31 de ago de 2010

A CONFRAMADEB JÁ É PESSOA JURÍDICA

Registrado no Cartório do 1º Oficio de Registro Civil das Pessoas Juridicas em Salvador e com o CNPJ nº 12.444.419/0001-11 a CONFRAMADEB torna-se pessoa juridica! (Blog do Pastor Dário Gomes)

Como comentei no Blog do amigo Pr. Dário Gomes, se não fosse o Pr. Israel, outro Pastor da Bahia tomaria a decisão de desligar-se da CEADEB e fundar uma Convenção livre dos vícios que escravizam a Convenção Estadual das Assembléias de Deus no Estado da Bahia. O monopólio dos grandes campos e o sofrimento imposto aos Pastores de campos pequenos denunciava a chegada da atual crise instalada entre a Adesal e a CEADEB. Espero que o Pr. Israel receba sabedoria da parte de Deus para conduzir esta Convenção com humildade, lembrando que ela não deve se tornar em plataforma política, como vem sendo a CEADEB, que os campos do Senhor não sejam negociados por voto e pela garantia da perpetuação no poder. Que se acabe com a injustiça social, onde poucos Pastores são privilegiados, recebendo altos sustentos e outros, às vezes, não tem o necessário para as necessidades básicas.
Que a CONFRAMADEB seja realmente uma Convenção Fraternal, que ela não seja mais uma, antes seja uma comunidade onde os interesses sejam comuns e a defesa pelo Evangelho na Bahia seja a Bandeira. Bem vindos à Conframadeb os vários ministros que tem se filiado a ela.

29 de ago de 2010

CAIU A FONTE NOVA

"Números da Wikipedia dão conta de mais de 300 clássicos BA-VIs realizados na extinta Fonte Nova, desde a sua inauguração, em janeiro de 1951, um domingo, como este 29 de agosto. 25 mil pessoas assistiram ao torneio inaugural com a participação de sete times, do qual o Bahia saiu campeão. Outros jogos importantes ocorreram no estádio como a semifinal do Campeonato Nacional de 1988, contra o Fluminense, considerado o jogo de maior público da história da velha Fonte, mais de 100 mil pessoas, e, naquele mesmo ano, a final do campeonato contra o Inter, que deu a vitória ao tricolor baiano.

Entretanto, a partir de 25 de novembro de 2007, quando parte da arquibancada superior cedeu e sete pessoas morreram, foi decretado o fim da arena. A tragédia foi o ponto de partida para que as autoridades locais começassem a pensar em um novo estádio, já com a Copa do Mundo de 2014." (http://esporte.uol.com.br/futebol/copa-2014/ultimas-noticias/2010/08/29/tecnicos-afirmam-que-implosao-da-fonte-nova-foi-um-sucesso.jhtm)

Todo baiano apaixonado por futebol, um dia já chorou na Fonte Nova, sentiu o coração bater mais forte na Fonte Nova, já se indignou na Fonte Nova. Gritou, berrou, cerrou os punhos, brigou...

O sentimento de quem viveu histórias dentro daquele estádio ao vê-lo tombando ontem, foi de tristeza. Ali, dentro da Fonte Nova, muita gente se conheceu, outras estreitaram relacionamentos, algumas até se apaixonaram. Faça uma pesquisa por aí e verás que tem até casamento que surgiu dentro da Fonte Nova. De lá da Fonte Nova ouvíamos as narrações via rádio de pilha e chorávamos com nosso timão. Às vezes de raiva por não poder estar lá, outras por ver o tal timão levar uma goleada, outras ainda pela alegria de ver o timão sair da zona de rebaixamento. Mas tudo estava ligado á Fonte Nova. Porém...

Dia 25 de novembro de 2007, marcou substancialmente a história da arena de muitas vitórias, de decisões emocionantes no futebol brasileiro. A morte de sete pessoas provocada pela queda de parte da arquibancada superior, denunciou o estado precário de um dos estádios mais famosos do Brasil.

Apesar da tristeza, todos sabíamos que era necessária sua implosão. Apesar de amá-la, queríamos mesmo era vê-la tombando. Porque? Porque suas estruturas colocavam em risco a vida de pessoas. Era preciso mudar. Veja, neste caso não é transformação não, é substituição.

Conosco também é assim, às vezes passamos por transformações, outras vezes temos que ser substituídos, pois nossa permanência em algum lugar, pode comprometer a vida de outras pessoas.

Seria tão bom se eu e todos os líderes evangélicos entendessem isso! Que deixássemos de ser tão egoístas nas horas em que nossa liderança ameaça o bem estar da obra e fôssemos substituídos por quem Deus constituir. Deixar o novo acontecer!

Assim como a Fonte Nova teve seus dias de glória, em que seus portões ficaram escancarados para públicos não só do futebol, mas até das massas religiosas que chegaram juntar até número maior do o de muitos clássicos do esporte preferido dos brasileiros. Mas hoje, ao passarmos em frente do lugar onde ela estava, veremos escombros e poeira, mas em nossa mente se projetará o futuro, pois o novo está chegando.

Creio que a implosão da Fonte Nova não deu fim à sua história, não. Ela está na memória de muitos brasileiros, ela marca episódios emocionantes dos baianos, ela está escrita em papel, em mente, em coração. Substituir não significa esquecer, enterrar a história. Substituir é a atitude correta quando a permanência ameaça. Pense nisso.

OBRIGADO DEUS POR JASMIM

Paz amados.
Estive alguns dias sem blogar. Motivos? Muitos...Mas hoje tive que deixar de lado os motivos que me levaram a não postar nesta semana, por ser hoje uma data especial para mim e minha família. A 13 anos atrás nascia na Maternidade do Hospital Sagrada Família, aquela que intensificaria o sentido de minha vida e de Núbia, minha esposa: Jasmim. Sim, seu nascimento foi um marco em nossa história de casados, pois tínhamos perdido o primeiro filho e quando recebemos a notícia de que ela estava sendo gerada, nossa esperança se renovou, a esperança de embalar nos braços mais uma vez o fruto do nosso amor. Enfim, ela nasceu e ao longo desses 13 anos, cada vez que a vemos crescer passando pelas mudanças e transformações, (ufa, e que transformações!), entendemos que parte de nós está assumindo seu espaço nesta vida tão passageira e deixaremos uma posteridade.
Hoje, 29 de agosto é aniversário de Jasmim e queremos louvar ao Deus Eterno, cuja bondade não tem fim e que nos deu a dádiva de gerar filhos e podermos alegrarmo-nos com eles.
Por isso, hoje o louvamos e exaltamos pela vida de nossa amada filha. Glória, pois a Ele eternamente!

20 de ago de 2010

A ADESAL CONTINUA...

Continuar é preciso, mesmo quando assaltados por circunstâncias desagradáveis, mesmo depois de cometer erros e ter consciência de que suas consequências virão, mesmo não vendo luz no fundo do túnel, se tiver consciência de que este túnel é a via pela qual você deve trafegar, então prossiga. Mesmo que teu nome perca a credibilidade, mesmo que a dor pareça sucumbir os sonhos, mesmo que gritem teu fim, que se confederem contra ti, que meneiem a cabeça para a tua causa e digam "não há esperança para ele em Deus" (Davi), é preciso continuar, afinal como disse o poeta Zé Ricardo, o show não pode parar. "A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso cante, chore, dance e viva intensamente antes que a cortina se feche!" (Arnaldo Jabor).
Mas nestas horas é preciso rever conceitos, atitudes, avaliar decisões, não permitir que os mesmos erros continuem a serem cometidos, é preciso tomar aversão aos erros cometidos, pois , afinal, foram eles que criaram o ambiente da crise. É preciso dar os nãos necessários, para evitar os sim's desnecessários e prejudiciais.
Por isso a Adesal continua... Tenho visto soldados feridos, cambaleantes, gritos sufocados no coração de gente de bem, que ama sua denominação e, mesmo sabendo que ela cometeu e ainda comete erros, continua acreditando em uma mudança substancial que coloque-nos numa direção que aponte o trono do Cordeiro, o centro de sua vontade. Gente que acredita no poder da oração, na eficácia do jejum, que crê que poderes espirituais da maldade caem quando nos prostramos diate daquele que é o Soberano de toda terra. Gente que acredita como Daniel: "E ele muda os tempos e as estações; ele remove os reis e estabelece os reis; ele dá sabedoria aos sábios e conhecimento aos entendidos " (Daniel 2:21) .
Por isso a Adesal continua... Nos Círculos de Orações, nos Cultos organizados pelos Departamentos, nas reuniões de Obreiros, nos projetos missionários, nas lágrimas que rolam na face dos fiéis, na força dos que contribuem e cooperam, no sorriso experiente dos que tem suas cãs brancas, na força da juventude com seus cânticos de louvor, no jeito criança de nossos adolescentes, no cultivo de nossa história, na lembrança de quem viu "a primeira glória" e acredita que a "segunda glória" virá.
A Adesal continua e espera que se escrevam uma nova história, que untem com o óleo do perdão os corações, que vislumbrem o Sol da Justiça num amanhã de vitórias, onde o passado sirva de adubo para oprogresso do futuro, e o presente seja construído com um olhar critico de si mesmo, onde o eu esteja a serviço das outras pessoas.
A Adesal continua na esperança de que as lideranças mudem, se arrependam, confessem, desistam de liderar erradamente.
Em toda Salvador há um clamor por mudanças. Que vejam e ouçam os que foram constituídos como autoridades espirituais sobre este rebanho.
Temos um alvo para batismo em outubro, mas é necessário que outros alvos sejam estabelecidos, como agradar a Deus em primeiro lugar ainda que eu tenha que renunciar meus próprios interesses, minha posição no contexto da atual situação, os vícios que nos conduziram a este quadro de debilidade moral e espiritual.
A Adesal continua, mas é preciso chorar, rasgar as vestes, o coração, vestir saco de pano e pôr cinzas na cabeça, anunciar a Sião o seu pecado e dizer a eles: Voltai, voltai.
A Adesal continua. Então, mesmo que estejamos no cativeiro dos escândalos e das divisões, das invasões de templos, das consagrações sem óleo do céu, de ambos os lados, no cativeiro dos processos judiciais, das zombarias na internet: "Edificai casas e habitai-as; e plantai jardins, e comei o seu fruto. Tomai mulheres e gerai filhos e filhas, e tomai mulheres para vossos filhos, e dai vossas filhas a maridos, para que tenham filhos e filhas; e multiplicai-vos ali, e não vos diminuais. E procurai a paz da cidade, para onde vos fiz transportar em cativeiro, e orai por ela ao SENHOR; porque na sua paz vós tereis paz." (Jeremias 29:5-7)
Isto é, continuem, mesmo em cativeiro, não parem, projtem, sonhem, avancem. "Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o SENHOR; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais." (Jeremias 29:11)
Vamos lutar para batizar cerca de 3.000 novos crentes em outubro, vamos nos reunir dia 07 de Setembro para ouvir o Luis de Carvalho e contribuir para a Construção do Grande Templo, vamos continuar, visitando os desalentados e novos na fé, evangelizando e abrindo novas frentes de trabalho.
Que falem os contrários, que vociferem, que espraguejem, que cuspam em sinal de desprezo, que caluniem, que invistam contra nós, que continuem a tomar templos e utensílios da Casa do Senhor, que convençam os incautos, que arrastem suas multidões iludidas, compradas, que vendam sua moral e reputação, que pisem em nossa história.
A Adesal continua...continua....continua...

