4 de mai de 2014

As Velhas Idéias e o Mesmismo de Nossa Instituição

Quando velhos costumes, idéias ultrapassadas e discursos desprovidos de sabedoria, senso crítico e sem lastro de uma experiência que tenha produzido resultados salutares, campeiam em nossas reuniões, conclaves e em momentos decisivos de uma instituição como a nossa, pode ter certeza que estamos presenciando também o apagar da existência dela. Ela poderá até existir como organização, associação, mas nunca como organismo, nunca como hasteadora de ideologias ou filosofias ou ainda de verdades que para nós sempre foram inegociáveis.
Quando falo de velhas idéias não me refiro àquelas que preservaram nossa instituição, não me refiro também àquelas embasadas em valores bíblicos morais e éticos, mas àquelas que sempre foram resultado da ignorância e que, postas ao lado das verdades bíblicas, pareciam ser divinas, celestes. A luta de algumas lideranças para preservar tais idéias, idéias desprovidas de Deus e de sua Palavra, conceitos seculares cristianizados, vem resultando em sérias consequências para o rebanho e para a saúde das novas lideranças.
Por causa disto, o mesmismo, a falta de renovação da fé, de credibilidade, tomam conta deste estado de coisas presenciadas por quem pertence à nossa instituição.
Vejo Diretores e Líderes de Departamentos numa luta infindável, num remar contra o vento, indagando a eficiência de seu trabalho e de sua liderança, sem perceber que o mal não está neles. O resgate de costumes que antes sustentaram a instituição e que manteve a unidade de grupos, departamentos, do ministério, vem se tornando num investimento aparentemente insano e controverso. Reunir, por exemplo, a mocidade de nossa Igreja numa quinta-feira para adorar e ouvir a Palavra de Deus, como fazíamos na década de 80 no Boqueirão e na Liberdade, agora parece um sonho inalcançável!
Um sentimento de independência parece que toma conta de todos, todos são líderes, todos mandam, todos tem seu chamado, seu trabalho, todos ouvem Deus e Deus sempre fala diferente para todos, cada tem um comando, senhores de si mesmos, capitanearam igrejas e territórios, ninguém ouve ninguém, cada um decide sua sorte. Todos parecem formar seus guetos, suas colônias, todos ditam regras e todos terminam ficando sem saber que regra seguir. 
Enquanto isto, quem poderia fazer alguma coisa, está muito ocupado com o secundário. Enquanto isto, em reuniões cansativas, infrutíferas, preservamos as velhas idéias, aquelas desgraçadas idéias, semeadas na cabeça de gente que não quer ver, que se conforma com esta calamidade, que não tem um olhar crítico, que se sente certa demais para admitir que está errada. Enquanto isto, a mesmice é a senhora deste tempo que jamais esperávamos ver! Enquanto isto, nossos adolescentes e jovens se entregam à prostituição e toda sorte de pecados peculiares desta geração facebookiana, deste tempo de tantos seminários, palestras, conferências, congressos, encontros que não produzem os resultados esperados!
Não, não podemos mudar, não senhor! Pra que mudar? Somos os caras! Somos a maior instituição pentecostal deste país! Pobres e miseráveis que somos!
Se não deixarmos urgentemente essas idéias medíocres entranhada em nossos discursos que nunca se abre para o novo, se a mesmice continuar sendo senhora da existência da antes gloriosa instituição, se não nos arrependermos de nossos pecados, de nossos joguinhos de interesses, se continuarmos desdenhando da misericórdia de Deus, sem apercebermo-nos que o juízo de Deus está às portas, nossos lugar de glória, tão almejado, será apenas um sonho que se acabou, que se foi!
É preciso romper este invólucro da mesmice, das velhas idéias, gritarmos para nós mesmos que é tempo de tomar novos rumos, que é tempo de uma liderança que se imponha e que imponha aos demais uma autoridade legítima, aprovada por Deus. É tempo de deixarmos as coisas funcionarem de forma correta, com brio, honestidade, submissão, obediência. Tempo de abrirmos a mente para o novo, o novo de Deus, para novas idéias, desde que estejam de acordo com a vontade Dele (Deus).

Nenhum comentário: