27 de fev de 2014

Consagração aos Santos Ministérios Não Pode Ser Um Negócio

Entenda-se por ministérios aqui as funções de Diáconos, Presbíteros, Evangelistas e Pastores no corpo de Cristo!
Primeiro é bom lembrarmos que tais funções no corpo são dadas por Deus (Ef. 4:11; At. 6:1-6). Segundo, não consagramos, ou escolhemos para ser; escolhemos ou consagramos os que já são, os que Deus em sua infinita misericórdia já nos deu!
A consagração, a separação para seja qual for o ministério é algo altamente espiritual e envolve o agir do Espírito Santo, seu querer e sua direção e isso não pode ser negociado!
Não podemos fabricar obreiros. Não podemos fazer dinheiro com isso. Não podemos formar obreiros em uma Escola, não. Eles são forjados desde o discipulado, passando por treinamentos específicos até serem legitimados os seus dons com a imposição de homens santos e fiéis!
Não podemos dar à Igreja homens sem ministérios só porque precisamos apresentar um numero, alcançar uma meta, pelo amor de Deus! É burrice pensar que produzir obreiros seja sinal de crescimento. Não podemos produzir obreiros para dar sinais de crescimento. O contrário sim é saudável. A Igreja que cresce, ela mesmo produz obreiros! Basta ler Atos 6. Os Apóstolos pediram à multidão dos discípulos que lhes apresentassem homens com o perfil exigido e a igreja apresentou-lhes sete homens! A Igreja produz obreiros, eles surgem no seio da igreja a partir da vontade do Espírito Santo que se encarrega de capacitar homens, forjando-os no discipulado, na oração e na doutrina!
A formação de obreiros não se dá com uma inscrição em uma EBO, não acontece em uma ou duas tardes, não se dá com uma ou mais ministrações. Eu disse em outra postagem que para se formar líderes precisamos gastar tempo num processo discipular específico e exaustivo, que envolva a prática e uma vida santa e irrepreensível!
Não podemos fazer negócio disso, não podemos.

Eleições na Conframadeb e a Mentalidade da Alternância


Eleição é um processo comum em qualquer democracia e permite que se viva em sua plenitude o que há de salutar nas alternâncias de poder. Possibilita a renovação e abre-se oportunidade para se viver novas eras, novas propostas, etc. Uma instituição como a CONFRAMADEB, uma associação de Pastores, de líderes espirituais, como qualquer outra do gênero, precisa sim das benesses deste processo periódico. É necessário! 
Porém, percebo o que chamo de sentimento do patriarcalismo, onde num contexto como o da nossa Convenção, aventurar-se em uma candidatura que concorra com a do Presidente é como se fosse desafiá-lo, parece que a posição do Presidente é intocável e tentar legitimamente, sob as bençãos dos direitos constitucionais, estatutários e democráticos, concorrer a Presidente, fosse como blasfemar contra Deus. Percebe-se também o pensamento medíocre que paira em nosso meio de que qualquer outro seria incapaz de tal proeza. Vejo o sorriso cínico e sarcástico dos que olham para aqueles que ousam conjecturar sobre este assunto. Agora mesmo, alguns que leem esta matéria, me abominam e farão comentários covardes pelas costas. 
Em qualquer democracia, os mais improváveis, podem se tornar os mais prováveis, que o diga Luis Inácio Lula da Silva! Mas em nosso meio não. Acredita-se que o respeito e a honra devem ser embasados com o puxa-saquismo. Esta mentalidade ultrapassada que não permite o novo, que perpetua um discurso sem obras e novidades, que tolhe o diferente e aquele que possa mostrar uma nova via, um novo caminho, tem feito de nossas convenções, começando da Geral, um regime totalitário, uma herança de pais e filhos, uma casa patriarcal.
Enquanto aqueles que consideramos justos se escondem por motivos que eu não sei (pois eu também penso estar longe, então, eu me critico!), alguns medíocres se aventuram. Alguns que não querem nada, só aparecer e se beneficiar (de quê, eu não sei).
É preciso mudar nossa mentalidade. A alternância de poder não pode ser um processo eletivo apenas, precisa ser um processo onde se conceba novas lideranças, lideranças que apresentem novos caminhos, que possibilite o novo, que ouse, que quebre as cadeias da mesmice!
Enquanto isto não acontecer, passaremos os anos elegendo as mesmas pessoas e vivendo as mesmas mazelas, o mesmo estado de letargia, de desconfianças, debatendo o antigo e desconhecendo o atual, presos em nosso mundo, alienados.
O General Euclydes Figueredo,  pai do último Presidente da República do Regime Militar, João Figueredo, chegou a dizer que "a alternância no poder é essencial para a perenização da democracia...". Percebe? Só há democracia com a alternância no poder.
Vamos orar para que Deus conduza essas eleições, mas também vamos fazer parte de um processo democrático onde o que pensa diferente, tenha o seu lugar e faça, sem temores, seus discursos. Vamos permitir que o novo se manifeste, concorra, discuta, discorde, tenha o seu tempo, a sua hora.
Se o atual Presidente for reeleito democraticamente, que seja, mas que tenha coragem para fazer mudanças significativas e não permitir ser conduzido pela política das vantagens e se fazer cercar dos malandros dos bastidores convencionais. Capacidade para fazer diferente, sei que tem!
Todavia, não façamos dele a última esperança, pois não é. Não façamos dele a única saída; não, não façamos dele nosso patriarca, não precisamos disso, isso é retroceder, é cegar-se. Deixemos que o processo seja conduzido por Deus e pelo espírito democrático dos que são livres.

25 de fev de 2014

Naldo Ouve a Voz do Espírito Santo!

Foto: Genizah

A Revista Caras e um dos sites gospel mais acessados da internet, o Genizah, publicou a notícia de que Naldo, o cantor de funk mais badalado do momento, se converteu. Ao que parece a decisão é resultado da influência do cantor Thalles Roberto, figura controvertida da música gospel e que é considerado uma das maiores revelações em música sacra dos últimos anos. O próprio Thalles postou em seu Instagram, vídeo de seu pai orando pelo funkeiro e profetizando sua carreira no meio gospel. Assista o vídeo aqui.
Ainda segundo as fontes acima "Naldo estava a caminho de um show no Rio de Janeiro e disse que o Espírito Santo o encaminhou para o show de Thalles na cidade." Disse também que no mesmo dia recebeu a notícia da gravidez da mulher, Ellen Cardoso.
Naldo chegou a publicar uma declaração emocionante de sua experiência e deu a entender que tem novos planos para sua vida:

"O dia havia sido estranho para mim. Ao acordar à noite para ir fazer meu show que seria na Barra da Tijuca, ao passar em frente ao Barra Music no meu carro, senti um mover diferente. Era o ESPÍRITO SANTO, que me fez dar a volta no caminho e, dentro de mim, dizia bem forte: 'Se for de Deus, vai dar tudo certo'. Entrei no show do meu amigo, talentoso, homem de Deus Thalles Roberto. Foi incrível, e eu com o tempo apertado por conta do meu show. Mas vinha toda hora na cabeça, 'fique tranquilo, eu estou no comando'. E para quem sabe, isso é Deus falando e ponto final. Contei isso para o povo de Deus, no palco com o Thalles ouvindo tudo. O povo gritando 'Volta pra Jesus', e aos gritos, cantando o refrão de 'Arde Outra Vez'. Não tenho dúvidas, quem me fez fazer o retorno, e ir ao palco cantar 'Clareia' com Thalles foi o ESPÍRITO SANTO DE DEUS. Galera, não se assuste com novidades. É chegado o tempo do mestre na minha vida. Quem está comigo é o Deus de Israel, O SENHOR DOS SENHORES. Ae Negão, TE AMO MUITO, Thalles Roberto. Vai preparando o groove, que o papai está no comando. Tamo junto negão. DEUS NOS ABENÇOE. Vou ser papai de novo. Entrego esse novo momento nas mãos do meu mestre, filho é benção. E Deus é Fiel. Vamo NO FLOWW, cheios do ESPÍRITO SANTO".

Leia Mais em: http://www.genizahvirtual.com/2014/02/naldo-se-converte-e-pode-seguir.html#ixzz2uLTKIlln

24 de fev de 2014

Prefeitura e Sefaz Demonstram Incapacidade no Lidar Com o IPTU 2014

Foto: Portal A Tarde


Órgãos públicos, sejam municipais, estaduais ou federais são sempre desorganizados e muito lentos. Eles criam uma burocracia que mergulha eles mesmos num mar de dúvidas e insatisfação e passam dar explicações descabidas para o que seria tão simples se fosse realizado por uma inciativa privada.
Além desta confusão toda, são desprovidos de inteligência e sabedoria, beneficiando quem não deveria ser beneficiado e cobrando ou explorando aquele cuja condição jamais corresponderá!
Em Salvador, uma confusão com o IPTU levou milhares de contribuintes a enfrentar filas quilométricas no Sefaz, cidade alta. Lá encontrava-se quem queixava-se contra a taxa abusiva, quem estava confundindo o Imposto Predial com a taxa de lixo, outros inconformados com a falta dos prometidos 10% dados a quem se cadastrou, outros ainda aborrecidos pelas cinco horas na fila numa clara incapacidade do sistema de lidar com situações de última hora!
Os episódios de corrupção envolvendo recursos provenientes de nossos impostos neste país, só aumenta nossa desconfiança seja com o Governo do Estado, seja com a Prefeitura. Um exemplo é o que aconteceu em São Paulo. Segundo a Isto é, "o Ministério Público de São Paulo e a Controladoria Geral do Município (CGM), investigam 84 empresas suspeitas de integrar um esquema de cobrança de propina para zerar dívidas milionárias do IPTU, ocultação de reformas de grandes empreendimentos, para reduzir o cálculo do tributo e até rebaixamento do padrão de construções de luxo para diminuir o valor venal do imóvel." A Isto é informou ainda que no fim do ano passado o Prefeito Fernando Haddad "chegou a anunciar um aumento exorbitante do IPTU."
É sabido de todos que o povo brasileiro confia cada vez menos no Estado e parece que este não tem interesse em mudar esta situação. Entende-se que eles (os políticos) acreditam que o povo será sempre massa de manobra, que no final sempre será fácil iludir e perpetuar o estado de corrupção que vive esta nação!
Em Salvador a Prefeitura isentou uns e superfaturou o Imposto cobrado a outros. Um amigo meu foi fazer seu recadastramento e voltou feliz por estar isento, mas confessou-me que se cobrasse dele pelo menos R$ 50,00 ele pagaria sem problema. Já uma amiga dele tem uma pequena loja no centro da cidade a quem foi cobrado um IPTU para 2014 de R$ 16.000,00! Segundo ele, sua amiga confessou só poder pagar em média de R$ 3.000,00! Fiquei pensando: não seria mais sábio cobrar de todos que tivessem imóveis na condição daqueles que hoje são isentos, uma taxa mínima considerando todas as regras para este caso e, ao invés de taxas absurdas de R$ 16.000,00 para um pequeno empreendedor, cobrasse a justa taxa que este pudesse pagar?  A máquina não arrecadaria mais? Porque a Prefeitura, ao invés disso cobra absurdos de uns e isenta outros? E se o Sefaz lida todos os anos com esta situação, porque o sistema não se previne contra a balbúrdia instalada na não mais frequentada rua da cidade alta onde se localiza o escritório da Secretaria da Fazenda?
Ainda segundo o site do Tribuna da Bahia, certa  "aposentada chegou à secretaria às 6h30 em busca de explicações que justificassem o aumento exorbitante do tributo que saltou de R$ 194,05 no ano passado para R$ 1.198,50. Outra queixa da aposentada foi referente à classificação do imóvel que fica localizado no bairro de Itapuã, que sempre foi classificado como área popular e agora consta no boleto como área nobre."
O site do Sefaz Salvador publicou que "com o pagamento do IPTU, a Prefeitura espera arrecadar cerca de 500 milhões a mais do que no ano passado." Mas o mesmo site disse também que "muitos contribuintes estão com dúvidas relacionadas aos dados do imóvel e do tributo" e informou os canais onde o soteropolitano pode tirar dúvidas. Click aqui ou ligue para: (71) 2101-8261.
A falta de organização, de habilidade para lidar com o público, o despreparo e o mal humor dos funcionários, a demora no atendimento, somados às cobranças absurdas e descabidas e às dúvidas não dirimidas na mente do contribuinte, construía o ambiente de insatisfação e revolta daquela repartição pública e coloca o soteropolitano num estado permanente de desconfiança!

