28 de nov de 2011

Evangelho Intolerante

"Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelo que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus." Mt. 5:44

Numa época de preconceitos contra quem não era filho de Abraão e ódio contra seus dominadores, os romanos, os judeus sentem rasgar seus tímpanos com a declaração inovadora de Jesus, que se transformara na mais ousada proposta de vida com Deus que um ser humano pode ter. Sua frase diferia de todo discurso religioso até então ouvido e se tornou na máxima da religião que mais tarde levou o seu nome.
Amar os inimigos já era demais para aqueles judeus familiarizados com a escravidão, o domínio e a exploração de nações e impérios poderosos, imagine pensar que sua condição de filhos de YAHVEH, dependeria disto.
A verdade cristã de Mateus 5:44, deve nortear as relações interpessoais de quem segue a Cristo. O Evangelho nos desafia com isto, a andar na contramão das mesmas relações de nossa sociedade individualista.
Esta forma de viver levou o Apóstolo Paulo, anos mais tarde, fazer entender aos irmãos de Corinto que, por causa deste amor, o cristão deve estar pronto a sofrer a injustiça e o dano (1 Co. 6:7).
O texto citado acima, como uma série de outros, pertencentes aos discursos de Jesus, tem implícito o que chamamos de tolerância. Jesus deixou bem claro em seus ensinos que a tolerância seria usada para fazer possível nossa existência e possibilitar os diálogos com respeito ao diferente e saber lidar com os conflitos ideológicos historicamente presentes entre os homens.
Aqui em Salvador, alguns da ADESAL e outros da CEADEB, ao invés de fazerem uso desta verdade, preferiram a intolerância. Preferiram a invasão do bem alheio e o confronto corporal, numa atitude animalesca  e irracional. É o Evangelho Intolerante que não aceita uma decisão judicial de um lado, e do outro, o Evangelho Intolerante que não aceita diálogo, que não segue orientações.
O episódio na Capelinha é uma página negra na história das Assembléias de Deus em Salvador e na Bahia, é o retrato da ganância dos poderosos que se escondem, enquanto mandam para a batalha mulheres, crianças e adolescentes e homens irracionais, sedentos de confronto físico.
Sei que muitos irmãos da CEADEB farão terríveis comentários contra mim neste blog, todavia, antecipo-me, dizendo: me perdoem, minha alma chora com tudo isto. Não concordo com vocês, não concordo que ocupem o templo em uma vigília de protestos usando mulheres, crianças e adolescentes, não concordo em desobedecerem a última decisão judicial. Mas entendo o sentimento, entendo a dor, entendo a humilhação, entendo que a Adesal também cometeu erros. Neste exato momento choro com vocês, choro pela paz que foi perdida, pelas feridas abertas, pela burrice dos que se dizem homens de Deus, pela intolerância e por perceber que estamos distantes do Evangelho de Cristo.
Apenas respondamos: Que proveito teremos? Que ganho terão aqueles que deixaram de estar com suas famílias em suas casas, para se expor publicamente num ato de vandalismo, violência e truculento atento à moral e à ordem? Que ganho teremos, tantos os da ADESAL, quanto os da CEADEB? Que céu é este que queremos ir, que Evangelho é este que pregamos na madrugada de domingo?
Uma conspiração no mundo espiritual trama contra nós no ano do centenário das Assembléias de Deus no Brasil. A denominação berço do pentecostalismo, é a que protagoniza atos de intolerância e bestialidade.
A sede pelo poder pentecostal, tão cantado no hino 24 da Harpa Cristã, foi substituída pela sede de poder do dinheiro e da posse de bens terrestres, como dos títulos e cargos convencionais e de presidências de campos.
A mim só resta dizer: "Perdoe-nos Senhor, perdoe-me por magoar meu irmão, perdoe minha intolerância, perdoe-me por romper laços fraternais com meus irmãos, perdoe-me pelo sangue de Jesus Cristo teu Filho e que eu possa ter comunhão, tanto com os da CEADEB, quanto com os de qualquer denominação que professa teu santo nome..."

26 de nov de 2011

Capelinha Continua Refém

Desde quinta-feira, 24/11, que um grupo de assembleianos da CEADEB, ocupa o prédio que sempre pertenceu à Adesal. A maioria, mulheres e crianças. A atitude vem causando um grande mau estar para os irmãos da Adesal que congregam naquele templo, que se veem impedidos de continuarem com suas atividades. O Presidente e Líderes da CEADEB em Salvador, mantem-se em silêncio. É como se aqueles pobres irmãos ceadebianos fossem instrumentos de manipulação dos verdadeiros responsáveis pela balbúrdia. Os que ocupam o prédio se quer param para pensar de que estão sendo usados para interesses dos grandes e que se tornam instrumentos de escândalo. A atitude de desobedecer a uma decisão judicial usando um documento sem validade, faz do ato uma infração da lei.
Não culpamos os irmãos que lá se instalaram, até porque são uma minoria em relação ao número que hoje estão com a CEADEB em Capelinha. O que se precisa no momento é que seus líderes e o senhor Presidente da CEADEB, tenham a coragem de se manifestarem em favor da justiça, coerência e respeito pelos irmãos da Adesal em Capelinha que continuam em seus lugares e que, não são obrigados a viverem sob constante ameaça e mau estar causado por essa atitude insana e demonstração pública de desequilíbrio da razão.
O Presidente da Adesal pensa em reunir sua Diretoria e Pastores Setoriais hoje para discutir um plano de diálogo com os irmãos da CEADEB sem causar mais escândalos e evitar conflitos desnecessários. Para Pr. Israel, os irmãos ceadebianos merecem nosso respeito e só o diálogo cristão e aberto poderá trazer solução para o impasse.
Na minha opinião aqueles irmãos da CEADEB, são nossos irmãos em Cristo e as portas da Adesal Capelinha devem estar abertas para eles e que, deveriam repensar a atitude que tiveram de sair da instituição e de, agora, ocupar desta forma o prédio que sempre foi deles.
A briga entre diretores da CEADEB e ADESAL não deveria envolver as ovelhas e as ovelhas, não devem comprar esta briga. 
Enquanto isto, aguardamos em oração...

25 de nov de 2011

Mais Notícias Sobre Capelinha

Os advogados da Adesal conseguiram contato com o Juiz que reconheceu a improcedência dos atos do grupo de irmãos da Assembléia de Deus CEADEB, que desde ontem ocupa indevidamente o templo da Adesal Capelinha. O grupo teria se valido de uma liminar já "derrubada" pela última, que dá direito de posse do templo a Adesal. Embora o grupo saiba da existência da liminar, insiste em continuar "acampado"   no local e já começa a colocar faixas de protesto para chamar a atenção.
A orientação do Presidente da Adesal é que a calma seja mantida e que esperemos em oração pela emissão do documento da Justiça que já garantiu o direito de posse a Assembléia de Deus em Salvador. Possivelmente, isto só acontecerá a partir de segunda-feira, já que o mesmo não pôde ser emitido em tempo hábil.

Templo da Adesal Capelinha Em Jogo Mais Uma Vez

É lamentável o que o diabo e alguns líderes da CEADEB  conseguiram plantar no coração de alguns de seus fiéis. A coisa é tão séria que até as decisões judiciais são descumpridas e desrespeitadas. Há meses que a parte insatisfeita com a Adesal e que decidiu ficar com a CEADEB, e eles tem direito, vem causando um clima de mau estar, ameaçando constantemente a "retomada" do prédio da Adesal em Capelinha de São Caetano, mesmo a Justiça tendo decidido que o prédio é de propriedade da Adesal. Neste exato momento, um grupo de crentes assembleianos da CEADEB, ocupa, por invasão, o prédio da Capelinha, sede do Setor 5 da Adesal, desde a tarde de ontem. O grupo invasor faz orações em voz alta, num claro sinal de insanidade e hipocrisia declarada. Os advogados da Adesal estão neste momento juntando as provas documentais e acionando o poder público para averiguar a situação. Enquanto isto, desde ontem, viaturas da Polícia Militar monitoram a área para garantir a ordem e evitar desvarios.
Parece que a CEADEB que abriu vários processos contra a Adesal e seu Presidente, não aceita que as decisões judiciais sejam em favor da parte reclamada. Enquanto isto, estamos orando para que o Senhor faça prevalecer a justiça e os homens entendam que no céu não vão entrar prédios e propriedades, mas salvos lavados e remidos no sangue do Cordeiro.

