20 de set de 2013

Nossa Fé

Um pouco sobre nossa fé: Ficamos de bem com o sistema, com o mundo, com a moda, com os ditames da filosofia gospel; estamos de mãos dadas com os políticos, os justos e injustos, abraçados com o popular, com o fashion. Nossa música é legal, nossa pregação atraente, nossos cultos, fascinantes. Somos donos das frases mais curtidas, afinal, elas falam de Deus, falam da vida, do belo, do amor.
Nossa marca está em todo lugar, ela vende e vende caro. Muitos deixam suas carreiras e migram pra gente. Cantam e gravam nossas canções, divulgam nossos cultos e os curtem na net. Somos tão próximos, amigos, familiares! Estamos até concordando com alguns conceitos que antes eram inegociáveis para nós.
Nossa angústia diante da injustiça e pecado se transformou no riso da conformidade e nossa disposição em arriscar tudo pelo sagrado, pela fé, agora é só um desejo de ficar aqui em nossa zona de conforto. Não, não precisamos mais correr riscos, perder aqui pra ganhar na eternidade! Aliás, o eterno agora é só uma metáfora, um tipo de minhas vantagens terrenais.
Meu gozo agora é pelo imediato, e tudo que não for imediato, é parte de uma teologia de ontem, ultrapassada! Tudo o que antes era o meu maior tesouro, ainda é, mas não mais como era antes, se transformou em uma conquista hipotética, utópica.
Nossos valores, nossas crenças agora só são assuntos litúrgicos, debatidos em nossas Escolas Dominicais e nos bancos de nossos seminários. Só valem no campo das idéias e das reflexões, não mais na vivência. Nossos paradigmas ficaram obsoletos, passamos a rir cinicamente para os modelos mundanos e diabólicos, sim, rimos, afinal, se é engraçado, porque ser tão radical?!
Nossas frases agora são aquelas ditas pelas ciências humanas, nosso conceito da vida, do homem, do universo, não são mais tão bíblicos, se tornaram mais científicos, pois é preciso aproximá-los do que pensam os pensadores desta sociedade combalida.
Nossa fé é só uma canção em nossa adoração mercantilizada. Ela não remove nada, muito menos montanhas. Às vezes só é citada nos discursos interesseiros dos mercadores da Palavra, para depois culpar o incapaz de colocá-la em ação.
A carreira que nos foi proposta (Hb. 12: 1) não é essa, não. A carreira que nos foi proposta aponta para a cruz, para a ignomínia, para a desonra e não para a "dupla honra" tão pregada, tão repetida em nossas canções glamourizadas nas gravadoras que também gravam para as estrelas mundanas.
O que nos foi proposto nos Evangelhos tem haver com: ser ovelhas entre os lobos (Mt. 10:16), chorar pra ser consolado (Mt. 5:4), tem haver com: sofrer o dano pelo próximo, amando-o mesmo que seja odiado por ele.
O Evangelho não é a glória, é a vergonha, é a cruz, é a rejeição, é a dor do desprezo e da afronta, é o convite de Cristo para a renuncia, para a porta apertada para o caminho estreito. É para ser um louco na contramão, um santo na luta contra o pecado e inconformado com tudo que o mundo representa, é ser uma peça que não se encaixa neste quebra-cabeças regido pelo diabo (1 Jo. 5:19). 
Quem abraça o Evangelho não é popular, às vezes é aceito, mas não de todo, pois sua filosofia e ideologias distanciam-se como o norte do sul e o põe do lado oposto daqueles que não conhecem Cristo e sua Palavra.
Nossa fé não é essa, não. Nossa fé não nos põe na mesma direção deste sistema maligno, pois ele mesmo se incumbe de nos atirar para fora da margem e nos excluir. Nossa fé tem haver com ser amigo de Deus e inimigo do mundo (Tg. 4:4). Essa incompreendida amizade com Deus se constituirá em inimizade com o mundo!

Missões É Fazer o Que Outros Não Querem Fazer


Trecho da mensagem ministrada aos Coordenadores e Secretários de Missões da Adesal durante reunião do dia 19.09.2013.


17 de set de 2013

As Mentiras dos Cultos de Hoje. Não Caia Nessas Armadilhas!


