura do brasileiro.
Mas, é interessante imaginar como seria a convivência entre os grupos, por exemplo, de cristãos pentecostais, tradicionais ou mesmo católicos com os convertidos ao islamismo... Quanto do preconceito enraizado no imaginário coletivo viria à tona e faria com que vizinhos ou colegas de faculdade passassem a ser vistos como terroristas, pelo fato de terem se tornado muçulmanos?
Os brasileiros em geral e os cristãos em particular devem estar preparados para essa nova realidade que se anuncia. Que aqueles que conhecem a salvação em Cristo jamais se desviem do seu chamado original de pregar o evangelho a toda criatura e que haja em cada um o desejo da paz. Afinal, os pacificadores serão chamados filhos de Deus (Mt 5.9).

Cristina Ignácio
Missão Portas Abertas

Fonte: http://www.portasabertas.org.br/artigos/artigo.asp?ID=6018

23 de fev de 2010

OBRIGADO SENHOR, POR MAIS UM ANO DE VIDA.

Às vezes nos encontramos em situações em que as palavras nos fogem, mas há situações em que determinadas palavras são apropriadas, aliás, essas palavras surgiram em decorrência dessas situações ou dos sentimentos comuns a elas. Obrigado, por exemplo. É uma palavra apropriada para situações de gratidão, embora muitas vezes esta palavra não consiga expressar aquele sentimento contido em nossos corações. Mas fazer o quê? Até os catedráticos, conhecedores das diversidades do vocabulário a usam. Então, deixem-me dizer: OBRIGADO SENHOR!

Obrigado pelo dia 23 de fevereiro de 1969, dia em que aprouve a ti deixar-me vir ao mundo, concebido na madre de Dona Maria do Carmo Gonçalves, resultado do seu amor com Raimundo Campos dos Reis, um jovem motorista de 22 anos de idade, que trabalhou muitos anos como vendedor de picolé e do fruto deste trabalhou me alimentou e me educou. Não diferente de "mainha" como chamo minha progenitora, que sempre o ajudou com as despesas da casa e foi quem me ensinou a ser homem de bem, que quando meu pai esteve tuberculoso, sustentou a casa. Lembro-me dela chegando em casa às uma hora da manhã, depois de uma jornada de trabalho que começava ao meio-dia e terminava meia-noite, trazendo uma farinheira com sobras do restaurante em que trabalhava para então fazermos a única refeição do dia que tinha terminado (lágrimas).
Mas estou aqui, porque o bom Deus me escolheu aos 13 anos de idade, me fazendo conhecer sua grande salvação, me deu a mulher mais maravilhosa do mundo e os filhos mais extraordinários! Minha esposa tem sido minha inspiração, razão da minha vida, tem me suportado durante 18 anos (completaremos dia 04/07) e me dado lindos filhos!
Bem, poderia dizer mais, mas estou aqui na Semadesal (Secretaria de Missões da Assembléia de Deus em Salvador) e o pessoal está me chamando para comemorar.
OBRIGADO SENHOR POR, MAIS UM ANO DE VIDA

11 de fev de 2010

TOMBOU UM HERÓI NO ARRAIAL DOS SANTOS...

Não sei se já ouvi isso de alguém, ou, em algum lugar, mas isso me veio à mente ontem durante a cerimônia fúnebre de um herói de guerra, guerra em favor do reino, militada com armas espirituais e não carnais. Pensei: "Quer conhecer quem foi alguém? Vá ao seu funeral!". Pensei nas inúmeras vezes em que fui a algum funeral e percebi a veracidade deste pensamento repentino.
Eram quase 15:ooh. do dia 10/02, quando o Pastor Joesé, Líder da Assembléia de Deus em Feira de Santana/Bahia, depois de proferir algumas palavras e entoar um dos hinos da harpa cristã, passou a palavra ao Pastor Valdomiro Pereira, Presidente da Convenção das Assembléias de Deus no Estado da Bahia. Estávamos diante do corpo frio e inerte do Pastor FELIPE CARVALHO DAS VIRGENS, o herói de quem me refiro.