18 de ago de 2010

A CEADEB GERA PASTORES?

"E ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres, com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo." Ef. 4:11,12

A palavra gerar aqui tem haver com a seguinte questão: Quem forma um Pastor? Onde suas inclinações para o ministério começam a se manifestar? Em que ambiente? No da Igreja ou no de uma Convenção? Quem propicia o desenvolvimento do ministério de um vocacionado? A Igreja ou a Convenção? Onde seu ministério é provado e aprovado? Na Igreja ou na Convenção? Quem acompanha o surgimento de seus dons? A Igreja ou a Convenção? Afinal, Deus dá Pastores para a Igreja ou para a Convenção? Biblicamente falando, a Convenção é necessária? Deus mandou criar Convenção? Analisando a Palavra de Deus, encontramos razões para criar as denominações e suas convenções?
Cristo mandou-nos estabelecer seu Reino ou as nossas denominações com suas Convenções?
Bem, é óbvio que você me responderá que isto faz parte de uma organização humana e que isto é necessário para estabelecer hierarquias, limites, facilitar as relações humanas, etc, etc, etc.
Mas quem gera pastores e para que eles surgem?
O texto de Paulo ao Efésios primeiro afirma que Ele (Deus), concede Pastores e os demais dons ministeriais. Esses Pastores só podem surgir no âmbito da Igreja, é a Igreja quem reconhece esses dons. Paulo disse a Timóteo: "Não te faças negligente para com o dom que há em ti, o qual te foi concedido mediante profecia, com a imposição das mãos do presbitério." 1 Tm. 4:13.Veja, o Presbitério da Igreja foi quem reconheceu o ministério de Timóteo! O próprio Paulo teve seu ministério reconhecido pela Igreja, foi a Igreja quem o enviou depois de ser orientada pelo próprio Espírito Santo: "Havia na igreja de Antioquia profetas e mestres: Barnabé, Simeão, por sobrenome Níger, Lúcio de Cirene, Manaém, colaço de Herodes, o tetrarca, e Saulo. E, servindo eles ao Senhor e jejuando, disse o Espírito Santo: Separai-me, agora, Barnabé e Saulo para a obra a que os tenho chamado. Então, jejuando, e orando, e impondo sobre eles as mãos, os despediram." At. 13:1-3
Esses homens estavam servindo à Igreja, onde seus dons ministeriais estavam se desenvolvendo. Foi a igreja que lhes propiciou o ambiente necessário para o surgimento desses dons.
Em At. 6:2,3 diz: "
Então, os doze convocaram a comunidade dos discípulos e disseram: Não é razoável que nós abandonemos a palavra de Deus para servir às mesas. Mas, irmãos, escolhei dentre vós sete homens de boa reputação, cheios do Espírito e de sabedoria, aos quais encarregaremos deste serviço." Óbvio que aqui não se trata de Pastores, mas observa-se duas coisas:
1. O papel da Igreja na escolhas de homens de Deus que estariam com a responsabilidade de cuidar da parte social da igreja.
2. O versículo 5 diz que dois desses homens eram Estêvão, que se tornou, como já sabemos, num exímio pregador, e Filipe que em Atos 21:8 aparece como o Evangelista.
Veja, é a igreja quem reconhece esses homens, é a Igreja quem os apresenta, é a Igreja quem dá legitimidade aos seus obreiros através da imposição de mãos das autoridades espirituais constituídas por Deus em seu seio, como vimos nos versículos citados.
A outra coisa que se observa em Efésios é que, a finalidade para a qual Deus concede pastores à Igreja, não a de atender interesses políticos ou de qualquer natureza, imposto por uma denominação ou Convenção e sim o "aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo."
Aprendo que a Igreja além de gerar os Pastores, ela lhes concede a oportunidade de desenvolverem seus ministérios em seu próprio seio. As igrejas não pertencem aos Pastores, mas estes pertecem à Igreja para serví-la.
Quando uma Convenção reconhece o ministério de alguém, ela o faz para que este sirva à Igreja, ao Reino de Deus e não a interesses de qualquer outra sorte.
Todos os Evangelistas das Assembléias de Deus no Estado da Bahia e em qualquer outro Estado são forjados no ambiente da Igreja, seus dons ministeriais são provados e aprovados pela Igreja local e depois são apresentados à Convenção para que esta o reconheça.
Além do mais, embora em todas as Convenções tenham homens de Deus comprometidos com a sua Palavra, homens de moral ilibada, como muitos que conheço na CEADEB, isto não a torna Igreja, não a faz autoridade sobre nenhuma Igreja neste Estado. A CEADEB não passa de uma associação e a autoridades dos homens de Deus que fazem parte do seu quadro de membros, provém da Igreja, a mesma que lhes apresentou ao santo ministério. Portanto, a Adesal ou qualquer Assembléia de Deus neste Estado, tem sua soberania.
É a Igreja responsável pela evangelização e surgimento de novas frentes de trabalho. É a Igreja quem envia, foi ela que possibilitou o surgimento da Convenção. Esta mesma Convenção deve no mínimo respeitá-la e entender que os problemas surgidos entre seus presidentes devem ser tratados no âmbito de seu colegiado e não no da Igreja. A Convenção deve, como diz o estatuto, promover a paz no meio do povo de Deus.
Pastores são gerados pela Igreja local para serví-la.

