19 de mai de 2014

Consciência Missionária na Igreja Passa Pelo Discipulado e Pela Educação Cristã





Todo ano, as centenas de Secretários e as dezenas de Coordenadores de Missões em nossa Igreja, com a melhor das intenções e objetivando despertar a Igreja para a Obra Missionária, realizam Conferências e toda sorte de eventos, na tentativa de chamar a atenção da Igreja. Agendas são feitas, missionários, pregadores e palestrantes são convidados, uma série de apresentações e coreografias tomam espaço no culto, cantinas são montadas, estratégias de arrecadações são desenvolvidas. Tudo pensando no missionário e no Ide imperativo do Senhor Jesus.
Tudo isto é importante e faz parte do processo de conscientização, mas são apenas ferramentas. Na verdade, o processo de conscientização missionária envolve elementos mais importantes que estes. Tão importantes são, que se estes faltarem, não farão diferença nenhuma no avanço da evangelização aos povos.
Devemos lembrar que qualquer pessoa, mesmo não salva, pode fazer eventos como estes, podem organizar até melhor do que nós e pode mobilizar muito mais gente, arrecadar infinitamente mais do que arrecadamos!
Portanto, embora os eventos, as estratégias e tudo que foi citado antes, tenha o seu valor, eles não se constituem na principal ferramenta de conscientização missionária.
Antes de falar sobre como uma Consciência Missionária é formada na Igreja, quero te lembrar duas coisas: primeiro: a Igreja de Atos dos Apóstolos não Fazia Conferências Missionárias, ela fazia Missões. Segundo: A Conferência e qualquer evento conscientizador é prova cabal da ausência de consciência bíblica.
Pense comigo, se a Conferência ou qualquer evento de Missões for um esforço de conscientização, então, estamos ao mesmo tempo denunciando o estado de distanciamento das Escrituras em que se encontra nossa igreja! 
Como formamos então uma consciência missionária na Igreja? Segundo a Professora Cristina Ramos, do Betel Brasileiro e que foi palestrante em nosso 4º Treinamento Para Líderes de Missões, os valores que temos, que norteiam nosso comportamento e nossas relações, definem nossos conceitos, nossas prioridades. Se nossos valores são formados pela Palavra de Deus, então, nossas prioridades serão aquelas que a Palavra diz que devem ser. 
Aí, é preciso falar sobre uma série de coisas que, ao longo de alguns anos vem sendo esquecidas pela Igreja: educação cristã, discipulado, por exemplo.

Formando uma Consciência Missionária

Discipulado:

Tenho dito que o discipulado é a base da consciência cristã. É no processo discipulador que valores cristãos são formados e que se habilita homens e mulheres para o serviço do Mestre. Qualquer cristão que desenvolve sua vida espiritual sob os ensinos fundamentais das Escrituras, sendo discipulado por cristãos sinceros e preparados, desenvolverão também uma consciência cristã, onde valores como obediência ao ide de Jesus nortearão sua vida, fazendo-o ser não só anunciador das Boas Novas, mas incentivador de planos e projetos que visem fazer Cristo conhecido em toda terra.
Portanto, se a igreja não tiver um discipulado eficaz, se ela não investir em formação do caráter cristão no novo crente, ela jamais poderá ter em sua membresia, fiéis altamente comprometidos com a Grande Comissão de nosso Senhor Jesus Cristo.
A falta de discipulado na igreja está formando uma geração não somente descomprometida com o ide de Jesus, mas também com toda sorte de valores e princípios que devem ser norteadores da vida do crente em Jesus. Valores como santidade, testemunho cristão, vida de comunhão com Deus e os irmãos, obediência à liderança, chamado específico no Reino de Deus, só são formados com eficácia, num processo de discipulado eficiente, feito por homens e mulheres fiéis e inteirados das Escrituras!
Enquanto desprezarmos o discipulado, teremos apenas religiosos, seguidores de normas e preceitos institucionais, e estes tais não tem compromisso com aqueles valores exarados nas páginas das Escrituras e que são formados no novo crente, enquanto estes se submetem aos ensinos da Palavra de Deus no processo do discipulado.
O desinteresse por missões, a falta de contribuição financeira, a preguiça para evangelizar, a indiferença com os missionários e seus projetos, nada mais é do que reflexo de uma lacuna que a igreja está deixando no discipulado. É preciso resgatar o discipulado, ele é mais importante que esforços para a conscientização, a não ser que esta deixe de se constituir em grandes eventos, com custos elevados, para se transformar numa tribuna discipuladora, onde valores cristãos serão reensinados!
Não adiantará bandeiras, mapas, grandes fotos em alta resolução, gráficos estatísticos, relatórios, slides em data show, coreografias, peças, trajes típicos de determinadas culturas, bazares e cantinas, se os tais não se constituírem apenas em uma celebração da profunda consciência missionária enraizada na Igreja desde o seu discipulado.