24 de nov de 2011

Um Assalto de Fé, Baseado no Retrato da Atual Fé Mercantilista Tupiniquim






Um Assalto de Fé estará nas telonas a partir de 02 de Dezembro e será uma denuncia bem humorada do mercantilismo que se faz da fé. Obviamente que é pra chorar, mas também, acredito, não teremos motivos para criticar o filme, já que a teologia evangélica das igrejas brasileiras há muito, vem sendo influenciada pela a da Prosperidade e do positivismo. Além disso, igrejas pentecostais conservadoras vem permitindo em seus púlpitos, todo tipo de desvio da fé "que uma vez foi dada aos santos".
O filme pode ser visto também como a continuação de uma mentalidade que insiste em ridicularizar os evangélicos, embora a Diretora Cibele Amaral que também atua no filme como "Nildinha", afirme que "as referências às crenças de afrodescendentes mostram que a comédia não mira apenas nas igrejas evangélicas" e que o filme passou na aprovação do público evangélico nos testes de audiência.
O filme já está sendo comentado e gerando polêmicas antes mesmo de seu lançamento e, com certeza, causará muito mau estar em qualquer evangélico que não se identifica com o estilo de vida evangélico mostrado em Um Assalto de Fé. O filme mostra o plano de uma quadrilha, liderada por "Galinha Preta" (Alexandre Carlos) para assaltar a "igreja" do Pastor Ozéas, um tremendo malandro que faz tudo para tirar dinheiro do povo. 
Penso que o Filme será também um alerta para que coloquemo-nos contra esta ordem de coisas estabelecidas no arraial dos santos, embora tenha firme convicção de que a película tenha sido produzida para perpetuar neste Brasil a idéia equivocada que se tem dos evangélicos. Um Assalto de Fé não leva em consideração o nome de Jesus e o usa sem nenhum temor numa cena em que alguém o compara a "Jedi".
Não, o filme não é o retrato dos evangélicos, mas dos maus evangélicos, assim como a corrupção não é um estilo de vida dos políticos, mas dos políticos corruptos.
Bem, só nos resta esperar pra ver e orar para que Cristo seja realmente o Senhor na seara gospel brasileira.

CONFRAMADEB Reúne Conselhos e Traça Metas

Foto ilustrativa
A CONFRAMADEB (Convenção Fraternal de Ministros das Assembléias de Deus no Estado da Bahia), já é a segunda maior convenção em número de ministros no Nordeste, a informação é fornecida por dados oficiais da CGADB. Apesar de ter nascido sob conflitos políticos surgidos na CEADEB (Convenção Estadual das Assembléias de Deus no Estado da Bahia), a CONFRAMADEB também é uma resposta aos anseios dos quase oitocentos ministros hoje filiados a ela. Assumindo uma política de filiação diferente da CEADEB,  a Convenção Fraternal mantém as igrejas isentas de encargos e tributos, sendo esta uma obrigação do ministro que contribui com pouco mais de R$ 20,00 mensais e uma taxa mensal para o fundo missionário, utilizado para o amparo a projetos missionários e implantação de igrejas. Apesar de pouco tempo de existência, a CONFRAMADEB já é conhecida e respeitada em todo Brasil, vários ministros com igrejas em diversos Estados da Federação já fizeram proposta de filiação.
Para alavancar o seu crescimento e discutir projetos missionários em nosso Estado, o Presidente da instituição, Pastor Israel Alves Ferreira, reuniu os Conselhos, na Adesal Pituba, na quarta-feira, dia 23/11, e apresentou uma proposta que exigirá o esforço dos Conselhos e Comissões. A proposta abrange também um projeto para a Copa 2014 e já está sendo discutida em reuniões do Conselho de Missões. Além disso, o mesmo Conselho, junto com o de Evangelismo e de Educação, Cultura e Religião, investirão esforços em Treinamento de Obreiros, treinamento de candidatos ao ministério, além de colocar em prática trabalhos evangelísticos que vão, desde as Cruzadas em grandes centros no Estado da Bahia, até os serviços sociais em parceria com os Conselhos de Ação Social, Capelania e Político.
O Conselho de Imprensa ganhou um novo aliado, o Pastor Pires, jornalista e atuante na imprensa baiana, com experiência de vários anos. Ele prestará assessoria também à Mesa Diretora da CONFRAMADEB, orientando e respondendo pela mesma à imprensa.
A reunião foi propícia também para tirar dúvidas e discutir os possíveis problemas que surgirão durante a caminhada da nova Convenção. 
O Pastor José Pereira Lima, 1º Vice Presidente, apresentou uma proposta que viabilizará a expansão da CONFRAMADEB e salientou ainda que a nossa Convenção desfruta de boa relação com várias outras Convenções, inclusive na cidade de Salvador. 
A reunião foi realizada num clima de conscientização de que é preciso trabalhar e deixar no passado os problemas e conflitos vividos no processo de desligamento da antiga Convenção e surgimento da nova.  