17 de ago de 2010

COMPARTILHANDO ARNALDO JABOR

Gosto de pensar e escrever. Às vezes vou dormir tarde escrevendo o que me vem à mente num instante de momentânea inspiração. Não gosto de escrever o pensamento de outros, mas, às vezes, me dobro diante de pensamentos que entendo ser profundo e que me faz refletir. Por isso, já publiquei aqui os pensamentos de Eliel Teixeira, amigo de juventude por quem tenho profundo respeito, e agora decidi compartilhar com quem ainda não leu, a crônica que se segue de um dos maiores críticos e pensadores deste nosso Brasil: Arnaldo Jabor.

Paciência

Por Arnaldo Jabor.

Ah! Se vendessem paciência nas farmácias e supermercados, muita gente iria gastar boa parte do salário nessa mercadoria tão rara hoje em dia. Por muito pouco a madame que parece uma lady solta palavrões e berros que lembram as antigas trabalhadoras do cais. E o bem comportado executivo? O cavalheiro se transforma numa besta selvagem no trânsito que ele mesmo ajuda a tumultuar. Os filhos atrapalham, os idosos incomodam, a voz da vizinha é um tormento, o jeito do chefe é demais para sua cabeça, a esposa virou uma chata, o marido uma mala sem alça. Aquela velha amiga uma alça sem mala, o emprego uma tortura, a escola uma chatice. O cinema se arrasta, o teatro nem pensar, até o passeio virou novela. Outro dia, vi um jovem reclamando que o banco dele pela Internet estava demorando a dar o saldo, eu me lembrei da fila dos bancos e balancei a cabeça, inconformado. Vi uma moça abrindo um e-mail com um texto maravilhoso e ela deletou sem sequer ler o título, dizendo que era longo demais. Pobres de nós, meninos e meninas sem paciência, sem tempo para a vida, sem tempo para Deus. A paciência está em falta no mercado, e pelo jeito, a paciência sintética dos calmantes está cada vez mais em alta. Pergunte para alguém, que você saiba que é ansioso demais aonde ele quer chegar? Qual é a finalidade de sua vida? Surpreenda-se com a falta de metas, com o vago de sua resposta. E você? Aonde você quer chegar? Está correndo tanto para quê? Por quem? Seu coração vai agüentar? Se você morrer hoje de infarto agudo do miocárdio o mundo vai parar? A empresa que você trabalha vai acabar? As pessoas que você AMA vão parar? Será que você conseguiu ler até aqui? Respire... Acalme-se... O mundo está apenas na sua primeira volta e, com certeza, no final do dia vai completar o seu giro, com ou sem a sua paciência... NÃO SOMOS SERES HUMANOS PASSANDO POR UMA EXPERIÊNCIA ESPIRITUAL... SOMOS SERES ESPIRITUAIS PASSANDO POR UMA EXPERIÊNCIA HUMANA...

