25 de jun de 2012

CEADEB, ADESAL E CONFRAMADEB DOIS ANOS DEPOIS...

Ninguém imaginaria que no calor das discussões acerca do que seria os oitenta anos da Assembléia de Deus em Salvador, um cisma de grandes proporções fosse substituir a euforia da festa do octogésimo aniversário da instituição que foi, durante todo este tempo, a base do surgimento de uma das Convenções mais respeitadas do Brasil dentro do segmento.
A possibilidade do surgimento de uma outra convenção já era discussão nos bastidores de líderes influentes da CEADEB. Na verdade, o assunto nunca fora discutido abertamente por causa do clima de desconfiança e falta de sinceridade sempre presente nas relações entre ministros daquela Convenção. O espírito mais que político, diria, politiqueiro, sempre foi o tom nas articulações e nos processos há muito instalado no funcionamento da Convenção.
Desde a saída do Pastor Rodrigo Silva Santana, a Convenção Estadual das Assembléias de Deus no Estado da Bahia, ficou órfã de líder e aumentou-se consideravelmente as guerras pelo poder e a busca, cada vez mais implacável, pelo bem estar daqueles que já viviam nababescamente e nunca abririam mão dos melhores campos e fariam o possível para manter-se no poder. A disputa pelo cargo da Presidência, especialmente depois da saída bizarra do Pastor Demerval Lopes de Cerqueira, passou a ser tão suja quanto aquela vista na política secular. Compra de votos, promessas de campos, benefícios escusos, passaram a nortear o processo que envolvia a eleição para os cargos da Mesa Diretora da Convenção.
Esse espírito diabólico, carnal, norteou a crise que completou dois anos no dia 1º de junho. Crise que culminou no pedido de desligamento de 82 ministros da ADESAL à CEADEB. A história, já conhecida de todos, registrada neste blog, no do Pastor Dário Gomes e em outros, ganhou destaque na imprensa secular, chegou aos tribunais, à CGADB, à outras Convenções no Brasil e gerou a crise mais fatídica que já vi. 
Gerou inimigos, escândalos, divisões, tomadas de templos, difamações, calúnias e amargurou a alma dos certos e dos errados. Deixou uma mancha que custa desaparecer, de maneira que se tornou impossível tratar dos problemas atuais, sem lembrar da desgraça instalada em nossos arraiais a dois anos.
Depois de dois anos, a paz está longe, a reconciliação é inegociável. A CONFRAMADEB surge neste panorama de protesto, ela em si já é um protesto, um grito, uma resposta aos que querem manter-se acima do bem e do mal. Surge para oportunizar aos ministros dispostos a não mais viver as humilhações impostas por uma liderança que tira pastores de seus campos a todo custo, que empossa outros debaixo de protestos, vaias e gritos.
Mas deixe-me dizer algo: apesar da CONFRAMADEB surgir com os propósitos elencados acima, não a vejo como saída e resposta para os problemas sempre vividos na Assembléia de Deus na Bahia. O sistema é o mesmo, as ambições, as injustiças, a falta de Deus, a ausência de santidade e a falta de comprometimento com a verdade, é o que caracteriza este sistema medíocre de ambas as Convenções, das Convenções de Pastores de um modo geral. No final, os interesses pessoais é o que vale.
Como consequência assustadora, vê-se o desaparecimento da genuína pregação da Palavra de Deus, dos homens comprometidos com o Reino de Deus, percebe-se a presença cada vez maior de homens maus e ambiciosos na frente do rebanho, igrejas vazias e desanimadas. O pastorado passou a ser "emprego", garantia de altos salários e de aposentadoria. Em nome de uma falsa prudencia, não se tomam providencias para o caos instalado em nossas igrejas. Congregações apáticas, lideres sem expressão, interesseiros, amantes de si mesmos, incapazes de amar e cuidar das ovelhas, ausentes, desonestos, lideram e destroem a herança do Senhor!
Dois anos depois, nada mudou, a crise é a mesma. Porque o problema é um só: pecado. De um lado, uma CEADEB que alimenta a anos uma política interesseira e desprovida do interesse pelo bem estar: espiritual e moral das Assembléias de Deus na Bahia. Do outro, uma  CONFRAMADEB que ainda está devendo.
Todavia, como esta última está em em seu nascedouro, penso que ainda se pode mudar, que cada ministro conframadebiano pode somar forças, que cada novo ministro pode fazer voz, num coro que clame por justiça e pelo cuidado em não se desviar do objetivo para o qual surgiu.
Não podemos continuar escrevendo uma história de espírito Nelson Rodrigues, precisamos mudar este estado de coisas, não apenas acreditar, mas fazer. Precisamos que surjam outras vias nos processos eletivos de ambas as Convenções. 

5 comentários:

Pr. Gleison Lopes disse...

Pr. Raimundo Campos A Paz do Senhor!!
Infelizmente tudo isso que o senhor tem colocado é a maior verdade, nossa convenção esta no mesmo caminho, cheio de homens” de Deus" que não estão nem ai por almas, pelo evangelho, restauração de vidas e famílias e sim apenas por cargos, dinheiro e interesse pessoais, que Deus nos guarde de todo esse mal!!! o pior é que não vemos nenhuma atitude para que isso mude!!!

o evangelista de Deus disse...

concordo em numero generos e graus parece os intereçes pessoai estao acima do intereçe de ganhar almas para o reino de Deus e muito menos cuidar do seu rebanho mais uma coisa e certa Deus nao vai permitir isso por muito tempo nao

Lincon Marcelo disse...

Pr. Lincon Marcelo A Paz do Senhor. concordo e espero que a conframadeb aproveite o incio, a onde estão sendo colocados os marcos da sua histtória, aproveitando a oportunidade para escrever uma história diferente.

ELIVALDO OLIVEIRA disse...

A paz do senhor Jesus á todos,acredito que Deus fará algo grandioso em nosso meio, para que estes "homens" sejam de fato despertados, á relembrarem para qual missão Deus os chamou!!! é vergonhoso, lamentável o que vem acontecendo com a Assembléia de Deus, o alvo principal tem sido esquecido,(as almas, o reino de Deus, o Céu)o temor a Deus!!! Mais o dono da seara fará algo, pois ele é o dono da igreja.

paulo lima disse...

Pr. Raimundo Campos, á paz do senhor,após lê o seu comentario sobre dois anos da comframadeb,. pensei: tai uma verdade que poucos tem coragem de dizer, quero lhe dizer que sou um evangelista da comf. que comecei com muito entusiasmoe alegria, pensando, agora vai!! novos tempos estâo chegando!!! porem! a medida que o tempo foi passando, fui percebendo, tudo isto que que sr. postou no seu comentario. perdi o entusiasmo, estou decepcionado,perdi até á vontade de as reuniôes, pois ia sa mesmas, e voltava triste, pensando, o que será da nosssa adesal, onde só se fala em dividas, processos!! escandalos, nem uma meta, nem uma providencia para se resolver os problemas, para restaurar á saúde espiritual da Igreja, parece que estâo esperando, mudos, omissos, para ver até onde vai dar,emquanto isso,os templos vâo se esvasiando,á maioria dos membros já nâo acreditam mais nos lideres,nâo sâo mais dizimistas, ou desviam seus dizimos para outras fontes,por que sabem que os mesmos estâo caindo sacos furados!! precisamos uma imtervençâo de Deus, uegente!!!!!! do comtrario, estaremos fadados á vergonha, e descredito, que Deus tenha misericordia de nós, NO QUE EU ESTVER ERRADO, PODE ME CORRIGIR!! um abraço!!!