  • "Ainda esta semana você receberá a tua vitória". Essa aí é mais que maldosa, principalmente se você tem uma platéia com mais de cem pessoas. Existe uma probabilidade de alguém ali alcançar algo que tanto deseja: um emprego, um carro, uma casa, um casamento. É provável que 30% dos presentes estejam envolvidos em algum processo de conquista; então, pelo menos uma pessoa daquelas terá a chance de receber a suposta vitória. Isto não é profecia, é uma declaração embasada no óbvio.
  • "Deus me mostra alguém aqui triste, cansado, blá, blá, blá..." Outra afirmativa embasada no óbvio, usando a lei da probabilidade. É claro que entre 50, 100 ou mais pessoas, existe uma possibilidade pelo menos de 10% de ter alguém nesta condição. Isto não é de Deus. Seria melhor o pregador ser sincero e dizer: "Meu amigo, se tem alguém aqui triste, a Palavra de Deus..."
  • "Abra a mão para receber". Já ouvi dizendo até que a mão deve ficar em posição de receber, com a palma para cima, para não deixar a benção cair!!! Não sei onde se aprende essas baboseiras e não sei como ficaria o irmão que não tem as mãos ou os braços! Sem mais comentários!
  • "Só os adoradores fiquem de pé ou levante a mão". Gente, a regra básica para ser adorador de acordo com o próprio Jesus é adorar a Deus "em espírito e em verdade", levantar a mão nem sempre indica adoração. O cara pode levantar a mão e não fazer como gesto de adoração e outro pode não levantar a mão e ser um sincero adorador! Nunca defina a adoração de alguém pelo que você vê exteriormente, pois o coração do homem só Deus conhece (1 Sm. 16:7)
  • "Se você quiser receber tua vitória, saia do teu lugar". Concordo que a atitude de sair, possa indicar um gesto de querer receber algo, mas as pessoas não podem ser constrangidas a tal atitude, porque o milagre que elas esperam não dependem de seu movimento físico, mas do movimento da fé. Crer é a base! Algumas pessoas foram desafiadas por Jesus a sair de seu lugar, mas outras tiveram o privilégio de ver Jesus aproximar-se delas. Então, sair do lugar não é condição única para se receber a benção de Deus.
  • "Não, você não me entendeu, vou repetir..." Geralmente quando o pregador diz algo que ele considera espetacular, ele insinua que a igreja não deu aqueles glórias que ele estava acostumado a ouvir durante a mensagem, por que ela não entendeu o que ele disse. Na verdade ela entendeu, só não achou tão espetacular quanto ele achou! Então, para saciar aquele desejo que a maioria dos pregadores tem de ouvir os glórias e aleluias, que, neste caso, não á mais uma glorificação a Deus, mas um massagear do ego do pregador, ele insinua que a igreja não lhe entendeu.
  • "Você receberá hoje a tua vitória". Bem, neste caso a gente deveria entrevistar os que vieram ao culto naquela noite, um dia depois pelo menos. Existe uma probabilidade de 99,99% de ninguém ter recebido uma vitória! 
  • "Receba, receba, receba, recebaaaaaaaa...." A repetição de uma palavra que todos querem ouvir, temperada com um tom de voz emocionalista, é a forma mais usada pela maioria dos pregadores para segurar a platéia. Isso garante que a maioria saia alegre, emocionadas, mas não edificadas. Isto em nada acrescenta à maturidade cristã, é só emoção, nada mais.
  • Apontar para alguém e dizer: "venha aqui", já gera uma expectativa e a sensação de que "Deus" vai falar na platéia. Isto é prato cheio para alguns aproveitadores.  Aí ele diz: "Eu te conheço?, já fui em tua casa?" Esta é uma estratégia para tirar as dúvidas que porventura haja em alguns corações de que aquilo não seja de Deus. Mas aí ele fala o óbvio dando um ar de "revelação": "Tenho visto a angústia de teu coração". Lembre-se: geralmente a pessoa a quem vai se falar isso é justamente aquela que está em prantos na platéia. É apenas um jogo psicológico! A pessoa que chora muito em uma reunião dessas, tem 90% de chance de estar angustiada, ou algo durante a mensagem tocou em alguma experiência de lutas e adversidades, então, a pessoa se torna presa fácil de alguns falsos pregadores! Claro que existe as exceções!
Alguns dirão que sou cético. Mas deixa eu te explicar. A Palavra de Deus por si só é mais que suficiente para nossas vidas. O Pregador deve falar a Palavra e deixar o Espírito Santo aplicá-la em nossos corações. Transformações de vidas, milagres, consolação, não é uma tarefa do pregador, é uma tarefa do Espírito Santo na vida de quem ouve a Palavra e crê nela. Usar de artifícios como os que eu citei e de tantos outros, é ser infiel a Deus e sua Palavra, é querer fazer na vida das pessoas o que só Deus pode fazer e isto é pecado!
Precisamos entender que o pregador não tem nenhuma obrigação em agradar a platéia, sua obrigação é a de obedecer a Deus e dar aos ouvintes o que eles precisam ouvir e não o que querem ouvir.