22 de nov de 2011

Será Possível a Paz entre CEADEB, ADESAL e CONFRAMADEB?

Oração que selava um acordo que foi rompido.
Uma das coisas mais interessantes sobre o episódio CEADEB X ADESAL, é que os Presidentes de ambas as instituições almejavam presidir a mesma. A briga começa no calor das campanhas para Presidente da Convenção, em 2009, apesar de sabermos que nos bastidores já se falava no tal surgimento de uma nova Convenção. Alguns Pastores, aliados do Presidente da Adesal, alimentavam esta possibilidade, embora a maioria destes tivessem preferido ficar de fora na hora do "vamos ver".
Como disse meu amigo, Pr. Luiz Leandro (CEADEB), em resposta a um dos meus comentários em seu blog, "o caso poderia resolver-se com um bom diálogo". Mas diálogo é o que sempre falta quando interesses pessoais estão em jogo. Alguns acordos foram feitos, como aquele retratado pela foto ao lado e publicado no Blog do Pr. Dário Gomes em 2 de dezembro de 2009. Naquela ocasião, a esperança era a de que a Assembléia de Deus na Bahia retomasse seu rumo e que boatos que atingiam a imagem de ambos os Presidentes, fossem desfeitos. Não há dúvidas de que os dois Líderes tentaram acordos e por várias vezes dialogaram. As testemunhas destes encontros carregados de discussões e de diferenças de opinião, foram os membros de ambas as Mesas Diretoras.
Mesa Diretora da CEADEB testemunha
tentativa de conciliação entre os
dois Presidentes
Por algumas vezes, a paz quase que se estabeleceu. No meio dos conflitos, no entanto, além dos interesses das partes, estavam também os interessados em manter a inimizade entre os dois Presidentes. Um leva e traz ao estilo Tobias e Sambalate, fazia arder a fogueira da intolerância e anunciava o fim da união de dezenas de anos entre a Igreja de Salvador e a Convenção fundada em seu seio sob as as bençãos de homens que já dormem no Senhor e outros que ainda vivem e lamentam por ter que presenciar o que era inconcebível a alguns anos.
Por outro lado, a Igreja de Salvador foi a mais atingida nesta insana incursão dos homens. Pastores que, com todo direito, não concordaram com a atitude do Presidente da Adesal e da maioria de seus ministros, romperam com a Adesal e causaram uma crise que ainda hoje resulta em tristes frutos, como o afastamento e apostasia da fé por muitos e a inimizade entre irmãos.
Não há dúvidas de que a Assembléia de Deus na Bahia, só retomará seu rumo, quando os Presidentes e ministros de ambas as instituições, resolverem perdoarem-se de verdade e fazerem um acordo de paz que resulte na união pela evangelização do Estado e a glorificação do nome de Jesus. É necessário abandonar esta guerra, baixar as armas, retirarem processos, fazerem um manifesto público de arrependimento, caírem aos pés da cruz e suplicar o perdão de Cristo e fazer com Ele uma aliança que redunde na união de irmãos em Cristo que congregam sob a Bandeira da Adesal e da CEADEB.
O que impede o estabelecimento da paz, se não o coração duro dos homens? O Presidente da CEADEB errou tanto quanto o Presidente da Adesal, não há certos neste embate, todos pecamos diante de Deus no que diz respeito a alimentar o espírito de inimizade, de contendas, difamações, processos, etc.
Não tenho dúvidas de que a Bahia precisava de uma nova Convenção como em outros Estados muito menores que o nosso, mas que fosse feito sob a ética, moral e norteada por princípios da Palavra de Deus, dirigida por um diálogo aberto e cristão, mantendo-se um acordo possível e amigável.
Sim, é possível a paz entre a CEADEB, ADESAL e CONFRAMADEB, só dependerá dos dois Presidentes. Dependerá do abandono à mania de que o Presidente da CEADEB tem de achar que a Adesal tem que voltar para a CEADEB como se ela fosse o próprio Deus e disto dependesse o bem estar da Igreja em Salvador. É fato, a Adesal está ótima sem a interferência da CEADEB e penso que a CEADEB avança em nosso estado, porque como nós, almeja nada mais, nada menos do que prosseguir com a tarefa da evangelização e expansão do ministério no Estado. Dependerá também do Presidente da Adesal cumprir com as obrigações pendentes  com a CEADEB e expandir seu ministério, não para responder à CEADEB, mas para cumprir a Grande Comissão de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.
Portanto, é possível a paz, basta querer.