21 de fev de 2014

Credibilidade e Contribuição

Credibilidade é a característica de quem consegue ou conquista a confiança de alguém. A credibilidade é construída ao longo de um tempo e tem profunda relação com a história das pessoas. Está relacionada com um processo de transparência, honestidade e capacidade. Credibilidade é creditar confiança, é acreditar na idoneidade, no espírito de retidão e justiça.
Aquele que tem credibilidade está acima de suspeitas e a ele se confia grandes empreendimentos e o futuro de projetos audaciosos. A credibilidade tem sido uma característica ausente em algumas lideranças. Ao invés disso, um onda de desconfiança tem norteado a relação entre liderados e líderes, principalmente quando se envolve dinheiro!
A palavra contribuição vem do latim TRIBUTUM e significa: tributo, taxa, tem haver literalmente com pagamento. A palavra tem suas origens na organização da sociedade greco romana, quando os cidadãos deveriam contribuir com os investimentos do Estado na própria população, investindo em estradas, saúde, educação, etc. A contribuição tem uma relação com o serviço prestado, é uma troca.
O governo adquiria, é assim até hoje, credibilidade a partir dos investimentos que fazia com a contribuição. A história está aí para provar que quando se perde a credibilidade, ou quando não se investe com integridade e transparência as contribuições, a sociedade mergulha num clima de insatisfação tal que culmina em protestos e em toda sorte de manifestações.
A construção de um templo por exemplo, como o Grande Templo da Adesal, precisa mais de credibilidade do que de contribuição no momento. Que se comece um processo de credibilidade através de pessoas a quem possamos creditá-la. Que se tenha coragem para tirar aqueles que se tornam um entrave neste importante empreendimento. Que se extinga determinada associação que só serve para alimentar este clima de desconfiança e se crie um Departamento com pessoas em quem possamos confiar, gente que tenha credibilidade!
Talvez você me pergunte o seguinte: "se credibilidade é algo que se constrói, não seria muito tarde para começar este processo?" Eu te respondo o seguinte: a credibilidade é construída por pessoas, a instituição é apenas a representatividade delas. Temos em nosso meio gente que já deu atestado de credibilidade, mas duas coisas acontecem: 1. Elas temem assumir responsabilidades neste estado de coisas; 2. Alguns mau intencionados não tem interesse que aqueles que tem credibilidade façam parte do processo, porque se fizerem, a mamata pra essa gente mau caráter acaba.
A credibilidade é difícil de reaver, mas não é impossível. Atitudes sérias precisam ser tomadas para que isso aconteça, ao invés de desdenharmos da justiça divina e esquecermos que a vida é uma semeadura meu amigo, colhemos o que plantamos.

15 de fev de 2014

Os Primeiros Sinais do Que se Encontra Por Trás de Algumas Manifestações.




Bem, se este material jornalístico for verdadeiro, só vem corroborar o que venho dizendo aqui neste blog. Estou desconfiado desta explosão repentina de conscientização, desse despertar da cidadania da noite para o dia, no Brasil a fora. Quando assisto a reportagens, escuto entrevistados, fico percebendo nas entre linhas uma fumaça suspeita de um movimento orquestrado onde uns usam e manipulam e outros são usados e manipulados.

A Maracutaia Começou! Deus Nos Guarde!


Atenção, atenção! O clima de hipocrisia, mentiras, armações, promessas absurdas, infundadas e impossíveis de se cumprir, já se instalou nos arraiais evangélicos. Pastores que pisaram em sua vocação, que desceram inúmeros graus na escada da dignidade, trocando o santo ministério para servir a uma máquina profundamente comprometida com a corrupção, agora terão tempo de ir ao templo, terão dinheiro para subornar e comprar outros pastores tão ambiciosos e cínicos como eles.
Sim, eles quererão subir em nossos púlpitos, apertarão a mão que bateu em seus gabinetes sem nunca serem atendidos, sorrirão pra você enquanto pensam em seu título de eleitor e como você poderá fazer com que seu reino de farsas e desmandos perdure-se por mais um mandato.
É isso mesmo, este filme já conhecemos, sabemos como é o enredo, o elenco e o final. Mas os descomprometidos com o Reino, aqueles picaretas em frente do rebanho, prostitutos do altar, se venderão e comprometerão o rebanho mais uma vez. Presidentes de Igrejas, de Convenções Regionais e Nacionais, publicarão seu apoio, usarão a igreja como máquina, financiarão e serão financiados. Receberão suborno na calada da noite, calarão a boca de quem sabe e é tão imundo quanto ele.
Não, eu não aceito. Não faço acordos e não aceito propostas. Talvez você me pergunte: "E se tal político quiser dar uma oferta?" Simples: problema dele. Dará oferta como qualquer fiel! Não pedi e não peço e se quiser dar para outro, que dê. A obra de Deus é financiada pelo próprio Deus que abre portas e toca no coração de quem quer, até do político! 
É preciso dar um basta. É preciso que o povo de Deus entenda que o político deve legislar e executar pelo povo e não para interesses particulares. Não alimente este estado insuportável de corrupção, de mentiras e de armações, não entre neste jogo imundo condenado pela Palavra de Deus e pela moral e a ética!

14 de fev de 2014

O Desdém com o Discipulado e Treinamento Está Formando Uma Geração Desprovida de Líderes

