15 de jul de 2013

Novo Templo da Adesal: O Sonho, o Conto e o Recomeço


Era como se fosse os israelitas diante de Samuel pedindo um rei como as demais nações. Lotando o espaço do terreno doado por autoridades políticas à Assembléia de Deus em Salvador, o povo apoiava um novo desafio e pronunciava frases de apoio àquilo que parecia um sonho: uma sede digna da maior denominação em nossa cidade. O lançamento do projeto a mais de 16 anos atrás, fez os assembleianos suspirarem por um espaço que atendesse às necessidades relacionadas aos grandes eventos da Adesal!
O povo só queria um templo que suportasse nossos encontros, congressos, convenções, etc. Mas o sonho virou conto, um conto que contamos à nova geração, um conto no qual não queremos mais acreditar e nem queremos que os novos acreditem!
Com nossa santa mágoa no peito, fazemos questão em dizer que o sonho não passa de um conto e que, portanto, não merece nossa atenção, nem a nossa, nem a de nossos filhos.
Porque acreditamos ser um conto, viramos as costas para o sonho e por causa de nossa frustração, fadamos o sonho ao desencanto e levamos nossa geração a não crer no sonho. Tapamos nossos ouvidos aos apelos que clamam para que retornemos ao sonho, mas estamos muito frustrados.
Claro que temos razão, afinal, cansamos de nos darem sonhos que só são sonhos e nunca viram realidade. Cansamos dos discursos!
Não queremos ser Dorothy perdida em seu sonho a procura do Mágico de Oz! O que queremos, tem que ser mais que um sonho, mais que palavras, mais que projetos mirabolantes, mais que propostas absurdas embasadas em lucros de novas tendencias comerciais. 
Não precisamos de modelos piramidais, nem do discurso de quem quer lucro a qualquer custo com propostas brilhantes de crescimento financeiro em curto prazo!
Precisamos de um recomeço com o coração quebrantado e decidido a gerir o sagrado com dignidade, responsabilidade e temor a Deus!
A construção do Grande Templo deve começar com uma reforma espiritual profunda, com decisões que sejam  frutos dignos de arrependimento.
Todos nós que fazemos parte da liderança da Adesal, seja em algum setor ou em alguma congregação, estamos dispostos a recomeçar e transformar o sonho em realidade, todavia, sem mudanças radicais nas estruturas de nossa instituição, sem uma mesa diretora disposta a correr os riscos para por as coisas em seu devido lugar, continuaremos crendo que o sonho não passa de um conto!
Estou disposto a recomeçar, a crer e a fazer outros crerem, a tomar a causa que é de toda igreja em Salvador, a levantar a bandeira, a trabalhar, a ofertar e a convencer outros a ofertarem. Mas isto não será suficiente se continuarmos como estamos.
Precisamos de uma liderança Neemiana à frente da construção, com paixão no coração, com um espírito reto e desprovido de desejos de vantagens pessoais. Uma liderança que os assembleianos reconheçam e admirem, uma liderança a quem possamos dizer: "levantemos e edifiquemos!"
Sim, eu acredito neste sonho e quero engrossar as fileiras dos que estão dispostos a transformarem o conto em realidade!

2 comentários:

Augusto Viana disse...

"A construção do Grande Templo deve começar com uma reforma espiritual profunda, com decisões que sejam frutos dignos de arrependimento."
Essa reforma tb deverá acontecer nos nossos pastores. Precisamos de pastores que creiam que contos podem se tornar realidade através do poder de Deus.
enquanto tivermos pastores como vc na frente de nossa igreja, será muito difícil tornar um sonho em realidade, pois, aquele que deveria despertar em mim uma esperança, joga um "balde de água fria" me fazendo ser menos esperançoso.
Te admirava muito até uns tempos atrás, agora vejo que vc se tornou como os "outros", ou sempre foi e eu não sabia.

Pr. Raimundo Campos disse...

"...estamos dispostos a recomeçar e transformar o sonho em realidade...", "...Estou disposto a recomeçar, a crer e a fazer outros crerem, a tomar a causa que é de toda igreja em Salvador, a levantar a bandeira, a trabalhar, a ofertar e a convencer outros a ofertarem..." Meu caro Augusto Viana, esses são outros trechos do meu texto, mas por conveniência você fez o que muitos fazem com a Bíblia: toma textos isolados para sustentar o que pensa, lamentável! A falta de capacidade para interpretar e a disposição para ver somente o que o coração está predisposto a ver, é a causa deste sentimento em pessoas como você que não conhece o próximo mas se acha no direito de julgá-lo através de um texto, pior: do trecho de um texto, tirando-o do contexto. Quanto a tua admiração ela na verdade nunca existiu, isso se nota pela mediocridade do teu comentário. Não sou movido pela admiração das pessoas mas por minha fé em Cristo e por aquilo que acredito, tendo sempre um pensamento emancipado como o meu Senhor o teve. Fica na paz.