Globo Faz Reportagem Sobre o "Bom de Bíblia" da Igreja Adventista

21 de nov de 2011

A Assembléia de Deus na Bahia mudou...

Assim também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas interiormente estais cheios de hipocrisia e de iniquidade. Mt. 23:28

Tenho 42 anos de idade, dos quais 30 servindo ao Senhor nos arraiais da Assembléia de Deus em Salvador. Fui discipulado pelo Presbítero Aristides Sacramento e pelo Pastor Pedro Alvares Vieira; o primeiro, com mais de 90 anos, ainda vive e desfruta de plena sanidade, além de ser dono de uma memória impressionante. O segundo, já dorme no Senhor. Sua história está nos anais das fundações de campos no interior de nosso estado. 
Tive o prazer de ser batizado nas águas no templo da Liberdade pelo ilustre Pastor Rodrigo Silva Santana, homem que escreveu sua história enquanto Presidente da igreja em Salvador e da Convenção das Assembléias de Deus no Estado da Bahia (CEADEB).
Pr, Martinho Damião
Parte do meu aprendizado foi nos bancos da igreja em Boqueirão, no Bairro de Santo Antonio e que hoje é patrimônio histórico e da igreja na Liberdade, atual sede da Adesal. Ali, ouvi não só o Pastor Rodrigo, mas homens como Jorão Bergsten, Abraão de Almeida, Martinho Damião, entre outros.
O estudo bíblico era uma constante em nossas reuniões naquele tempo. Comecei a fazer parte da igreja numa época em que, quem queria aprender a palavra de Deus, começava a questionar, a se interessar por seminários, palestras, encontros de oração e estudo bíblico.
Miss. Eurico Bergsten
Todas as comemorações da igreja, como aniversários, congressos, etc., tinham sempre um estudo bíblico. A igreja lotava para ouvir sobre bíblia. Escatologia, Soteriologia, Geografia Bíblica eram assuntos explorados nas Escolas Bíblicas de Obreiros em nossas convenções. Renomados homens como o Missionário Eurico Bergsten, Pastor Antonio Gilberto, proporcionavam-nos edificação e conhecimento.
A oração era uma marca de nossa denominação. Os crentes costumavam deixar marcas de lágrimas nos bancos e no chão do templo. Alguns, mesmo depois do sinal dado pelo dirigente do culto para começar as atividades, continuavam de joelhos em contrição e quebrantamento diante de Deus. Momentos em que, falar em outras línguas pelo Espírito Santo, era uma constante e uma atitude que contagiava quem ainda não era batizado no Espírito Santo.
Pr. Jorão e Ivonildes Bergsten
As músicas que ouvíamos, hoje ultrapassadas e tidas como "cafonas", tinham conteúdo bíblico e poético. Até hoje, ao ouví-las, somos transportados e constrangidos a adorar. Não dizíamos ser "apaixonados" por Jesus, até porque víamos tal expressão com um olhar diferente, mas estávamos mais perto da verdadeira adoração do que com os jargões modernos de "enfermo de amor" ou "um lugar de intimidade".
Mas tive o desprazer de acompanhar profundas transformações em nossa teologia, conteúdo bíblico, liturgia, etc. Vi chegar a geração dos Conferencistas, enquanto desapareciam os mestres e doutrinadores. 
Um movimento dissociado da palavra de Deus tomou conta de nossos púlpitos e vem substituindo a Bíblia e lançando fora a sã doutrina pela qual nossos pais se sacrificaram, pagando o alto preço da oração, do estudo das Escrituras e da renúncia para nos transmitir.