Uma a uma, as pessoas que ali falaram, incluindo dois de seus filhos, entre eles, o que leva o nome completo do pai, Pastor do Setor de Amaralina em Salvador e Diretor da Semadesal, teceram diante dos familiares, amigos e irmãos em Cristo, a história de um bravo soldado, militante nas trincheiras do Senhor. Para o Pastor Roosevelt, Líder da Assembléia de Deus em Itaberaba, campo onde o bravo herói militou durante 13 anos, não havia palavras, preferiu passar a oportunidade ao Pastor Gildásio, Pastor Auxíliar naquele campo. Este o denominou como "paizão". Para o filho Felipe, ele era simplesmente "papai", aquele que o conduziu nos caminhos do Senhor e lhe deixou exemplos que lhe serviu de estribo na jornada da vida, para a filha emocionada, ele era "um homem de ministério imaculado", para o Presidente da CEADEB, ele foi "um lutador, que contribuiu para o crescimento das Assembléias de Deus no Estado da Bahia" e assim, seguiram-se os discursos...

Olhei para trás e vi centenas de pessoas que vinham de alguns campos outrora pastoreados pelo nosso herói. Vi Líderes de vários campos das Assembléias de Deus na Bahia, políticos, até a equipe de enfermeiras que cuidou do reverendo durante seu estado de convalescença. Pensei: "este homem, com certeza, deixou um legado!"

As lágrimas e os soluços do meu amigo Pastor Felipe, filho do nosso herói, me comoveram. Ah, amarga dor, cujo remédio não existe nas mãos dos homens, só de Deus. Dor que passa para amigos lhes provocando o fenômeno das lágrimas.

Do lado de fora da igreja, quando o corpo do PASTOR FELIPE CARVALHO DAS VIRGENS era colocado na vã da funerária, homens como Pastor Cleudson, Pr. Dário Gomes, amigo de infância da família, entre tantos outros, inclusive eu, vertiam lágrimas. Um sentimento de que está partindo um amado, domina os corações.

Pensei mais uma vez: TOMBOU UM HERÓI NO ARRAIAL DOS SANTOS...

5 de fev de 2010

PROJETO MISSIONÁRIO


E, quando chegaram e reuniram a igreja, relataram quão grandes coisas Deus fizera por eles, e como abrira aos gentios a porta da fé.

E ficaram ali não pouco tempo com os discípulos. (At. 14:27,28)


Graça e paz queridos.

Tenho aprendido muito com a Palavra de Deus, e este texto especialmente ensina-me que há um tempo de descer ao campo e um tempo de ficar entre irmãos compartilhando experiências, contribuindo com o crescimento do corpo de Cristo, refazendo as forças e esperando redirecionamento da parte de Deus.
Bem, depois de um tempo entre os irmãos de Antioquia, igreja que o havia enviado ao campo missionário, Paulo sobe a Jerusalém para discutir em Assembléia a questão dos costumes judaicos diante da salvação dos gentios, depois volta para Antioquia e trabalha mais um tempo na Igreja (At. 15:35). Feito isto, sente o desejo de pôr em prática um novo projeto missionário: discipular, ensinar nas igrejas fundadas por ele e Barnabé em sua primeira viagem mis sionária (At. 15:36).
Bem, eu e minha família passamos quase 8 anos no Campo Missionário. Fundamos uma Igreja no Povoado de Ipiraí, Município de Capela do Alto Alegre, fundamos outra em Lagoa do Cipó, Município de Baixa Grande e outra em Indaí, Município de Mundo Novo, todas no Estado da Bahia. Depois fomos para Goiás e fundamos uma igreja em Santa Tereza de Goiás a qual passei para a Convenção do CIADSETA, devido a falta de obreiros de nossa Convenção para aquele campo. Durante este tempo em que trabalhamos nestes campos vimos Deus operar coisas