16 de set de 2013

Para Líderes: Quando a Conveniência é Salutar



Por Raimundo Campos


A palavra conveniência está relacionada a vantagem, interesse, proveito, utilidade, etc. Ela não é salutar quando relacionada a vantagens e interesses que excluam as prioridades e prejudiquem pessoas ou atividades, projetos ou processos de relevância.
A conveniência é salutar quando atende a interesses comuns, que visem o bem da coletividade, que favoreça o processo, que viabilize o sistema e ampare os anseios e expectativas dos que estão envolvidos com a situação.
Infelizmente, a maioria das pessoas querem dar à conveniência um significado egoísta; conveniência para algumas pessoas é aquilo que lhe traga proveito e vantagem, sem pensar no outro e nos resultados ou nas consequências.
Um líder deve pensar em conveniência como aquilo que resulte em ganho, proveito, vantagem para os seus liderados e para o processo que envolva a sua liderança. Um líder que pensa em conveniência de forma umbilical, é um líder que não consegue ver o todo, de visão periférica e que não vê além dos horizontes.
Um líder deve abrir mão de suas conveniências para investir nas conveniências do grupo, da equipe, de seus liderados. Ele marca reuniões que sejam convenientes para ele e para quem ele vai reunir. Ele investe em empreendimentos que seja conveniente para as pessoas, para o todo, para aquilo que atenda aos objetivos de sua liderança, que esteja de acordo com sua missão e visão. 
Um líder é conveniente tendo em vista o real significado desta palavra. A conveniência só é relevante quando aplicada para si e para o outro, para o todo. 
Líderes que marcam reuniões em locais, dia e hora que lhe convenha, é um líder egoísta e tolo a ponto de pensar que ninguém percebe suas conveniências. Líder que assume planos, projetos, empreendimentos que sejam convenientes pra ele, é um líder fadado ao abandono e aos descrédito, será visto como um egoísta.
Um líder é conveniente com a situação dos liderados, é conveniente com as limitações de sua equipe. Por isso, ele deve estudar muito bem suas atitudes, discutindo-a com todos, tendo em vistas o que será conveniente para todos.
Algumas coisas precisam mais de bom senso do que de discussão. Um simples olhar para determinadas situações, com sensibilidade, atentando para as vantagens e desvantagens, para os lucros e prejuízos e para as consequências, evitará que a conveniência tenha um significado egoísta na vida do líder. Com certeza, lhe proporcionará o desfrutar de mais respeito por parte de seus liderados e será conhecido como um líder que sempre pensou no outro, na equipe.
Líderes que enxergam a conveniência como uma oportunidade que garanta só a ele o seu significado, são líderes mesquinhos e que só pensam nos resultados imediatos, não visualizam o futuro, não respeitam os outros e só conseguem entender a si mesmos.