Direto ao assunto: a maioria dos líderes, inclusive em minha denominação, são preguiçosos e estão se acostumando a querer tudo pronto. Querem igrejas prontas, obreiros prontos, ofertas prontas, equipes prontas e não querem ter trabalho com nada. Vivem sonhando com uma igreja que tenha uma grande orquestra, um grande corpo de obreiros, gente à disposição, auxiliares inteligentes e com visão, que faça, faça e faça.
Esses líderes não tem interesse em gastar tempo em formar obreiros e pagam o preço amargo de viver a lamentar a falta de vocacionados. Não se encontra homens e mulheres com chamada, não se vê alguém disposto a aprender e colocar seus dons ao serviço do Mestre! Porque? Porque poucos, muito poucos estão disposto a ensinar. Uma liderança eficaz é uma liderança que se dedica a identificar talentos, a treinar vocacionados e a formar líderes. E este é um trabalho árduo. Implica em dedicar a vida pela vida dos outros, em visualizar o futuro e se preocupar com o destino da igreja, de nossos filhos, famílias e sociedade. De vez em quando me pergunto: "Que igreja e que pastores deixarei para meus filhos e netos?"
O discipulado não é apenas aquele departamento da igreja que se dedica a integrar os novos crentes no corpo de Cristo, não! O discipulado faz parte da natureza da igreja na formação do caráter dos fiéis, visando sua edificação, crescimento espiritual, a fim de que estejam prontos para o serviço do Mestre! É daí que surgem novos obreiros, é daí que se desperta os dons e vocações; é desta "educação" do Reino que provocamos o surgimento de líderes.
Enquanto formos negligentes com o discipulado, fadaremos o futuro da igreja a um futuro sem liderança eficaz, onde teremos chefes e gerentes, mandões e até déspotas, mas ninguém que desperte a paixão do povo como os verdadeiros líderes o fazem!
A igreja está crescendo, se é que cresce mesmo, sem referenciais, sem saber que é dela mesmo que se forma líderes, é do povo, dos crentes mais complicados, dos mais incapazes aos olhos humanos. Eles só precisam ser discipulado, precisam aprender, precisam que se lhes dê a chance, apenas isso, tal qual os rudes pescadores do Mar da Galiléia a mais de dois mil anos atrás. 
O primeiro princípio de Jesus era o discipulado. Você sabe que Jesus tinha muito mais que doze seguidores. Ele tinha os que o seguiam de longe e aqueles a quem Ele chamou para a escola do seu discipulado. Chamou-os e os treinou durante quase três anos. Ensinou-lhes sobre amor, justiça, humildade. Treinou-os para conviverem com toda sorte de gente e de situações. Preveniu-os contra toda sorte de adversidades e contra falsos irmãos e profetas, abriu-lhes os olhos acerca do fim dos tempos, conferiu-lhes autoridade, ferramentando-os para as batalhas espirituais. Falou-lhes sobre a necessidade de orar e jejuar e adivertiu-os sobre a hipocrisia e religiosidade!
Perceba que no capítulo 10 de Mateus, versículo primeiro, eles são chamados de discípulos, o que recebe instrução e segue os ensinos de alguém. Todavia, após receber autoridade, passam a ser chamados, no versículo dois, de apóstolos. O discípulo é o que está sendo treinado, forjado, discipulado. Já o apóstolo é o que está sendo enviado. A idéia fornecida pelo grego da septuaginta (tradução para o grego do Antigo Testamento), levando em consideração a forma verbal, é que o apóstolo é o enviado e a palavra aparece para Moisés, Elias, Eliseu e Ezequiel. Já a forma nominal indica agente credenciado.
Portanto, o apóstolo é aquele que foi credenciado na escola do discipulado! O apóstolo surge no discipulado. No discipulado, o vocacionado se torna ministro, se torna um enviado. É no discipulado que o caráter é trabalhado. Lamentável é que hoje muito poucos querem ser treinados, a maioria quer receber títulos. A arrogância é tanta, que não se submetem à autoridade espiritual constituída sobre suas vidas e ainda se rebelam contra ela. Desafiam e ofendem pastores e tornam-se donos de seus ministérios!
Para discipular um obreiro é preciso levar em consideração primeiro que a pedra mais bruta pode ser a mais valiosa! Por isso Jesus investiu em Pedro e nos boanerges (Marcos 3:17). Homens de temperamento e atitudes insuportáveis. Foi por isso que Paulo investiu em jovens que ninguém investiria. Ele identificou e treinou homens como Timóteo, Silas, João Marcos e tantos outros. Considerou-os úteis e os forjou nas lidas de suas viagens missionárias! Deu-lhes oportunidade, acreditou no potencial deles, adverti-os, os repreendeu e, desta forma, os ensinou.
Segundo, é preciso paciência! O discipulado é como a semeadura, tem suas etapas. É preciso encontrar um terreno apropriado, arar o terreno, lançar a semente, molhá-la, cuidar dela, protegê-la dos excessos ou faltas de calor, frio e chuva, esperar os botões, as flores e entender que quando o fruto surge não significa que também surge a oportunidade de colhê-lo! É preciso paciência e esperar a hora certa de colher.
Terceiro, o discipulado é um relacionamento entre mestre e aluno. O aluno levará para a vida toda, não apenas as palavras, mas o modelo de vida de seu mestre. Talvez esta seja uma das razões pelas quais é tão difícil termos discipuladores hoje e, portanto, lidarmos com a preguiça em fazer líderes! O discipulado exige uma vida de exemplo, aquele "faça como eu faço" de Jesus (João 13:15)!
Acontece que a maioria dos pastores e líderes de hoje vivem de seus apartamentos para seus carros, dos carros para os gabinetes e dos gabinetes para os púlpitos. A maioria tem quem leve esperança por ele, quem aperte a mão do aflito em seu lugar e quem dê um conselho substituindo-o, pois eles estão ocupados em gerenciar o grande negócio de seus ministérios. Gosto quando me encontro com o texto de João 1:35-39. Depois que dois dos discípulos de João ouviu seus conselhos e decidiram seguir a Jesus, foram até Ele, viram onde ele morava e ficaram com o Mestre todo aquele dia. Jesus começava assim seu relacionamento com aqueles mais novos discípulos!
O discipulado exige também perdão, disciplina e entender que o a tarefa de moldar alguém é árdua, até insuportável, às vezes, mas com paciência, amor e tempo, dá pra ver o surgimento de um líder!