Educação Cristã

A educação cristã pode ser considerada como a responsável pela formação da maturidade cristã desde a sua fase de discipulado ou aquele processo educativo que se prossegue depois do período deste. A educação cristã para o Teólogo Augustus Nicodemus do Instituto Mackenzie, é "um processo de treinamento e desenvolvimento da pessoa e de seus dons naturais à luz da perspectiva cristã da vida, da realidade, do mundo e do homem."
É óbvio, que o desenvolvimento da pessoa não se dá apenas no processo do discipulado, mas continua depois dele. Isto leva-nos a pensar que a educação cristã é aquele processo contínuo na Igreja viabilizado pelos cultos de doutrina, pela escola bíblica dominical e por todo esforço de ensino das Escrituras desenvolvido pela Igreja.
Infelizmente, os encontros de curas ou cultos de "milagres", cultos de "maravilhas" e toda sorte de reuniões com supostos propósitos de presenciar a manifestações místicas, tomaram o lugar de encontros onde a busca pelo conhecimento da Palavra de Deus é o principal objetivo.
A educação cristã é aquele processo contínuo na Igreja que mantém-na em sintonia com as verdades entendidas no processo de discipulado e que lhe oferece extraordinárias oportunidades de aprofundar seus conhecimentos das verdades de Deus. Faltar com a educação cristã na Igreja é deixá-la à mercê de heresias, de falsos doutores e enganadores e finalmente expô-la ao estado de inconsciência cristã em que vive, ao ponto de tornar-se indiferente à sua tarefa primordial que é proclamar Cristo!

Conclusão

Finalmente, Conferências e toda sorte de eventos em favor de missões, não pode se constituir em ferramenta de conscientização, mas em celebração da consciência bíblica da Igreja. Enquanto esta não tiver uma consciência bíblica formada no processo de discipulado, reflexo também do contínuo trabalho dela na educação cristã de seus fiéis, todo esforço em favor de missões só terá efeito enquanto estiver sendo realizado, nunca produzirá efeito pós evento. Este é o motivo pelo qual muitos Coordenadores e Secretários de Missões sempre enfrentarão problemas e se surpreenderão com a indiferença de líderes e fiéis em sua comunidade cristã.