Além disso, alimentamos a ganância de quem cobra altas somas para pregar; são os profissionais do púlpito, que usam da habilidade da oratória para dizer o que o povo "quer" ouvir e não o "que" precisam ouvir. Ensinam heresias e usam de jogadas psicológicas para manter os incautos presos em suas garras e dependentes emocionalmente de seus jargões.
A invenção dos cultos das maravilhas, copiado do movimento neo-pentecostal, é na verdade uma forma de aumentar a arrecadação e  o número de frequentadores sem a bíblica evangelização.
Nossos pastores mantém os fiéis escravos de um comportamento anti-bíblico e de uma fé rasa e facilmente contestada, porque, diferentemente de Jesus, sentem medo de perder público e consequentemente (desculpem, mas tenho que ser direto) perder dinheiro.
Além disso, pesa-nos o fato de sermos complacentes com todo tipo de injustiça e não disciplinarmos, à luz da Bíblia, aquele que não vive de acordo com os princípios da Palavra de Deus, aceitando em nosso meio, ministros do Evangelho que na verdade não o são, o que é notado por suas obras.
A falta de liderança eficaz na Assembléia de Deus na Bahia é espantosa. As brigas e disputas mediadas por ímpios e manifestos públicos orquestrados por pastores que expõem suas ovelhas e vituperam o nome de Cristo, é outro sinal cabal de que estamos em pecado e distantes da moral e da ética defendidas pelas Escrituras.
A sentença de Jesus pronunciada aos fariseus em Mateus 23:28, cabe-nos. Sim, parecemos justos aos homens, mas interiormente estamos cheios de hipocrisia e iniquidade. Não podemos mais ser coniventes com esta situação. Não podemos aceitar mais que tenhamos cultos de maravilhas, precisamos que as maravilhas sejam um resultado da pregação simples e genuína do Evangelho  (Mc. 16:20). Não podemos mais passar o cajado para os meliantes do púlpito, precisamos, nós mesmos, pastores, sermos instrumentos de Deus para o ensino e para a operação de sinais e maravilhas.
Não podemos mais impor as mãos sobre amigos para separá-los ao ministério, mas sobre vocacionados e a quem o Espírito Santo nos revelar.
Não podemos administrar mais a igreja sob a ótica de nossa ganância. Não podemos aceitar mais o pecado. Estamos sendo julgados! Estamos pagando um preço alto pela nossa desobediência. 
Em Salvador especialmente, um clima de intolerância entre dois grupos das Assembléias de Deus, subjuga homens e mulheres carnais nos laços do ódio. 
A volta ao Evangelho puro e simples, ao estudo das Escrituras, a confissão de pecados e a disposição para perdoar se constituem na única saída para a Assembléia de Deus na Bahia.
A coragem para tirar do santo ministério os que causam escândalos e aqueles que estão fazendo da "vocação", cabide de emprego, resultará no zelo pela casa do Senhor.
Ainda há esperança, Cristo continua de braços abertos. A igreja é sua noiva, por ela Ele pagou um alto preço e seu amor é capaz de lançar fora nossas ofensas.
A antiga canção "Consequências" na inconfundível voz de Victorino Silva, é excelente recomendação para nossa meditação.