13 de set de 2013

Nossos Pregadores, Nossas Festas e Baboseiras

Não há dúvidas de que o obreiro é digno de seu salário, especialmente se ele dedica sua vida e ministério às ovelhas que Cristo lhe confiou. A tarefa de um pastor não é fácil. Sim, um pastor chamado por Deus, com vocação para o ministério, de tempo integral, deve ser sustentado pela igreja, é bíblico.
Existem também aqueles cujo ministério é de um itinerante, um Evangelista. Ele não tem rebanho, mas tem um ministério, o da Palavra. Seu ministério, sua maneira de ver a bíblia e a capacidade única de expor textos e temas bíblicos, faz com que o tal seja convidado pelas igrejas. É normal. É justo que tal obreiro seja abençoado pelas igrejas e tenha o reconhecimento de seu trabalho, não como forma recompensadora, mas como forma de prover-lhe as necessidades!
Todavia, o que temos visto na maioria de alguns desses pregadores ou pastores é a mercantilização do ministério. Da parte de alguns pastores se vê o capricho de dirigir somente campos que lhe garanta o sustento de seu status, que lhe garanta trocar de automóvel uma vez por ano, morar no melhor bairro, na melhor casa da região, poder fazer suas viagens de férias, etc.
Já alguns Evangelistas, itinerantes e conferencistas, querem fazer do ministério sua oportunidade de enriquecer. Sim, enriquecer! Os altos cachês cobrados por esta turma e as exigências de hospedagem e transporte são dignos de estrelas de TV. Com a desculpa de que precisam de tempo para orar, não aceitam ficar na casa de  ninguém. Alguns até exigem o tipo de carro que deve buscá-los no Aeroporto.
É claro que essa turma de alma perdida com capa de salvo, só faz isso porque tem quem gosta de mimar seus caprichos. Os líderes que alimentam este absurdo, não fazem os mesmos investimentos, às vezes, em áreas relevantes da igreja. As mesmas igrejas que investem altas somas nesses congressos e gastam milhares de reais com essas estrelas do púlpito, não fazem o mesmo com Missões e Evangelismo e socorro aos carentes.
Interessante é que a igreja não sabe o preço que o Pastor Local paga, às vezes, para consertar o estrago que alguns desses pregadores fazem! Alguns lançam venenos mortais em suas ministrações, estragam a vida e a fé de muitos dos nossos novos na fé. E daí? Quem se importa? O pastor que se vire, afinal, ele está aí é para agradar o povo e, se não agradar, o povo escolhe outro pra o seu lugar.
Temos um outro problema hoje: as festinhas corriqueiras de nossa igreja tem que ter um pregador convidado e isso requer gastos. A mente pequena de cooperadores e líderes de departamento de nossa igreja acha que pra a coisa ser boa, tem que ter convidados; a presença do Senhor, as expressões de adoração e louvor local, não bastam! Tem que ter um cartaz chamativo, um tema empolgante. Até parece que Deus está muito preocupado com esta baboseira.
Tem mais. Algumas dessas nossas congregações, falo agora no contexto Adesal, estão em construção, outras são até pontos de pregação, imagine! Mas querem gastar dinheiro com pregadores e cantores para comemorar os anos de existência daquele trabalho. É um paradoxo sem tamanho! Um absurdo! A gente continua a alimentar esta loucura e ficamos a travar o crescimento da obra de Deus tomando esses atalhos, aliás, atalhos que levam a qualquer lugar, menos a onde se deveria chegar!
O Pastor desavisado, para não perder público, passa a atender essas demandas em detrimento da vontade e orientação do Espírito Santo. 
Por outro lado, infelizmente, muitos de nossos obreiros que estão em nossos púlpitos, não são, na verdade, chamados para o ministério da Palavra. Fico observando alguns ministros que quando assumem o púlpito, não dizem nada, apenas expressam frases e afirmativas que qualquer cristão que lê a Bíblia, pronunciaria. Há uma falta de hermenêutica nos sermões desses caras! Daí o povo encher a cabeça do pastor para trazer alguém de fora, algo diferente, pra movimentar e tal.
Disse outro dia para a igreja onde sou Pastor: Deus não está nem aí. Nossas festinhas e nossas fardas, com nossas coreografias, não impressionam Deus. O que Deus espera de nós é o mínimo de coerência  em nossas ações. Ele espera que coloquemos em primeiro lugar aquilo que Ele disse que deveria estar em primeiro lugar e não o que estamos fazendo!
Fico observando esses líderes se estressando, gastando tempo com reuniões e discussões por causa da cor de uma roupa, ou o tipo de música a ser cantada em determinado evento, ou ainda como vamos levantar fundos para investir em cantores e pregadores! Meu Deus, até quando a igreja gastará tanto tempo com coisas secundárias em detrimento das primordiais? Se toda esta discussão e tempo perdido resultasse em salvação de almas, ah, aí sim. Mas não, o que queremos é agradar, fazer os crentes se sentirem bem, ter seus desejos atendidos e suas expectativas superadas.
O Pastor que quiser seguir um programa baseado no jejum e oração, leitura da Bíblia e busca pela vontade de Deus para sua comunidade, encontrará muitas dificuldades. Os tempos são difíceis!
Mas, toda vez que nos colocamos na dependência do Espírito Santo e fazemos aquilo que Ele nos mandou fazer, Ele mesmo fará aquilo que jamais poderemos fazer!