14 de mai de 2014

Série: Obreiros da Adesal Que Fazem a Diferença

Ney Deus: Na Conturbada Estrada da Liderança




"Ter um adolescente na igreja é uma grande benção e um milagre de Deus". A frase é de Valterney Lima Deus, na estrada com Jesus desde quando deu os ares da graça para este mundo conturbado a 25 anos. Apesar de ter a mãe evangélica, seu pai só teve um encontro com Cristo a três anos no leito da morte.
Ney, como é conhecido, aprendeu desde cedo o que é servir na casa do Senhor. Motivado por sua mãe, uma mulher "super ativa na Assembléia de Deus em Pau da Lima", onde trabalhava como zeladora, Ney e seus irmãos incluíram nas rotinas matinais ajudá-la na limpeza do templo. A aceitação de serviços humildes na casa de Deus, ajudou a formar neste jovem Farmacêutico, habilidades para tarefas mais elevadas e de relevante importância no Reino de Deus.
Toda liderança é formada ao longo de um tempo e com Ney Deus não tem sido diferente. Desde cedo o jovem que cursa o Mestrado em Ciências e Tecnologia de Alimentos Na Faculdade de Farmácia da UFBA, envolve-se com o ensino e liderança de Adolescentes na Adesal - Assembléia de Deus em Salvador, liderada pelo Pastor Israel Alves Ferreira. Aos 17 anos Ney já era Coordenador do Departamento de Adolescentes no Setor 4 - Pau da Lima, liderado pelo Pastor Juarez Machado. A fidelidade nesta árdua tarefa valeu-lhe a incumbência de, no mesmo setor, dirigir a classe de Escola Bíblica Dominical de 11 e 12 anos em 2008. Em 2009 e 2010, Ney foi Professor de EBD nas classes de 13 e 14 anos, na Liberdade. Já a partir de 2011 passou a ensinar a Palavra de Deus a Adolescentes de 14 a 17 anos na Adesal Paralela.
Sua linguagem e visão contextualizada com a chamada  geração Z, despertou o interesse da Liderança da Igreja em indicá-lo para o cargo de Diretor do DEPAD (Departamento de Adolescentes da Adesal). Desde 2009, ao lado da Irmã Joilda Ferreira, esposa do Pastor Israel Ferreira, Valterney desenvolve um trabalho inovador e vem ressignificando a tarefa de trabalhar com adolescentes na Adesal.
Em sua fala, Ney sempre afirma que não deixará que a infidelidade, falta de amor ou visão de outros, interrompa aquilo que faz para o Reino de Deus e que, portanto, sequer quer saber o que os tais fazem de certo ou errado.
O tipo de liderança exercida por Valterney Lima Deus, é definida pelo serviço e engajamento. Ele não só coordena, ele arregaça as mangas e vai pra rua. Não é difiícil encontrá-lo em alguma movimentada via de Salvador, acompanhado por dezenas de adolescentes utilizando-se de estratégias de evangelismo como: Flashmob, um tipo de manifestação relâmpago em via pública em torno de um determinado objetivo previamente combinado. No caso dos adolescentes da Adesal, eles utilizam a dança para atrair a atenção de quem passa e poder comunicar o Evangelho. Veja Vídeo de um Flashmob realizado na Rodoviária de Salvador.


Em Salvador, Ney lidera um grupo de Flashmob que mobiliza até jovens de outras denominações. Além desta estratégia, Ney envolve os adolescentes em ações como uma "oração grátis" ou um abraço a um desconhecido que desembarca na Rodoviária de Salvador, tudo como estratégia de se aproximar do não evangélico e como forma de anunciar o Evangelho da maneira mais alegre, como gostam os adolescentes.
Falando ao nosso Blog, Ney disse: 
"Devido a velocidade com que chegam as informações e a falta de tempo das pessoas, estratégias que funcionaram bem a uns cinco anos atrás, já não surtem efeito hoje. Por este motivo, precisamos ter as mentes renovadas pelo Espírito Santo de Deus em todo o tempo, para que tenhamos também renovadas as nossas ações." É com este discurso que Valterney consegue mobilizar lideranças de adolescentes e os próprios adolescentes para projetos inovadores e que tem mudado o estado de letargia que vivia antes os adolescentes da Adesal, embora outros líderes como Ney estejam fazendo um papel tão relevante quanto o dele.
Para Ney, "adolescentes animados e envolvidos pelo Espírito Santo, pode ser a força motriz de uma
congregação. Os adolescentes quando, motivados, evangelizam, limpam a igreja, fazem bazar, cantina, pregam, cantam, trazem visitantes, falam em línguas, etc."
Ney disse também que uma boa notícia hoje é que muitos pastores estão mudando sua visão com relação aos adolescentes. Ao contrário do que acontecia no passado, quando um irmão que não serviu para outros cargos, era indicado para o Departamento de Adolescentes, hoje os pastores indicam irmãos com vocação para trabalhar com os adolescentes.
Ney disse ainda ao nosso Blog que muitos não entendem quando se criam novas estratégias para manter o adolescente na igreja e envolvido comas coisas de Deus. Ele disse que é preciso observarmos que "já a algum tempo, as grandes empresas e a mídia de forma geral, tem direcionado suas ações à geração Z". A fala de Ney tem comprovação por educadores, sociólogos e profissionais da educação que já vem a muito tempo avisando à sociedade sobre o "aliciamento" mercadológico das grandes corporações sobre nossos filhos!
Valterney foi ao Diaconato em 2012 e neste ano a igreja reconheceu seu Presbitério. Ele é um dos Diretores do Departamento de Eventos da Adesal e dirige o Culto Teen na Paralela, toda sexta-feira.
Valterney Lima Deus é um obreiro da Adesal que faz a diferença!

