27 de ago de 2014

Caso Adesal X Ceadeb: Acabou a Disputa


Neste início de semana uma bomba caiu no colo do senhor Presidente da CEADEB e dos advogados que, no Processo de nº 052148-24.2010.8.05.001, requeria o seguinte: "...o direito de indicar um de seus ministros para a Presidência da Adesal, consoante o disposto no Art. 54 do Estatuto da primeira Ré, aduzindo ainda que o Presidente deve necessariamente ser integrante do quadro da CEADEB."
A Ceadeb requereu ainda, liminarmente, a "imediata destituição do segundo e terceiro réus (Pastores Israel Alves Ferreira e José Pereira Lima), e que o quarto demandado (Pastor Abiezer Apolinário da Silva) fosse obrigado a indicar o nome do Pastor Eliúde Amaral Soares ao conselho da entidade ré."
Além disso, a CEADEB requereu também, liminarmente, a suspensão de uma Assembléia da Adesal em 2010. Por causa disto, ficou a Adesal, até este último final de semana, impossibilitada de realizar Assembléias Ordinárias por respeitar a decisão da justiça que analisava as liminares de ambas as partes. 
Todavia, a justiça decidiu neste início de semana que há "inexistência de qualquer vinculação jurídica ou estatutária entre as entidades litigante e tendo em vista o fato de que a CEADEB não é membro da ADESAL, não integrando o seu quadro de associados, não vislumbro a legitimidade apta a respaldar o ajuizamento da presente demanda."
Diante disto, a juíza que julgou o processo decidiu: 
"...em face do reconhecimento da ilegitimidade ad causam da requerente, JULGO EXTINTO o feito sem julgamento de seu mérito, consoante o Art. 267, VI do Código de Processo Civil." E acrescentou: "Condeno a autora ao pagamento das custas processuais acaso remanescentes e honorários advocatícios."
Portanto, a Adesal saiu vitoriosa no processo mais ansiado pelo Presidente e por alguns membros da CEADEB. O processo em que a CEADEB exigia a saída do Pr. Israel Alves da Presidência da Igreja, entre tantos outros absurdos considerados ilegítimos pela própria justiça, foi considerado EXTINTO pela Juíza de Direito Karla Adriana Barnuevo de Azevedo.
Muita gente pergunta agora o que acontecerá com as igrejas, isto é, os templos, alguns tomados à força, outros com proteção de liminares. Em reunião com os Pastores de Setor, o Presidente da Adesal, Pastor Israel Alves, afirmou que este é um momento primeiro para celebrar ao Senhor por mais uma vitória dada à sua Igreja e que o diálogo e perdão deve nortear as próximas decisões.
Durante a reunião desta manhã, o Pastor Jerônimo, Líder do Setor de Capelinha, lembrou que as ovelhas que estão sossegadas em seus templos, não devem sofrer mais nenhum tipo de inconveniente. Já o Pastor Roberto Menezes, Líder do Setor de Plataforma, falou que muitos irmãos que ficaram na CEADEB não o fizeram por escolher um lado, mas por amor que sempre tiveram ao local de adoração onde aceitaram Jesus e aprenderam a Palavra de Deus.
O Pastor Felipe das Virgens, Líder do Setor de Tancredo Neves, disse que este é um momento para refletir com cautela, a fim de que não cometamos os erros do passado.
Abaixo, cópia da sentença que favorece a Adesal.











4 comentários:

Fernando Barros disse...

Tô nem aí. ..com todo respeito a sua pessoa PR. Raimundo. Que a paz do Senhor esteja contigo.

Eliel Barbosa disse...

Meu caro Pr. e amigo Raimundo Campos,

Paz em Jesus.

A despeito da decisão proferida pela magistrada, a prudência recomenda aguardar o fim dos prazos processuais, pois, ainda há a possibilidade de interposição de recursos contra esta decisão. Torço para que não. A Igreja do Senhor Jesus já sofreu demais.

Esperamos que a Palavra de Deus, mais uma vez, se cumpra: "Todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus. Dos que são chamados segundo Seu propósito" (Rm. 8:28).

Fique Com Deus.

everaldo jesus disse...

olha pr o sr estar querendo que os irmãos briguem eu creio que não, ore porque Jesus estar vendo no fim de tudo vai ter surpresa quando o senhor resgatar seu povo

biologia disse...

Caro ministro, o fato de extinguir sem resolução do mérito não é um bom sinal... a CEADEB pode ingressar mais uma vez.