16 de nov de 2011

Geração das Baixarias de Líderes Evangélicos


"Rogo-vos, pois, eu, o preso do Senhor, que andeis como é digno da vocação com que fostes chamados,
Com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor." 
Efésios 4:1-2

Humildade, mansidão, longanimidade, capacidade para suportar o próximo, são virtudes existentes no "mundo imaginário" da Bíblia para a maioria dos tele evangelistas e pregadores da televisão brasileira. Ninguém perdoa ninguém, deu uma vacilada, pronto, no outro dia tem gente querendo ganhar "ibope" com o vacilo do outro.
Aqui no Brasil as fofocas e bate-bocas gospel estão mais em alta que a lixaria de Casos de Família, Programa do Ratinho, entre outros.
A reportagem da Record que denunciou os absurdos do "cai-cai", virou motivo de bate boca na internet. Pr. Silas Malafaia, que já foi um grande pregador, agora se acha na obrigação de responder a tudo que envolve o povo evangélico. Em determinados períodos, ele passa mais respondendo a boatos e disse-me-disse, que pregando o Evangelho. Para segurar a audiência, usa das mesmas artimanhas de apresentadores sensacionalistas da TV, anunciando uma grande notícia no final do programa.
Já o Pr. Caio Fábio, um dos maiores escritores evangélicos e de uma notada habilidade de retórica, se transformou no Ratinho Gospel, basta não concordar com a postura ou discurso de alguém, que  logo a palavra "bundão" é deferida mais que qualquer outra em seus argumentos esdrúxulos.
Sinceramente, assistir um programa evangélico de um desses "pregadores" em companhia de nossos filhos, está ficando tão danoso quanto qualquer outra "bagaceira" da televisão brasileira. Fazemos tudo para nossos filhos ficarem longe da baixaria das novelas, mas os expomos a este tipo de embate.
Expor o outro e ridicularizá-lo em nome de Jesus, dá mais audiência que a simples pregação do evangelho. A maldita façanha sacia a sede diabólica do telespectador gospel que gosta de fuchicos e da vida alheia.
A onda está também em sites. Sob a bandeira da apologética, alguns desses sites escracham e dão todo tipo de apelido aos ícones da "escorregadas" teológicas e comportamentais da TV. 
As vergonhas são expostas sob o argumento da transparência e da necessidade de denunciar o erro e combater o pecado. Enquanto isso, uma geração de evangélicos que mais vivem de uma teologia positivista, de uma fé hedonista e humanista, sacia-se com esse lixo da irracionalidade dos ditos tele evangelistas tupiniquins.
Daí nossa mensagem não mais constranger o pecador ao arrependimento, nosso testemunho não aponta mais para o calvário, nossa fé não mais está relacionada ao nosso estilo de vida, não vale mais o que somos, mas o que temos.
Aquela história de tirar primeiro a trave do próprio olho, foi substituído pelo princípio do tirar o argueiro do próximo sim e que suportem a trave no meu olho.
Os reis da baixaria tem nome. Suas vidinhas são casas com telhado de vidro. Eles são sustentados por seus "colaboradores fiéis", ou suas "colunas", os quais financiam o festival de besteirol dos tais pregadores e ajudam na compra de jatinhos e na aquisição de suntuosos patrimônios.
A geração de evangelistas da TV passou, eis aí a geração dos reis da baixaria gospel financiados pelas campanhas das "humildes" ofertas de R$ 900,00 e pelos martelinhos de R$ 1.000,00.
Deixei de assistir aos programas dos tais pregadores. Eles não tem nada a acrescentar, a não ser fomentar o ódio, aumentar ainda mais o sentimento de divisão a muito reinante entre os crentes.

14 de nov de 2011

Nos Caminhos de Nem

"E o SENHOR era com Jeosafá; porque andou nos primeiros caminhos de Davi seu pai, e não buscou a Baalins."
 2 Cr. 17:3
O homem de olhar expressivo e que agora pousa como intelectual ajudado pela imprensa descompromissada com a verdade, é Antonio Bonfim Lopes, vulgo Nem. É acusado de ser o chefe do tráfico de drogas da Rocinha.
Em entrevista à jornalista Ruth de Aquino na Revista Época, o jovem traficante deu uma de mocinho, pai de família, elogiou projetos do governo, indicou soluções para as mazelas da sociedade que ironicamente ele manteve sob o medo e a escravidão das drogas durante anos. O comentário absurdo do Secretário de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame, transforma o rei da favela da Rocinha e, portanto, inimigo do povo e do estado, num herói, "um dos caras mais inteligentes...". Segundo Beltrame, "se tivesse mais caras assim, tudo seria melhor". 
Não há dúvida de que o maior "furo" jornalístico, por esses dias, é uma entrevista com Nem, enquanto que, conversar com os investigadores que levaram meses para desarticular Nem e seus homens, é apenas um detalhe na matéria que conta como a Polícia do Rio entrou na Favela e proclamou a liberdade de seu povo.
A imprensa brasileira mais uma vez quer transformar o bandido em herói; está faltando só devolver a Rocinha a Nem e pedir-lhe desculpa pelo equívoco. 
Não tenho dúvida de que o homem que ganhou o nome de Nem e se transformou no Chefe do tráfico na Rocinha é carente de Deus e alvo de seu amor na pessoa do seu Filho Jesus Cristo. Todavia, transformá-lo em herói, é dizer aos nossos jovens e adolescentes que o crime compensa!
No período dos Reis de Israel e Judá, ambos os reinos tinham referenciais. Em Judá, a referência era Davi, em Israel, ora era Joroboão, ora Acabe. Os reis de Judá, que seguiram os caminhos de Davi, foram os mais bem sucedidos, pois Davi, apesar do conhecido pecado, sempre procurou andar "nos caminhos do Senhor".
O reino de Israel sofreu com reis que tinham como modelo, homens maus e inimigos de Deus e da justiça. 
Qualquer sociedade que tem como modelo homens que escravizam seu semelhante em nome de sua ganância, é uma sociedade fadada ao fracasso, com valores relativizados e princípios éticos e morais comprometidos.
Que nossos jovens não andem nos caminhos de Nem...

