23 de set de 2014

Eu Morro Com Você, Mas Não te Deixo!

"Eu Morro Com Você, Mas Não te Deixo!"


Esta frase heróica saiu dos lábios de um marido poucos instantes antes de sua amada esposa partir para a eternidade em seus braços. O casal estava indo de Salvador à Ilha Ponta de Nossa Senhora de Guadalupe no arquipélago de Ilhas dos Frades em seu pequeno barco particular. O casal costumava guardar o barco nas proximidades de Salvador durante o inverno e aquele retorno para sua casa simples na Ilha turística que costumamos chamar de "Ponta dos Frades", era mais que especial. No último final de semana, a Missionária Nide, como era conhecida, realizou o sonho de sua neta Géssica Vieira em festejar com amigos, sua formatura em Enfermeira! Tive o prazer de estar com esta família abençoada e ver no semblante da guerreira Nide, a felicidade em poder realizar o sonho de sua neta.
Dever cumprido, os Missionários Anísio e Nide, que faziam a anos um trabalho missionário naquela
Batismo, resultado do trabalho dos
Missionários Anísio e Nide
Ilha, onde já estavam construindo uma congregação e onde tive a oportunidade de batizar a irmã Cremilda junto com o pastor Luis Anselmo, no verão de 2007, voltavam com planos de dar continuidade ao trabalho, concluir a construção e inaugurá-la nos próximos meses.
A irmã Nide que sempre serviu quem precisasse de ajuda, sempre pronta para socorrer necessitados e convalescentes, passou mal já nas proximidades da ilha. Ela estava somente com seu esposo Anísio que conduzia o pequeno barco no qual estavam acostumados a anos, fazer aquela travessia e no qual já socorreram muitos nativos da ilha, inclusive trazendo corpo de Salvador para ser sepultado na pequena Ponta de Guadalupe. Ao sentir-se mal, desequilibrou-se e caiu nas águas que sempre fizeram parte de sua história desde a infância. O irmão Anísio, num ato impensado e corajoso, lançou-se ao mar deixando a embarcação com o motor ligado em busca daquela que lhe era companheira a 47 anos e com quem teve filhos netos e bisnetos. 

Irmã Nide na formatura da neta Géssica
A ação corajosa, porém, solitária, exigiu do Missionário Anísio, um esforço sobre humano. Mesmo com um dos braços quebrado, no qual segurava com todas as forças sua amada esposa, ele nadou até chegar em terra firme durante mais de duas horas. Durante a agonia, em alto mar, ele ainda pôde ouvir sua esposa pronunciar algumas palavras, algumas delas dava a entender que sabia que não aguentaria chegar em terra. Mas Anísio, em seu desespero e dor, em sua incerteza, mas também em sua ânsia por lutar pela vida da esposa amada, disse: "Eu morro com você, mas não te deixo!"
Durante o velório em sua residência na Ilha, ele chegou a testemunhar que em dado momento da luta pela salvação de sua esposa, chegou a pensar em amarrar sua roupa à dela e pensou que faria isso para que quando morressem, encontrassem os dois juntos. Mas ele mesmo chegou a reconhecer que esta não foi a vontade de Deus e disse-me quando fui recebê-lo no Porto em construção da Ilha: "Acho que Deus deve ter algum plano com minha vida, pois hoje vocês poderiam estar velando o meu corpo também!"
É claro que a vida dedicada a obra de Deus deste casal nos deixa muitas lições, mas o que me
O casal Anisio e Nide com filhos, netos
 e o genro, Pr. Ginecy.
impressionou foi o ato heróico do esposo que cumpriu o que Paulo disse em Efésios 6:25 - "Vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a Igreja, e a si mesmo se entregou por ela." Um amor sacrificial, um amor disposto a perder a própria vida para salvar a da pessoa amada! Pensei e penso em como este tipo de amor está em falta! Quantos casais separam-se por coisas tão pequenas, quantos homens e mulheres são abandonados por seus cônjuges por crises que poderiam ser vencidas juntos!
Mas ali, num clima de perda, de lágrimas e dor, pude ouvir atentamente, um homem simples, mas crente e fiel a princípios espirituais e morais. Um homem que honrou até o fim sua promessa dada no altar do matrimônio a quase cinquenta anos, um homem cuja fidelidade o levou às últimas consequências. Se eu já o admirava pelo seu zelo pela obra de Deus e por sua dedicação à esposa e família, agora lhe presto dobrada honra e glorifico a Deus pela vida da mulher que morreu labutando na Seara do Mestre  e pela vida do homem que viverá para contar o quanto vale a pena amar até que a morte separe!

Um comentário:

Pr Dário Gomes disse...

Este sim é um verdadeiro herói! Fiel a Deus, fiel a sua esposa. Um exemplo a ser seguido. Oro para Deus conforta-lo juntamente com a igreja pela perda desta heroína. Seu galardão ja esta garantido no céu.