4 de mai de 2014

As Velhas Idéias e o Mesmismo de Nossa Instituição

Quando velhos costumes, idéias ultrapassadas e discursos desprovidos de sabedoria, senso crítico e sem lastro de uma experiência que tenha produzido resultados salutares, campeiam em nossas reuniões, conclaves e em momentos decisivos de uma instituição como a nossa, pode ter certeza que estamos presenciando também o apagar da existência dela. Ela poderá até existir como organização, associação, mas nunca como organismo, nunca como hasteadora de ideologias ou filosofias ou ainda de verdades que para nós sempre foram inegociáveis.
Quando falo de velhas idéias não me refiro àquelas que preservaram nossa instituição, não me refiro também àquelas embasadas em valores bíblicos morais e éticos, mas àquelas que sempre foram resultado da ignorância e que, postas ao lado das verdades bíblicas, pareciam ser divinas, celestes. A luta de algumas lideranças para preservar tais idéias, idéias desprovidas de Deus e de sua Palavra, conceitos seculares cristianizados, vem resultando em sérias consequências para o rebanho e para a saúde das novas lideranças.
Por causa disto, o mesmismo, a falta de renovação da fé, de credibilidade, tomam conta deste estado de coisas presenciadas por quem pertence à nossa instituição.
Vejo Diretores e Líderes de Departamentos numa luta infindável, num remar contra o vento, indagando a eficiência de seu trabalho e de sua liderança, sem perceber que o mal não está neles. O resgate de costumes que antes sustentaram a instituição e que manteve a unidade de grupos, departamentos, do ministério, vem se tornando num investimento aparentemente insano e controverso. Reunir, por exemplo, a mocidade de nossa Igreja numa quinta-feira para adorar e ouvir a Palavra de Deus, como fazíamos na década de 80 no Boqueirão e na Liberdade, agora parece um sonho inalcançável!
Um sentimento de independência parece que toma conta de todos, todos são líderes, todos mandam, todos tem seu chamado, seu trabalho, todos ouvem Deus e Deus sempre fala diferente para todos, cada tem um comando, senhores de si mesmos, capitanearam igrejas e territórios, ninguém ouve ninguém, cada um decide sua sorte. Todos parecem formar seus guetos, suas colônias, todos ditam regras e todos terminam ficando sem saber que regra seguir. 
Enquanto isto, quem poderia fazer alguma coisa, está muito ocupado com o secundário. Enquanto isto, em reuniões cansativas, infrutíferas, preservamos as velhas idéias, aquelas desgraçadas idéias, semeadas na cabeça de gente que não quer ver, que se conforma com esta calamidade, que não tem um olhar crítico, que se sente certa demais para admitir que está errada. Enquanto isto, a mesmice é a senhora deste tempo que jamais esperávamos ver! Enquanto isto, nossos adolescentes e jovens se entregam à prostituição e toda sorte de pecados peculiares desta geração facebookiana, deste tempo de tantos seminários, palestras, conferências, congressos, encontros que não produzem os resultados esperados!
Não, não podemos mudar, não senhor! Pra que mudar? Somos os caras! Somos a maior instituição pentecostal deste país! Pobres e miseráveis que somos!
Se não deixarmos urgentemente essas idéias medíocres entranhada em nossos discursos que nunca se abre para o novo, se a mesmice continuar sendo senhora da existência da antes gloriosa instituição, se não nos arrependermos de nossos pecados, de nossos joguinhos de interesses, se continuarmos desdenhando da misericórdia de Deus, sem apercebermo-nos que o juízo de Deus está às portas, nossos lugar de glória, tão almejado, será apenas um sonho que se acabou, que se foi!
É preciso romper este invólucro da mesmice, das velhas idéias, gritarmos para nós mesmos que é tempo de tomar novos rumos, que é tempo de uma liderança que se imponha e que imponha aos demais uma autoridade legítima, aprovada por Deus. É tempo de deixarmos as coisas funcionarem de forma correta, com brio, honestidade, submissão, obediência. Tempo de abrirmos a mente para o novo, o novo de Deus, para novas idéias, desde que estejam de acordo com a vontade Dele (Deus).