extraordinárias, como salvação de centenas de pessoas, batismo no Espírito Santo, curas, suprimento de nossas necessidades, etc. Todos esses milagres, comuns a quem vive pela fé no campo, podem ser comprovados, pois as igrejas estão lá. Sempre que posso, as visito, tenho levado caravanas daqui de Salvador e os irmãos tem visto e comprovado o que Deus realizou em nosso ministério nesses 8 anos!
Todavia, aprouve a Deus estarmos em Salvador. Aqui, pastoreamos duas Congregações da Adesal: Alto da Terezinha e Rio Sena e hoje estamos em São Cristóvão, Setor 11, onde trabalho como Vice-Pastor Setorial.
Estamos envolvidos também com a Semadesal (Secretaria de Missões da Assembléia de Deus em Salvador) e faço o trabalho de Auxílio à Diretoria. Devido a isto, fui enviado no ano passado ao Haiti, para representar a Adesal e Semadesal na cerimônia de Inauguração da Primeira Igreja Evangélica do Brasil no Haiti, fundada pela Missionária Iraildes Moreira, oportunidade em que visitei as cinco escolas fundadas e mantiads pelo Projeto da Missionária e vi de perto as necessidades daquela serva de Deus.
Diante das múltiplas necessidades daquele campo, me chamou a atenção a falta de conhecimento bíblico daqueles crentes. Iraildes compartilhou comigo que muitas igrejas interpretam e seguem a Bíblia ao pé da letra, causando o surgimento de muitas heresias. Passei algumas horas conversando com um de seus obreiros e tentando convencê-lo de sua compreensão equivocada de alguns textos, textos que ele interpreta sem considerar o contexto e sem observar outras regras fundamentais de interpretação!
Daí, nasceu em meu coração o desejo de voltar ao Haiti para ensinar... Desejo ajudar a Missionária Iraildes implantando uma Escola de Formação de Obreiros que lhes confira formação teológica. Obviamente que nenhum de nós esperávamos um terremoto que fosse mudar radicalmente o Haiti. Porém, daqui a alguns meses o Haiti se abrirá para ajudas deste tipo! Meu desejo é fazer um Curso Intensivo, indo ao Haiti duas vezes por ano e passando um período de 2 meses lá. Mas para isto, preciso de ajuda, preciso da tua ajuda!
Resolvi escrever para quem me conhece, para quem conhece minha família, minha história ministerial.
Ore a Deus e, se sentir no coração o desejo de me ajudar, você será meu parceiro neste Projeto Missionário de levantar obreiros no Haiti, aliás, agora mais do que nunca é preciso levantar obreiros naquela nação!

Que o Senhor Deus te abençoe poderosamente,

Do amigo,

Pr. Raimundo Campos

Contato: (71) 3241-2182/4102-1501/8867-6624/8859-2473
http://palavrasquedaovida.blogspot.com


Para contribuir:
Banco do Brasil
c/c 10.423-x Ag.: 4175-0
Núbia Regina Ribeiro Campos dos Reis

Itaú c/c 21104-3 Ag.: 2057
Raimundo Campos dos Reis Filho

3 de fev de 2010

Qual é a intenção da Globo?

As cenas da palestra que foi ao ar nesta segunda-feira, dia 01/02, na novela Malhação, foram gravadas na Central Globo de Produção, em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro. Malhação ID, que tem autoria de Ricardo Hofstetter e direção-geral de Márcio Bandarra, resolveu abordar o tema da violência doméstica, algo muito bem vivenciado por muitas famílias neste Brasil de meu Deus!
Algumas cenas da semana passada mostraram o personagem Carlão (Ângelo Brandini), o pai violento, diante de uma representante do Conselho Tutelar da região onde moram os personagens da ficção. Diante da clara falta de colaboração do personagem Carlão, que se negou a continuar o diálogo com a Conselheira, esta termina a cena expressando que aquele caso terá difícil solução. Por causa disto, os colegas de Beto (Murilo Couto), garoto que sofre a violência no conto de
Ricardo Hofstetter, resolvem fazer um manifesto em frente da casa do tal Carlão, com a intenção de persuadí-lo a deixar de "bater" no filho Beto.
Pois bem, o tema deve ser realmente debatido, principalmente em programas de grande audiência como é o caso das novelas globais. Todavia, a sociedade precisa saber como se defender, a quem procurar, quais seus direitos, onde eles estão ratificados! Quando a novela mostrou uma Conselheira impotente e sem argumentos diante do personagem Carlão e entregou a solução do problema aos colegas de turma do personagem Beto, ela deixou de informar à população que, entre as atribuições dos conselhos tutelares estão:
atender crianças, adolescentes, pais, mães ou responsáveis e aplicar medidas de proteção, encaminhar ao Ministério Público notícia e fato que constitua infração administrativa ou penal contra os direitos da criança ou do adolescente, pois o Art. 5º do Estatuto da Criança e do Adolescente diz: Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, punido na forma da lei qualquer atentado, por ação ou omissão, aos seus direitos fundamentais.
Continuaremos a acompanhar a saga do persoangem Beto, que aliás, só ganhou atenção do público depois desta reviravolta em seu personagem e, esta é mais uma bela jogada global para levantar a audiência da nova temporada de Malhação que trouxe péssimos atores e um enredo "sem pé e sem cabeça"!
Aí poderemos dizer qual é a intenção da Globo...