11 de set de 2013

É Hora de Preparar o Culto de Ação de Graças


Por Raimundo Campos


Culto de Ação de Graças é uma expressão muito conhecida entre os evangélicos. Trata-se daquele encontro entre irmãos da comunidade local na casa de alguém que os convidou para celebrar, adorar e declarar uma graça recebida.
Crentes agradecidos geralmente tomam a iniciativa de celebrar um culto de ação de graças. Eles se sentem na obrigação de fazê-lo como uma forma de agradecer ao Senhor pela benção recebida. O Culto de Ação de Graças se torna uma oportunidade também, para edificar a fé dos demais e para anunciar o amor de Deus às pessoas não evangélicas que porventura se façam presentes.
É o que está acontecendo em João 12:1-3: 

"Foi, pois, Jesus seis dias antes da páscoa a Betânia, onde estava Lázaro, o que falecera, e a quem ressuscitara dentre os mortos.
Fizeram-lhe, pois, ali uma ceia, e Marta servia, e Lázaro era um dos que estavam à mesa com ele.
Então Maria, tomando um arrátel de unguento de nardo puro, de muito preço, ungiu os pés de Jesus, e enxugou-lhe os pés com os seus cabelos; e encheu-se a casa do cheiro do unguento."

Quem são esses três personagens citados no texto, além de Jesus? Perceba que o versículo 2 diz: "Fizeram-lhe, pois, ali uma ceia...", isto é, fizeram uma ceia para Jesus, um jantar!
No capítulo 11 essa família, composta de três irmãos, vive momentos dramáticos. Lázaro adoece, suas irmãs, numa atitude de esperança, mandam chamar Jesus, que, por sua vez, não chega a tempo de curá-lo, devido o seu propósito de manifestar "a glória de Deus" naquele episódio (João 11:4).
Depois de quatro dias de morto, já cheirando mal, Jesus o ressuscita e tal milagre chega aos ouvidos dos fariseus que passam a planejar a morte de Jesus. O Mestre então, resolve se afastar por um tempo (João 11:54) e só sai de seu refúgio em Efraim para atender a este convite dos irmãos agradecidos.
O convite lhe é feito dias antes da Páscoa. Por certo, havia um movimento na região, de gente se preparando para subir a Jerusalém. A maioria dos transeuntes em seus camelos e outras espécies de montaria, tinham como destino, Jerusalém. Jesus, porém, antes de chegar em Jerusalém, dirige-se à casa desta família agradecida.
Posso imaginar os três conversando e acertando uma maneira de agradecer a Jesus. "Vamos convidá-lo para um jantar em homenagem a ele!", deve ter dito Marta, sempre disposta a servir (Lucas 10:40; João 12:2). Maria deve ter pensado naquele perfume caro para ocasiões especiais.
Dizem que o nardo era uma espécie de perfume que mulheres virgens e solteiras compravam e guardavam para a noite de núpcias. Judas disse que aquele perfume poderia custar até "trezentos dinheiros" (João 12:5), cerca de R$ 4.650,00! 
Maria estava tão agradecida pela ressurreição de seu irmão, que estava disposta a abrir mão do nardo caro para adorar àquele que trouxe a alegria de volta à sua casa!
O que eu gosto no capítulo 12 de João, é perceber que a família que chorava no capítulo 11, agora é a mesma que está festejando, preparando um jantar, para alguém especial. Convidando pessoas, o clima é de festa!
O versículo dois diz que Lázaro era "um dos que estavam à mesa" e o versículo nove acrescenta: "e muita gente dos judeus soube que ele estava ali; e foram...". Era uma festa e tanto! Devido ao milagre, a região estava ansiosa por este jantar. Era uma oportunidade de conhecer o autor do milagre e aquele que fora alcançado pelo milagre! (João 12:9).
Toda vez que meu olhar se detém nesta passagem, entendo porque Lázaro teve que passar pela morte. Porque suas irmãs inconformadas gritavam ou balbuciavam aos ouvidos do Mestre: "Senhor, se tu estivesses aqui, meu irmão não teria morrido." (João 11:21,32). 
Era para este momento que o Senhor os preparava! O texto do versículo 11 diz que, por causa de Lázaro, muitos dos judeus, criam em Jesus! Era isso que o Eterno queria. Foi isso que Jesus queria dizer quando afirmou: "Esta enfermidade não é para morte, mas para glória de Deus, para que o Filho de Deus seja glorificado por ela." (João 11:4)
Agora eles entendiam. Eles não tinham alternativa, se não prestar-lhe homenagem, preparar-lhe um Culto de Ação de Graças!
Deixe-me te dizer: em nossa vida tem o tempo das lágrimas e das frases desesperadas de quem não entende os propósitos de Deus. Mas também tem o tempo da celebração, da hora do Culto de Ação de Graças. 
Se você está como as irmãs de Lázaro no capítulo 11 de João, mandando recados desesperados para Jesus através da oração, tranquilize-se. Se ele não chegar na hora que você espera, é porque Ele está reservando o momento oportuno de manifestar em sua vida a sua glória. É porque Ele quer que você seja tão impactado pelo poder de seu milagre, que resolva prestar-lhe o maior culto de ação de graças de tua vida!
Então, chegará a hora em que dirás: "É hora de preparar o culto de ação de graças!". 
 

10 de set de 2013

Reformas na Adesal

É claro que meu escrito não vai ser lido. Alguns começarão a ler, mas pararão nas primeiras linhas. Porque? Eu digo. Porque uma grande maioria está interessada em um texto polêmico e que envolva a vida alheia. Outros dirão que tais coisas não deveriam ser escritas ou divulgadas na internet, antes deveríamos usar este instrumento virtual poderoso para evangelizar. Os que dizem isso, ás vezes, são os que menos evangelizam, mas vamos lá.
Quero falar sobre a necessidade de uma reforma profunda na Adesal. Reforma? Talvez o termo correto seja reformas. Estou lhe dizendo que meu discurso será rejeitado e mal entendido, porque para alguns, a verdade só pode ser dita desde que ela lhe convenha (pobres coitados!).
A Adesal é a Assembléia de Deus em Salvador; como já disse em uma postagem antiga, a mãe da maioria das igrejas na Bahia e a responsável pelo surgimento da CEADEB (Convenção Estadual das Assembleias de Deus no Estado da Bahia). Fundada em 30 de maio de 1930 pelo Missionário Otto Nelson. A história das Assembléias de Deus na Bahia passa obrigatoriamente pela igreja de Salvador. Daqui saíram os primeiros obreiros para abrir frentes de trabalhos em todo Estado. Os primeiros Presidentes da CEADEB eram também Presidentes da Igreja em Salvador.
Esta igreja ganhou, muito cedo, o respeito nacional. Durante sete anos, de 1949 a 1956, teve em seu quadro de obreiros uma das maiores expressões de vocação missionária e um teólogo finlandês de respeito internacional, o Pastor Eurico Bergstein, que deixou  uma herança de homens comprometidos com a Palavra como o Pastor Jorão Bergstein e o neto Nils Bergstein.
Abrigou a Convenção Geral das Assembléias de Deus no Brasil (CGADB), várias vezes, em ocasiões em que decisões mudaram os rumos da instituição nesta nação!
A Adesal sempre esteve comprometida com uma doutrina santa e bíblica, sendo os estudos bíblicos seus maiores encontros e a doutrina do batismo no Espírito Santo sempre foi uma constante entre antigos e novos crentes!
Todavia, um distanciamento da verdade e uma falta de compromisso com a ética, a moral e princípios fundamentais das Escrituras, vem marcando a existência desta igreja. Assistimos de camarote o apagar das luzes de uma era que teima em ficar no passado e parece querer ser apenas um sentimento saudosista de quem  conheceu e de quem sabe como era nossa igreja!
É preciso voltarmos. Uma reforma profunda precisa acontecer! Um reconciliar com a verdade, um deixar da mentira e da hipocrisia precisa começar a acontecer entre, principalmente, nossos líderes.
Não podemos continuar com um modelo de liderança que já fracassou e que já não responde aos anseios desta nova geração.
Precisamos colocar em prática o que pregamos e escrevemos, tornar nossas habilidades úteis neste momento e não ficarmos em nossas reuniõezinhas que só discute o periférico em detrimento do real e necessário. É preciso tirar da posição de liderança os que travam o processo de desenvolvimento e acumulam prejuízos financeiros, morais e espirituais para a instituição.
Temos que urgentemente investir em novas lideranças, treinar novos obreiros, sendo capazes de identificar os verdadeiramente vocacionados e isso pelo Espírito Santo, não por nossas intuições!
Refazer nossa agenda sob a perspectiva do que nos tem preparado o Espírito Santo, submetendo-a à vontade e direção de Deus. Coragem é preciso, pois só chuta o balde ou pau da barraca neste contexto, quem tem coragem de tomar a atitude de agradar a Deus em detrimento dos homens e de um sistema viciado, corrompido.
Essa pregação de que vai dar tudo certo pra enganar os bestas e continuar em um comportamento discrepante daquele que exige o Eterno, só nos levará à destruição.
Nossa igreja tem tudo para dar certo, temos ótimos líderes (apesar da miséria daqueles que trafegam entre nós, verdadeiras ervas daninhas), gente que pode fazer acontecer, mas é só olhar para o Antigo Testamento e ver que as grandes reformas começaram por quem estava à frente.