Pense nisso, pois, iniciar é preciso, mas algo só termina quando acaba. Boa Semana com Saúde e Equilíbrio.

13 de ago de 2010

HOJE É SEXTA-FEIRA 13

Segundo o site Angola Press "A Sexta-feira no dia 13 de qualquer mês é considerada popularmente, por alguns supersticiosos, como um dia de azar. O número 13 é considerado de má sorte. Na numerologia o número 12 é considerado de algo completo, como por exemplo: 12 meses no ano, 12 tribos de Israel, 12 apóstolos de Jesus ou 12 signos do zodíaco.
Já o 13 é considerado um número irregular, sinal de infortúnio. A sexta-feira foi o dia em que Jesus foi crucificado e também é considerado, por algumas pessoas, um dia de azar.
Somando o dia da semana de azar (sexta) com o número de azar (13) tem-se o mais azarado dos dias.
Esta superstição pode ter tido origem no dia 13 de Outubro de 1307, sexta-feira, quando a Ordem dos Templários foi declarada ilegal pelo rei Filipe IV de França e os seus membros foram presos simultaneamente em todo o país e alguns torturados e, mais tarde, executados.
Outra possibilidade para esta crença está no facto de que Jesus Cristo, provavelmente, foi morto numa sexta-feira 13, uma vez que a Páscoa judaica é celebrada no dia 14 do mês de Nissan, no calendário hebraico.
Recorde-se ainda que na Santa Ceia sentaram-se à mesa treze pessoas, sendo que duas delas, Jesus e Judas Iscariotes, morreram em seguida, por mortes trágicas, Jesus por crucificação e Judas provavelmente por suicídio.
Além da justificação cristã, antes disso existem duas outras versões que provêm da mitologia nórdica que explicam a superstição.
Na primeira delas, conta-se que houve um banquete e 12 deuses foram convidados. Loki, espírito do mal e da discórdia, apareceu sem ser chamado e armou uma briga que terminou com a morte de Balder, o favorito dos deuses. Daí veio a ideia de que convidar 13 pessoas para um jantar dá desgraça.
Há também quem acredite que convidar 13 pessoas para um jantar é uma desgraça, simplesmente porque os conjuntos de mesa são constituídos, regra geral, por 12 copos, 12 talheres e 12 pratos.
Segundo outra versão, a deusa do amor e da beleza era Friga (que deu origem a frigadag, sexta-feira). Quando as tribos nórdicas e alemãs se converteram ao cristianismo, Friga foi transformada em bruxa. Como vingança, ela passou a se reunir todas as sextas com outras 11 bruxas e o demónio, os 13 ficavam rogando pragas aos humanos."
Bem, o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa diz que superstição é: " Sentimento de veneração religiosa fundada no temor ou ignorância e que conduz geralmente ao cumprimento de falsos deveres, a quimeras, ou a uma confiança em coisas ineficazes. 2. Opinião religiosa fundada em preconceitos ou crendices. "
Então vejamos : sentimento de veneração religiosa fundada no temor ou ignorância. Logo, superstição deve ser um sentimento nutrido pelo verdadeiro cristão? O cristão deve embasar seus sentimentos em contos resultantes da ignorancia? É necessário lembrar que a superstição é resultado das fábulas, como afirmado no início desta postagem. Fábulas são composições, geralmente em verso, contadas a partir de mitologias, ficção, mentira . Paulo e Pedro nos advertiram contra as fábulas (1 Tm. 1:4; 4:7; 2 Tm. 4:4; Tt. 1:14; 2 Pe. 1:16) As fábulas geram as superstições.
Todavia, a Palavra gera a libertação. Quando leio a Palavra, ela me liberta dos resultados das fábulas, quebrando as amarras das supertições, porque "...agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito." (Romanos 8:1 )
Portanto, viva intensamente este dia, pois:
  • Cada dia da tua vida foi feito por Deus " Eis que fizeste os meus dias como a palmos; o tempo da minha vida é como nada diante de ti; na verdade, todo homem, por mais firme que esteja, é totalmente vaidade". (Salmos 39:5)
  • Dia após dia somos abençoados por Ele, independente da data: " Bendito seja o Senhor, que de dia em dia nos carrega de benefícios; o Deus que é a nossa salvação." (Salmos 68:19)
  • Todos os dias do justo será de florescimento: "Nos seus dias florescerá o justo, e abundância de paz haverá enquanto durar a lua. " (Salmos 72:7).
Enfim: "Este é o dia que fez o SENHOR; regozijemo-nos, e alegremo-nos nele. " (Salmos 118:24)

Minha Consciência Não Está à Venda

Por Eliel Teixeira


"O momento é de extrema cautela, pois, a título de modernidade e avanço social, somos pressionados a aceitar o inaceitável. São dias onde a relativização é imposta de modo tão agressivo que, parece, não restar outra alternativa senão aceitá-la, indistintamente, sejamos cristãos ou não.

Neste vendaval de situações, nas quais, devemos tomar posição, somos valorados como produtos disponibilizados no mercado, onde basta apresentar seu preço e leva-se para onde bem entender. Seja na política, na religião, na profissão, onde estivermos inseridos, somos apenas números facilmente manipulados ao bel prazer do contador.

Cristo nos ensina que não podemos aceitar o padrão estabelecido pelos homens, haja vista que seu deus é o dinheiro e sua motivação é a ânsia pelo poder. Cristo desmascara a cruel face dos amantes de si mesmo, pois, desprovidos da essência divina, acham que o fim justifica os meios, assim, se dispõe a violentar os princípios cristãos, alimentando egos humanos e oferecendo valores materiais como pagamento pela consciência dos outros.

“Minha consciência não está à venda, nem meus princípios cristãos!” Tenho problemas, vivo dilemas éticos e morais como todo mundo, mas quero melhorar e não piorar. Naquilo que posso uso a força do radicalismo para defender o cristianismo que acredito, ainda que a dor se faça sentir na minha própria carne. Não posso aceitar a “benesse” que me oferecem para calar a minha consciência, pois, por maior que seja o prazer desfrutado, não cobriria o custo que é a dor de uma alma vendida e agredida na sua integridade espiritual.

Na política, não posso votar num candidato ou candidata que fere os princípios cristãos ao apoiar o aborto, a homossexualidade, a legalização das drogas, ou se comporte como uma “maria–vai-com-as-outras” nas demais questões éticas e morais que colocam em lados opostos o secularismo e o cristianismo. É preferível votar num cara que não sabe “fazer um “o” com um copo”, mas não abre mão dos seus princípios cristãos, seja lá qual for sua denominação.

Na religião, não posso concordar com os “privilégios” que me oferecem, apenas para que eu ratifique insensatez e brutalidades. O pedido é para deixar de lado os princípios que regem a vida da igreja, e por conseqüência, a vida cristã, a fim de que as atitudes insanas e inconseqüentes sejam justificadas. O passado da religião condena este tipo de comportamento, basta ler sobre as guerras e suas “santas” inquisições. Com argumentos meramente humanos, colocados em contraposição aos princípios cristãos estabelecidos na Bíblia, querem que aceitemos o inaceitável.

Como diz o compositor cristão: “não quero ser apenas mais um na multidão...” dos que vão olhando Deus pelo retrovisor (acrescento). À proporção que seguem em frente, pensam estar se aproximando, quando, na verdade, estão se distanciando cada vez mais de Deus.

“Minha consciência e meus princípios têm preço”. Jesus estabeleceu o valor quando morreu na cruz por mim. Sendo assim, é impossível encontrar alguém que me ofereça um valor maior."


10 de ago de 2010

SAUDOSISMO OTIMISTA II - ACREDITO EM MUDANÇAS

Apesar de ver um presente que compromete nosso futuro, com divisões e invasões de templo, com discursos e difamações na internet e num jornal que compra escândalos para vender uma notícia distorcida, apesar de ver a imagem do pastor tão desgastada, tão desacreditada, apesar de ver os filhos de belial assumindo o lugar dos sacerdotes e ver a profanação no templo, de ver que a porta da casa do Senhor virou lugar de comércio, que os gabinetes pastorais viraram lugar de tramas políticas que visam interesses escusos, não tenho outra escolha, se não olhar para o passado, de sentir saudades de um tempo em que o pecado era visto como ameaça ao rebanho e que deveria ser tratado como diz a Bíblia. Apesar de perceber que em relação ao presente, o passado era melhor...
Acredito em mudanças, acredito no ser humano, acredito no homem, em seu arrependimento, em seu quebrantamento, em sua capacidade de voltar e fazer melhor do que fez no passado.
Ora, se o próprio Deus o faz assim! Lhe dá novas chances, lhe confia novas tarefas, renova sua aliança com quem a quebrou inúmeras vezes! Fez isto com Israel, e com homens como Davi e Salomão.
Jesus é o tipo de Senhor que dá talento a quem Ele sabe que irá enterrá-lo, mas dá, investe. Ninguém pode dizer que Ele não dá oportunidades. Ele sempre foi capaz de ficar em pé na estrada esperando seus filhos pródigos. Quando não, Ele sai pela estrada, pelos valados, a fim de encontrá-lo, e quando encontra-o, coloca-o em seus ombros e leva-o ao descanso como o Pastor com sua ovelha perdida.
Não creio em um avivamento espetacular para esses dias, como aqueles pregados por alguns Conferencistas sensacionalistas, pois isto não é bíblico.
Mas creio que posso começar a chorar e me arrepender, posso, como nos dias de Jeremias, me colocar à porta do templo e clamar, anunciar, convocar quem queira ouvir a voz do Eterno.