7 de fev de 2014

Caso de Jornalista da Band Dá Uma Outra Cara ao Protesto do Rio


Desde junho do ano passado, quando começaram os chamados protestos, a única coisa que mudou mesmo foi o fato de a Prefeitura de São Paulo ter voltado atrás no aumento em R$ 0,20 nas tarifas de transporte coletivo. Fora isto, só tivemos prejuízos milionários aos cofres públicos, além, claro, da instalação do caos e da desordem pública que denunciou o falta de condições mínimas da polícia e de outros órgãos públicos em manter a paz e punir culpados pelas centenas de feridos até então e pela perda de patrimônios públicos, entre outros.
A imprensa agora quer fazer do cinegrafista Santiago Andrade da TV Bandeirantes, a única vítima deste estado de coisas. O Portal Terra noticiou mais sete feridos, mas para as redes de tv parece que só Santiago foi atingido. Ao que parece, esta é mais uma tentativa da imprensa lulista e oportunista, em desviar o foco dos protestos em ano de eleições e de copa. A imprensa internacional aproveitou para expor o Brasil como uma nação incapaz de lidar com problemas como este em pleno ano de Copa e tratou a questão da violência no Brasil como uma ameaça à ela.
A confusão se torna maior porque a Globo alardeou que a tal "bomba" que feriu o cinegrafista da Band, veio da polícia (veja vídeo aqui). Agora ela é a rede de tv que mais fala no assunto, exibindo fotos de supostos suspeitos e, como lhe é peculiar, sem pedir perdão a nós expectadores e à PM.
O cinegrafista da Band é um profissional que estava fazendo seu papel, registrando os fatos, para então levar informação. Ele merece nossa atenção e tudo mais, mas ele também se tornou a notícia que a imprensa brasileira precisava neste momento. Sua dor ou, não queira Deus, sua morte, é tudo que esta imprensa hipócrita precisa para manter-nos longe da real interpretação dos fatos.
A mesma Globo que exibiu vídeos de seus artistas falando da importância dos protestos para um estado democrático, embora nenhum deles tenha comparecido a nenhum protesto, é a mesma que agora nos trai ao não noticiar como esse sistema tira cada vez mais de nós, contribuindo para uma inflação que teimam em mascarar, preferindo, ao invés disso, tornar o funcionário da Band em um mártir. 
Vídeos na internet mostram o desafeto de manifestantes pela Rede Globo por sua falta de ética em noticiar  os fatos.





Os protestos no Rio, como os que ocorreram em outros estados, marcam uma era de insatisfação com as autoridades constituídas, mas também, denunciam o monstro escondido dentro de nós e o grau de insanidade a que podemos chegar quando fazemos deles, dos protestos, nossa oportunidade de delinquir tanto quanto nossos políticos ou quanto qualquer criminoso. Este é outro lado desta moeda. Por isso, alguns de meus leitores não entenderam minha postagem "Protesto? Que Protesto?" Não questiono a legitimidade dos protestos, mas a forma violenta e o fato de contradizermo-nos no dia a dia com as frases de efeitos que usamos nesses momentos. Sim, porque em outubro é eleição. E aí? Que adianta nossos protestos se durante as campanhas eleitorais votamos no candidato que é nosso conhecido ou que comprou nosso voto com favorzinho ou que nos pagou literalmente?
Sim, senhor! Muitos pularão atrás do trio elétrico, se apinharão em gabinetes de campanha atrás de uma camiseta, de um trocado, de uma passagem de ônibus, é, é isso mesmo! Depois colocarão máscaras, assumirão a identidade de "Black Bloc" numa safada atitude colonialista, quebrarão, danificarão, trarão sérias consequências para trabalhadores e instalarão o medo e quererão ser vistos como idealistas! Façam-me uma garapa! Muitos desses, filhinhos de papai, que na verdade tiveram de tudo na vida e vê em qualquer movimento que perturbe a ordem pública, em sua oportunidadezinha de chamar a atenção de papai e mamãe.
Os protestos precisam ser vistos como uma manifestação legítima de uma população que tem uma mensagem aos gestores desta nação e não pode ser vítima do oportunismo de políticos e da imprensa, nem de baderneiros e criminosos. É exatamente isto que vem acontecendo neste país!
Que Santiago Andrade melhore e volte a exercer seu importante papel na imprensa brasileira, mas ele não deve ser o centro das atenções, não senhor, ele é apenas uma gota neste oceano de jogo de interesses onde políticos e imprensa, ditam as regras.

3 de fev de 2014

A Idéia Sacralizada de "Convenção" dos Assembleianos Baianos



"O meu povo foi destruído, porque lhe faltou o conhecimento..." Oséias 4:6a.


A falta de conhecimento reduz qualquer civilização a um comportamento moldado pela tradição e costumes. Daí, conceitos e definições são sempre estribados no conhecimento empírico. O pior é que, na maioria das vezes, pessoas ou comunidades que criam seus conceitos, ignorando a ciência, tem uma forte tendência a fechar-se definitivamente para ela e a criar uma espécie de escudo impenetrável de defesa que a escravizará para sempre na treva da ignorância!
Mas vale dizer também que, a ignorância é a estratégia dos déspotas, enquanto que a ciência é seu tesouro particular. Os déspotas tem interesse em que as grandes massas mergulhem cada vez mais na ignorância, enquanto que faz da ciência, um mistério impossível de ser revelado. A ignorância é seu aliado fiel na insana batalha de manter-se no poder em detrimento da liberdade de pensamento e de expressão da maioria. Por causa disto, entende-se a tosca e mais que insana confusão ceadebiana e da adesal no fatídico ano de 2010!
A idéia sacralizada de "Convenção" na mente dos escravos da ignorância que empunharam armas filosóficas e físicas, transformou o que poderia ser uma discussão ideológica numa guerra que chegou aos tribunais e às autoridades policiais.
Os detentores de conceitos sem estribo científico, arvoraram-se numa "santa inquisição"contra quem consideravam "hereges e rebeldes". Se constituíram juízes e divulgaram sentenças, armaram armadilhas e caíram em outras, xingaram e foram xingados, destruíram e foram destruídos, causaram angústias e mágoas e foram fortemente marcados por elas. Ao mesmo tempo, levantavam  louvor a um "deus" que, hora ri para os da Convenção, hora ri para os da Igreja (Ah, miséria! Ah, desgraça!)
Dos dois lados, reuniões eufóricas, orações, discursos inflamados como quem fala à horda de Wallace da Escócia! Tudo era feito ao mesmo tempo em que abriam suas portas para falar de amor ao pecador perdido que também ficava sabendo de tudo sem entender nada!
O conceito de Convenção na mente dos desprovidos do conhecimento era que, se Convenção é constituída pelo que conhecemos como homens de Deus, então ela é sagrada. Com esta idéia em mente, transformaram Convenção em igreja e o que seria igreja em alguma coisa inferior a ela!
Mas a coisa não fica por aí! Nesta bizarra história vale lembrar que muitos que lutaram pela Convenção e que, se arrependeram depois, eram na verdade pessoas ressentidas, motivadas não pela justiça, mas pela vingança!
Esqueceram que Convenção nada mais é que "o ajuntamento de pessoas que tratam de assuntos comuns" e que, portanto, nunca poderá substituir a igreja fundada por nosso Senhor Jesus Cristo!
Igreja é o organismo vivo, é o corpo místico de Cristo, enquanto que Convenção é a associação de pastores, de meros homens. A igreja é o lugar onde se vive e se expressa a espiritualidade com todas as suas benesses, enquanto que a Convenção  que seria o lugar de homens de Deus defender ideais cristãos visando a unidade da igreja, tem se tornado numa associação com ideais políticos e interesseiros. Uma ponte para a notoriedade regional ou até nacional, um lugar de disputas e brigas pelo poder, onde toda sorte de ilícitos acontecem sob a capa do pastorado, onde cargos são negociados em troca de votos e onde líderes se constituem donos do rebanho e ditam o comportamento.
Convenção não tem nada a oferecer, a Igreja não precisa de Convenção. Centenas de Ministérios neste país que não são filiados ou afiliados a qualquer Convenção vivem bem melhor que muitas que são. Se estar ligado a alguma convenção não trouxer males à igreja, bem também não trará.
Muitas Convenções não garantem estabilidade previdenciária para novos pastores, não lhes garante a oportunidade do exercício de seu ministério a menos que tenha um "padrinho", não oferece à igreja nada, além da oportunidade de lhe dar dinheiro através de fundos convencionais, não lhes retorna nada, nem em educação, nem em evangelismo, em nada.
Convenção não é instituição, é associação. Ela deve ser um órgão da Igreja e não o contrário. A maioria daquilo que se pode louvar em uma Convenção, é apenas filosófico e teórico, porque na prática mesmo, quase nada pode ser motivo de orgulho. Na Bahia, o que se faz pela expansão do Reino de Deus através das Convenções é praticamente nada. Aqui, um certo programa de TV, de uma certa Convenção, é, descaradamente, uma forma de marcar território e impedir o avanço de outros.
Não, a Convenção não tem nada de sagrado, a não ser a presença daqueles que escolheram não manchar suas vestes e permanecem como um facho de luz em meio às trevas!