1 de nov de 2011

A Igreja Evangélica Está em Crise


"Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios;
Pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência." 
1 Timóteo 4:1-2

O maior problema da igreja está relacionado com a Palavra de Deus. Ela, além de não estar sendo ouvida e pregada, é transgredida e esquecida, consequenciando em apostasia gritante.
Todos os sintomas que apontam para a fragmentação de princípios e valores no corpo de Cristo, são decorrentes da indiferença aos princípios da Palavra de Deus, ao desvio de suas verdades fundamentais.
A pós modernidade com suas profundas transformações filosóficas, vem influenciando princípios cristãos, antes tão defendidos com paixão e hoje transformados em relatividade.
O resultado é a  apostasia vaticinada por Paulo e os pais da Igreja. Esta apostasia vem transformando culto em shows, o nome de Jesus, suficiente para curar e repreender demônios, além de salvar o pecador que nele crê, agora é apenas marca e marca que gera altos lucros.
A mensagem salvífica da cruz, deu lugar ao positivismo e à venda das bençãos. 
Os tele evangelistas, viraram mercadores da Palavra de Deus e mais vendem seus produtos e montam poderosos impérios, do que pregam. Aliás, a mensagem que pregam com tanto carisma, não tem mais a cruz de Cristo e sua ressurreição, mas a glória dos homens e seu gozo dos bens terrestres. 
Disputas pelo poder, dinheiro, status, guerras, escândalos, improbidade administrativa, adultério, atentado ao pudor, pedofilia, prostituição, roubo, engano, violência...são palavras das quais a maioria dos líderes evangélicos não se envergonham mais. Convivem normalmente com elas, fazem-nas de seus travesseiros e as tem em seus acordos nos almoços e jantares pagos pelos santos dízimos e ofertas.
Jezabel assumiu seu lugar no santo arraial e reina nas mentes de líderes não vocacionados para a obra do ministério, mas experts em faturar e fazer negócios com o rebanho do Senhor. Montar uma igreja virou fonte de renda, realizar reuniões de "cura e milagres", virou meio de gerar lucros, que digam os famosos congressos proféticos, congressos de louvor e adoração, encontros de vasos, reuniões de "explosão de milagres", etc.
Pulo deixou bem claro algumas verdades que retratavam a igreja de seu tempo e foi incisivo em dizer que seria uma verdade também para os "últimos tempos".
Primeiro apostatarão da fé, se desviarão de princípios fundamentais da palavra de Deus;
Segundo, darão ouvidos a espíritos enganadores e a doutrinas de demônios. Sempre ignoramos a facilidade que Satanás tem de ludibriar o povo de Deus. Essa nossa indiferença a atuação do inimigo de nossas almas levou Jesus a alertar Pedro e a Pedro nos advertir anos depois: "Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar." 1 Pe. 5:8
Terceiro: isso resultará em homens hipócritas falando a mentira. 
Estamos vivendo um tempo em que a dignidade no meio do povo de Deus se transformou um mito. A verdade é utopia e a santidade é objeto de zombaria.
Estamos numa crise sem precedentes, mas nossos líderes estão muito ocupados em aumentar indiscriminadamente o número de membros a qualquer custo, em garantir a perpetuidade de seus "ministérios" e escreverem seus nomes nos anais da história.
Enquanto isto, missões não importa, evangelizar é só mais uma atividade e santidade ganhou novo conceito e se adequou a este presente século.
Sim, estamos em crise. Crise de liderança, de valores, de identidade. Estamos em crise!
Precisamos arrependermo-nos depressa, voltar ao primeiro amor, confessar nossos pecados e resignificar nossa vocação, a partir da palavra de Deus.