9 de ago de 2010

SAUDOSISMO OTIMISTA - PARTE 1

Sou pentecostal. Aceitei Jesus numa igreja pentecostal e já usando de saudosismo, lembro-me que ainda na década de 80 nossos cultos tinham um clima de reverência e fervor que se fazia sentir até em ensaios de grupos de louvor e em algumas reuniões administrativas. Pecávamos pelo excesso de zelo com os costumes que chamávamos de "doutrina", e pelo desprezo que dávamos aos estudos teológicos e seus seminários, mas experimentávamos uma vida espiritual mais fervorosa e mais temerosa. Recordo-me de ver santas mulheres de Deus nos nossos Círculos de Orações, serem usadas nos dons espirituais, passávamos manhãs na presença de Deus ouvindo-o falar e não tínhamos dúvidas de que era Ele. Nos cultos à noite, quando o porteiro abria a porta para que tivéssemos acesso ao culto, contemplava as cabeças baixas, encostadas no encosto do banco, cujas lágrimas molhavam o chão humilde de minha velha igrejinha. O calor e a atmosfera denunciava a presença do divino. Vi, muitas vezes, gente entrando no templo com lágrimas a rolar pela face por ter sido tocada por uma canção entoada pelos jovens e entregar sua vida a Jesus e permanecer firme na fé. Vi crianças em seus Círculos de Orações serem batizadas no Espírito Santo (o quê? Você não sabia que criança tem Círculo de Oração?). Vi adolescentes sendo instrumentos de Deus na pregação de sua Palavra. Vi dezenas de irmãos sairem domingo à tarde para o evangelismo. Estive várias vezes em casa dos afastados da fé, persuadindo-os a voltar para Jesus e só saía de lá quando conseguia levá-lo para o templo.
Vi milagres acontecerem, gente sendo curada nos cultos da santa ceia. Vi o Presbítero da minha congregação, que não tinha formação teológica e, às vezes, nem a acadêmica, explicar textos em nossos cultos de doutrina que nos deixava regozijados.
Lembro-me de uma igreja que em todas as ocasiões festivas reservava um tempo para o estudo bíblico, geralmente no domingo à tarde.
Poderia citar tantas e tantas outras coisas que nos deixam saudades!
Saudade! Descreve a mistura dos sentimentos de perda, distância... Lembrei-me daquele movimento poético português surgido no início do século XX. Seus precursores, entre eles, Teixeira de Pacoaes achavam que o saudosismo, palavra oriunda de saudade, claro, poderia, através de seu movimento cultural, trazer regeneração para Portugal, já que este se distanciava do espírito ético e religioso dos anos anteriores.
Todavia, focar o passado sem perspectiva para o futuro é viver um eterno saudosismo, é não entender que a vida nos reserva elementos em nosso tempo presente que poderão ser usados para nos apontar um futuro melhor.
Nos dias de Ageu, quando os jovens viram o templo sendo restaurado, alegraram-se, enquanto os anciãos choravam. Os jovens não conheciam a magnificência do primeiro templo, então para eles aquele era glorioso! É o que acontece hoje. Estão se alegrando com um pentecostalismo e vida cristã que vem perdendo a essencia e chega à beira do ridículo e do profano.
Mas alguns de nós, viram a glória da primeira casa e choram tais quais os anciãos dos dias de Ageu e então um sentimento saudosista surge, a tristeza aumenta e ficamos inconformados.
Mas, deixe-me te dizer, não sou saudosista como Teixeira de Pascoaes, sou como os anciãos dos dias de Ageu, pois eles ouviram a a voz de Deus que dizia: "A glória desta última casa será maior do que a da primeira, diz o SENHOR dos Exércitos, e neste lugar darei a paz, diz o SENHOR dos Exércitos". (Ageu 2:9)
Era Deus dizendo: "entendo a saudade de vocês, mas olhem para o futuro, estou reservando algo maior e melhor, o que farei, não se comparará com o que vocês viram no passado".

