6 de nov de 2013

Pela Conframadeb Prometida

Por Raimundo Campos

No calor das decisões que resultaram no desligamento da CEADEB (Convenção Estadual das Assembléias de Deus no Estado da Bahia) de 82 Ministros do Evangelho, esperava-se ansiosamente pela criação de uma instituição que fosse resposta aos desmandos daquela que, ao invés de ser órgão moderador dos conflitos da instituição pentecostal mais antiga da Bahia, se tornara o pivô de uma briga que chegaria a público e teria grande repercussão, principalmente, na internet.
Naquele tempo, homens como o Pastor Carlos Tolentino, então líder do Setor 12 - Tancredo Neves, pedia uma reflexão mais profunda antes da decisão histórica de se desligar da CEADEB. Já homens como o Pastor Felipe das Virgens, conhecido por posições bem definidas e por não temer expressar suas opiniões, manteve-se ligado à CEADEB, mesmo diante dos boatos de supostas ameaças de que poderia ser excluído daquela instituição pelo simples fato de ficar ao lado de suas ovelhas. Felipe resistiu até meses atrás. Sua postura entre os pastores da Adesal é incomum, sua integridade e sua paixão pelo ministério que lhe foi confiado, é exemplo para a nova geração.
Um conflito foi travado durante sérias discussões, entusiasmados discursos e inflamados gritos de uma suposta liberdade. No meio desta balbúrdia, que denunciava um estado de desorientação, medo e temores, esperava-se que a criação daquela que conhecemos hoje como CONFRAMADEB fosse a via de escape para aquele estado de fortes conflitos.
De um lado, a promessa de que estaríamos amparados legalmente pelo direito constitucional de manter-se ligado ou de simplesmente de se desligar de uma associação como aquela Convenção, do outro, as constantes ameaças e a pressão psicológica de que estaríamos sob maldição, maléfica arma de quem entende a liderança como um estado déspota. 
Para piorar a situação, obreiros meninos e interessados somente em seu bem estar, preocupados com seu status quo, tanto de um lado como do outro, aproveitaram-se da lamentável situação para formar seu reduto, chamado equivocadamente por estes obreiros do mal de "ministério".
A isca fora lançada no mar desses "peixes" ambiciosos travestidos de obreiros, tanto no arraial de cá, como no de lá!
A CONFRAMADEB se constituiu na esperança em meio a esta escuridão, vencendo todas as etapas legais em reuniões, AGO's e AGE's da UMADENE (União de Ministros da Assembléia de Deus no Nordeste) e da CGADB (Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil). Tornou-se legalmente uma Convenção, recebeu ministros de várias igrejas na Bahia e hoje tem em torno de 1.000 ministros.
Mas faltando quatro meses para a primeira eleição depois da fundação, depois de três anos, a CONFRAMADEB ainda luta pelo status de salvadora da pátria. Esta ainda não é a CONFRAMADEB prometida. 
Deixe-me dizer: acredito na CONFRAMADEB. Em sua lista de associados temos homens sérios e de respeitável ministério, gente que pode fazer muito por esta Convenção, conduzindo-a a um status de Associação de Homens de Deus e não apenas em mais uma associação transformada em plataforma política e usada para fins pessoais, atendendo aos interesses de homens carnais.
A missão da CONFRAMADEB não é a briga por espaço, não é aumentar o número de ministros ou de igrejas, mas de ser um canal para a promoção da unidade de homens que entendem que a obra de Deus é o que devemos fazer.
A CONFRAMADEB não pode ser mais um redemoinho de problemas financeiros e institucional, esta não é a CONFRAMADEB prometida. Ela não pode se constituir na ponte para chegar do lado das vantagens e dos interesses políticos. Ela não pode ser tratada com desdém. Temos um compromisso moral, ele foi assumido na fundação desta Convenção e nosso olhar não pode perder este foco.
Portanto, aos companheiros que hora se candidatam a algum cargo na Diretoria de nossa CONFRAMADEB, não o façam por meros interesses, por desejos infames de glória ou por posição, não o façam se a vossa capacidade está aquém do que exige este momento de nossa história, não o façam se serão apenas mais alguém na cadeira, se serão mais uma caneta a assinar e corroborar atitudes insanas e irresponsáveis.
Não precisamos de grandes projetos e mirabolantes eventos, precisamos de seriedade e da simplicidade de atos que contribuam com o crescimento da prometida CONFRAMADEB. Precisamos de apenas reordenar e redirecionar, estabelecer alvos precisos e, planejadamente, cumpri-los. 
Se apoiaremos o atual Presidente, o façamos com a consciência de que precisamos responsabiliza-lo e imputar a ele a honrosa obrigação de cumprir com a promessa de uma CONFRAMADEB que seja aquilo para quê ela foi fundada.
Se não, que o façamos sob as benção de um estado democrático, mas acima de tudo, regido pela lei do amor cristão e da honra que se deve a um Homem de Deus como o Reverendíssimo Israel Alves Ferreira.

Pastor Raimundo Campos
Pela Conframadeb prometida.

2 comentários:

Cristovao gomes da silva disse...

ESSAS PALAVRAS ESTA DE PARABÉNS
PRECISAMOS DO VERDADEIRO SENTIDO DE UMA CONFRAMADEB UNIDA

Norma Vieira disse...

Unida,mais sem privilegios.como vitalisidade,que e vergonhoso no meio Cristão.