Caetano, Chico e Suas Máscaras!


Não há dúvidas de que Caetano e Chico, ídolos da música popular brasileira, perseguidos pela ditadura, exilados por conta de suas ideologias, são intelectuais e gente com pensamento emancipado!
Mas tem intelectuais, que se sentem tão intelectuais que se tornam burros. A foto ridícula desses astros da MPB queria dizer o quê? É isso aí, escondam-se mesmo? Não assumam o que pensam nem o que possam fazer? Foi esta a postura deles diante da censura imposta pela ditadura? Vão em frente, quebrem, destruam em nome da democracia? Nós estamos aqui e lhes apoiamos neste estado de destruição e vandalismo que vem marcando os protestos no Brasil?
Por favor, me expliquem que droga de intelectualismo é esse? Que mensagem insana essa gente que é vista como referencial e formadores de opinião, deseja transmitir aos nossos jovens?
Caetano chegou a declarar, segundo o site Varela Notícias: "É uma violência simbólica proibir o uso de máscaras. Dia 07 de setembro todos deveriam ir as ruas mascarados." É pra rir ou pra chorar? Violência simbólica, ser o que é? Não se esconder por trás de uma máscara? Exigir que se mostre a cara e diga de peito aberto o que pensa? Violência não seria instigar a população a não submeter-se às autoridades?
Ah, tá, o certo é todo mundo se esconder por trás da máscara ridícula do anonimato e depois ninguém ser acusado da desordem e do caos em que a sociedade mergulhou depois da ação criminosa de vândalos contra a ordem pública e o patrimônio público e privado!
Esses caras são aqueles que mandam, mas se escondem em suas mansões na Bahia e em condomínios milionários no exterior. Que instiga sua gente com uma mensagem tosca, numa época em que precisamos de equilíbrio e tranquilidade para discutir os problemas desta nação e depois vai almoçar em New York e Paris.

5 de set de 2013

Os Membros e Congregados da Adesal Precisam Saber

Por Raimundo Campos


Temos vivido uma onda de indiferença e descrédito no meio do povo de Deus sem precedentes em nossa história. Tornamo-nos individualistas e nos aprisionamos em nosso mundo de egoísmo, a ponto de ficarmos incapazes de perceber o que há de bom no próximo, no outro. O nosso bem estar ficou acima da necessidade do próximo, nossos pensamentos e conceitos acerca dele vale mais do que ele realmente é. 
Uma história de decepções e de atitudes insanas de algumas lideranças formou, paulatinamente, uma geração incapaz de ver e acreditar no que de bom pode acontecer em nosso meio, em nossa instituição. Quem quer fazer alguma coisa digna e que contribua com o Reino de Deus, fica sozinho neste estado de coisas, pregando no deserto, clamando às escuras, sem nunca ter certeza de que será ouvido.
Para piorar, algumas lideranças, uma substanciosa parte, passam de largo e não olham para as coisas que são relevantes em nosso meio. Ocupam-se filosoficamente, mas não praticamente. Discutem, mas não executam, podem até incentivar, mas não participam. Podem até olhar atentamente, mas se descobrirá que foi apenas um ato do momento.
Os membros e congregados da Adesal (Assembléia de Deus em Salvador), precisam saber que coisas relevantes estão sendo feitas, apesar da atual conjuntura. Investimentos em vidas e no Reino de Deus estão sendo feitos todos os dias com o apoio do Presidente da Igreja, Pastor Israel Alves Ferreira, através da Semadesal (Secretaria de Missões da Adesal). 
Por favor, membros e congregados da Adesal, crianças, jovens, adolescentes, anciãos, Pastores e obreiros, atentem para a tarefa primordial da igreja na terra que é levar almas aos pés de Cristo! Nossa Igreja, apesar das dificuldades que temos atravessado, apesar do espírito de descrédito que opera em nosso meio, está investindo cerca de R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais) mensalmente em sustento de obreiros nacionais e transculturais, em envio de missionários, na saúde deles, em passaportes e vistos, entre outros.
Hoje, a Adesal tem Missionários em várias partes do mundo, como: 
Pastores Adailton e Hilda em Foz do Iguaçu
Pastor Adamastor em Bolívia
Missionária Cláudia, na Índia.