2 de ago de 2010

FALANDO DO QUE INTERESSA

Olá . Que a paz do Senhor Jesus Cristo esteja com você.
Hoje recebi uma série de comentários nas postagens referentes à crise entre a Adesal e Ceadeb. A maioria, 99,9%, resolvi não publicar, tamanha a fragilidade dos argumentos. A maioria, carregadas de ódio e sentimento de intolerância, donos da verdade e que não aceitam quem pense diferente dele ou dela. Gente que esqueceu da máxima do Evangelho que é o amor ao próximo, amor tão divino que é capaz de dedicá-lo até ao inimigo. Não foi isto que Jesus falou? Ele não disse que deveríamos amar nossos inimigos? E porque fazemos comentários onde escarnecemos os da fé, os vituperamos, jogamos seus nomes na lama? Porque achamos que somos os santinhos e que estamos do lado certo, enquanto o outro está debaixo de maldição? Reprovo terminantemente este clima instalado entre os da Adesal e os da Ceadeb. Tanto um lado como o outro estão errados. Basta uma leitura dos ensinos de Jesus, não precisa nem mencionar o que as epístolas dizem sobre o assunto.
Por isso resolvi mencionar algo também repugnante, mas que precisamos falar para alertar os incautos. Há dias, meses, sou interrogado por alguns irmãos desejosos de conhecer a verdade, sobre o Ilunimati. Tenho me reservado a dizer que tentarei um estudo no assunto. Ao começar a pesequisar, observei o que qualquer pessoa com um mínimo de senso crítico teria observado. As declarações da Série "Prepare-se", em DVD's, alguns divulgados no You tube, são baseadas em uma "teoria da conspiração".
É uma doideira tão grande, que encontram mensagens até na bola da copa do mundo. Lendo esta semana o Genizah soube que até Kaká, pois é, o Kaká, faz parte da cúpula da Ordem Mundial. E Isto foi deduzido a partir de um comercial da Pepsi! Interessante que os tais "teólogos" se quer usam textos bíblicos, tudo é feito meramente a partir de personalidades e acontecimentos.
Até agora os mesmos irmãos que de vez em quando me questionam sobre o tal Iluminati, não me procuraram para questionar porque os vacinados contra a Gripe H1N1 não morreram, como foi altamente divulgado pelos "teólogos do terror". Quanto a este assunto resolvi recorrer a o Pr. Ciro Sanches, alguém que fala do assunto com mais propriedade no site da CPAD:

"Os teólogos (teólogos?) do terror têm feito de tudo para alarmar os cristãos incautos, que acreditam em teorias da conspiração, deixando-os paranoicos. O mundo, segundo tais “teólogos”, está sob o controle dos “senhores do mundo”, a Illuminati, os quais desejam, a todo custo, dizimar a população. Já existem “caixões” (containeres) em toda a parte para depositar os corpos! E uma das formas eficazes para matar o maior número possível de pessoas é através da vacinação em massa...
Muitos cristãos desavisados estão embarcando nessa “canoa furada” e acreditando em notícias alarmantes que são apresentadas em uma série de DVDs chamada “Prepara-se”, que contém informações pretensamente jornalísticas — na verdade, especulações, invencionices, teorias da conspiração, etc. —, as quais têm levado muitos crentes a odiarem tudo o que vem do governo brasileiro, dos Estados Unidos e até de Israel. É como se tudo fosse uma grande conspiração. Esses irmãos desavisados (e alguns esclarecidos que se deixaram convencer pelas tais informações “jornalísticas”), assustados, aterrorizados, sequer tomaram a vacina contra o Influenza A (H1N1), a famigerada “gripe suína”.

Disseminou-se no meio do povo de Deus o seguinte: “Não tomem a vacina! As pessoas estão morrendo depois que a tomaram”. Ora, como alguém pode afirmar com tanta certeza que pessoas estão morrendo por causa da vacina? Afinal, milhões a tomaram e estão vivas! E, para quem não sabe, o número de casos graves da gripe H1N1 caiu em todo o país justamente por causa da vacinação preventiva!

De acordo com uma reportagem da Agência Brasil, a quantidade de casos graves e de mortes provocadas pelo vírus Influenza H1N1 diminuiu, e muito, entre março e julho deste ano, em todas as regiões do país. Segundo a análise preliminar do Ministério da Saúde, divulgada ontem (28 de março), a vacinação de 88 milhões de pessoas tem reflexo direto na redução dos casos. No período entre 28 de fevereiro e 6 de março ocorreu o maior número de pessoas hospitalizadas: 79. Entre 11 e 17 de julho, não houve nenhum registro de internações causadas pelo H1N1. E o número mais importante: as mortes provocadas pelo vírus também caíram.


Foram registradas 11 mortes entre 21 e 27 de fevereiro e nenhuma entre 4 e 17 de julho. Boa parte das 91 pessoas que morreram por causa do H1N1, entre janeiro e julho, não tomaram a vacina, que foi ministrada no período de 8 de março a 2 de junho. Calcula-se que mais de 50% da população não tomou a vacina — muitos evangélicos não a tomaram por causa das notícias alarmantes dos “teólogos” do terror, que geram crentes paranoicos com os seus DVDs e vídeos no YouTube.

Pergunto aos propagadores da escatologia aterrorizante: Os “senhores do mundo” falharam? Por que a vacinação em vez de dizimar a população contribuiu para diminuir os casos de morte por causa do H1N1?
"

Ciro Sanches Zibordi

Leia mais sobre o assunto no Mensageiro da Paz deste mês, cuja matéria de capa aborda a escatologia aterrorizante