5 de mar de 2012

Mudanças na Mentalidade Missionária da Igreja - Mudanças no Comportamento da Liderança Evangélica.

E na igreja que estava em Antioquia havia alguns profetas e doutores, a saber: Barnabé e Simeão chamado Níger, e Lúcio, cireneu, e Manaém, que fora criado com Herodes o tetrarca, e Saulo.
E, servindo eles ao Senhor, e jejuando, disse o Espírito Santo: Apartai-me a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado. 
Atos 13:1-2

Na postagem anterior falava das mudanças significativas na mentalidade missionária da igreja brasileira a partir das descobertas, pesquisas, investimentos, debates, discussões, etc., acontecidos, principalmente, a partir da década de 80. Tentei discutir também que, tais mudanças, depois de mais de três décadas, ainda estão envolvidas em um processo lento, embora pesquisas americanas apontem um crescimento de 70% em relação ao ano 2000, no envio de missionários transculturais brasileiros. 
Entre as mudanças que ainda precisam acontecer, estão a necessidade de um olhar para nações não alcançadas, tanto quanto para aquelas com as as quais nos identificamos idiomática e culturalmente, e a de estudar, elaborar pesquisar, criar programas, treinar e enviar obreiros às regiões brasileiras com menor índice de pessoas que conheçam o Evangelho.
Dados apontam que no Brasil há cerca de 300 povos e centenas de idiomas, algumas, inclusive, sem tradução da Escritura Sagrada, como é o caso de certas tribos indígenas. No sertão brasileiro há um grito por obreiros treinados e por esforços missionários que atendam também às necessidades sociais. O maior celeiro de missões da atualidade, também é um campo branco para a ceifa.
Hoje, quero falar de mudanças que precisam ocorrer no comportamento protestante brasileiro, a fim de que uma mentalidade missionária sadia seja desenvolvida em nosso meio. 
No capítulo 11:19 em diante de Atos, deparamo-nos com o nascedouro daquela que se destacaria em esforços missionários em seus dias. Fundada por não judeus, Antioquia logo se tornou numa igreja forte e bem servida de sábios homens de Deus comprometidos com o jejum e a oração. Este alto compromisso lhes valeu o privilégio de ouvirem a voz do Espírito Santo.
Vale lembrar as principais lições deste texto:
A igreja de Antioquia tinha líderes preocupados e comprometidos com a comunhão com Deus. O texto do versículo primeiro diz que havia entre eles, profetas e doutores! Tais doutores, homens sábios e inteligentes, não tinham um super elaborado programa de evangelização, tampouco uma estratégia inovadora para missões; mas tinham canais espirituais abertos em direção a Deus! Eles estavam servindo ao Senhor e jejuando. A grande lição aqui é de uma liderança em sintonia com o Senhor, preocupada em serví-lo através de uma vida de consagração. Nenhuma mudança no seio da igreja é possível sem a iniciativa e postura da liderança. A liderança é peça chave para tudo quanto Deus quer compartilhar com seu povo; não é atoa que o Senhor a estabelece!
Como líderes espirituais, não fomos chamados para "embaraçarmo-nos com negócios desta vida" (2 Tm. 2:4), mas a um alto compromisso com a oração e o ministério da Palavra (At. 6:3,4). Esta postura da liderança possibilita o ouvir da voz de Deus, sua direção e seu prazer em relação ao que Ele quer que seu povo faça. Muito não se tem feito em missões porque infelizmente muitos de nós esquecemos este princípio. Ficamos muito tempo ocupados em como alargar nossas tendas, sem se quer imaginarmos que a tenda deve ser alargada para a direção determinada por Deus!
Não estamos aqui para montar impérios ministeriais, para financiar campanhas políticas, para levantar outra bandeira que não seja a do Evangelho. Não fomos chamados para atender expectativas, se não as de Deus. Não podemos perder tempo com disputas e debates (Tt. 3:9), com serviços fúteis na internet (eu estou mudando isto em minha vida), não fomos chamados para gastar nosso tempo em frente à TV, com games e lazer desnecessário. Fomos chamados para servir ao Senhor, para consagramo-nos a Ele, para estar atento à sua voz e obedecer à sua vontade, para sermos canais de sua glória! Se a liderança hodierna não assumir o mesmo compromisso que aqueles líderes antioquianos assumiram diante de Deus, então seremos o que no geral temos sido, uma organização, desprovidos das prerrogativas de um organismo vivo!
Esta é primeira mudança em nosso comportamento. Precisamos fechar as portas para inovações destruidoras. Precisamos deixar de atender as expectativas da grande massa, para atender à expectativas de Deus! Precisamos sair do engessamento religioso criado por nós mesmos com nossos conceitos equivocados da vida cristã piedosa. É hora de entrar na presença do Altíssimo e perguntar-lhe: "o que queres de nós Senhor?, Qual o teu plano para nós em nosso contexto? A quem temos que alcançar agora?"

Continua...

Um comentário:

RAFAEL CARLOS disse...

Pastor Raimundo
A Paz do Senhor

Fiz uma visita no blog do senhor e achei interessante. Estou me tornando seguidor de seu blog e gostaria que o irmão visitasse o meu blog também e torna-se seguidor dele. O meu blog possui estudos bíblicos e notícias religiosas que saem na imprensa. O irmão vai gostar. Deus abençoe.

Rafael Carlos
fidelidadeajesus.blogspot.com