Missionário Eduardo em África o Sul.


Missionários Jair, Deny e filhos
em Guiná Bissau/África
Pastores Gildo e Valdeci em Venezuela











Missionários Josemar e Esmeralda
em Equador

Pastores e José Luiz e Yomary
em República Dominicana
Missionária Maria das Neves em Argentina

Missionária Maria Helena no interior
de Guiné Bissau/África

Missionária Patricia Santo
em Cabo Verde/África

Missionária Sandra Marinho
Projeto Colombia

Missionários Toni, Rita e filhos
Gâmbia/África

Missionária Aracy/Projeto Interior da Bahia

Missionária Dalva - Presídios da Bahia


Missionários Taciano e Ednalva
em Mundo Novo/Bahia

Missionários Francisco, Edvaldina e Lucas
estiveram no Amazonas, estão na Base


Missionários Lucson e Irailddes
estiveram em Haiti, agora na Base.

Pr. José Paulo e Familia
Ibicoara/Bahia

Missionária Meible e família
trabalharam em Foz do Iguaçu e Paraguai.
Estão na Bese.

Missionários Tolga, Mirela e Nícholas
Espírito Santo.

Pastor João da Cruz
Sete Brejos - Santo Antonio/Bahia

Pastor Genilson e Família
Catu/Bahia

Pastor Helio Candido
Minas Gerais

Pastor Adailton Anjos e Família
Alemanha



Pastor José de Jesus
Teixeira de Freitas/Bahia.

Pastor Moses - Índia

Pastor Luis Carlos e Familia
Bolívia

Pastor Osvaldo Alves
Itatim/Bahia




Pastor Ednaldo Quinto e Família
Barra Grande de Marau/Bahia

Missionária Railda  (Tia Ray)
Ministério com crianças - Base



Missionária Eli Rosangela
Auxilia Missionários Transculturais.
Está Base.

Missionária Silvina
Auxilia Missionários com treinamentos
e trabalhos com crianças.



Para continuar mantendo esses obreiros e enviando outros, a Semadesal vem incentivando o Culto de Missões que deve acontecer todo segundo domingo de cada mês, por determinação da Diretoria da Igreja. Além disso, a Semadesal mantém uma rede de relacionamentos com Coordenadores, Secretários de Missões e a Igreja quer vai, desde reuniões mensais no templo da Liberdade, até a comunicação por este blog, nosso perfil no Facebook e envio de torpedos e emails. 
Oração em uma de nossas reuniões.
Além disso, a Semadesal investe em treinamento para Coordenadores e Secretários de Missões desde 2011 e realiza bienalmente a Mobilização Missionária como forma de conclamar a Igreja para a obra missionária. 
Deus tem nos dado uma visão sobre missões que envolve o treinamento de candidatos a missões, abertura de novos projetos missionários como um entre índios, por exemplo, a criação da Escola de Missões e um programa de Apoio Logístico e Emocional aos Missionários na Base.
A Semadesal não envia missionários, apenas gerencia o processo de envio e sustento. Quem envia é a Igreja através de seu Pastor Presidente. Todavia, a Secretaria de Missões só realiza seu trabalho com a ajuda da Igreja e o empenho de seus pastores. Esta não é uma causa da Secretaria, nem de seus Diretores, é uma causa de todos, de cada Pastor de Setor, de cada Pastor de Congregação, de cada membro e congregado!
Temos nos reunido para orar toda sexta-feira, das 10:00h. às 12:00h. para que o Senhor desperte a igreja em Salvador e para que o sustento de nossos missionários seja garantido pela fidelidade nas arrecadações das ofertas missionárias.
A 2ª Mobilização Missionária, que acontecerá de 01 a 03 de novembro, é uma forma de envolver a Igreja em Salvador com missões, é um a forma de falar de frente com cada membro e congregado da Igreja e mostrar-lhe seu papel neste processo.
Venha se envolver. Envolva-se em sua congregação. Procure seu Pastor, Coordenador ou Secretário de Missões. Participe de nossas reuniões. A próxima reunião será 19/09, venha conhecer mais de perto o que a Adesal está fazendo por missões.