6 de fev de 2015

Adesal X Ceadeb: Uma Novela de Muitos Capítulos


Dizem que a novela "Redenção" exibida pela TV Excelsor nos anos 60 foi, até hoje, a novela mais longa da TV brasileira, com 596 capítulos e que o record pode ser quebrado pela Novela do SBT Chiquititas, com 572 capítulos já escritos e gravados e que vão ao ar em 2015.  Para especialistas em tele novelas, uma novela com tantos capítulos pode se tornar uma "chateação" ou pode ser o resultado de sucesso entre os tele-expectadores!
Como a novela é uma série de capítulos em torno de um assunto que engloba outros periféricos, a expressão "novela" se tornou entre nós aquilo que consideramos longo, fatídico, e pior: cujo fim já conhecemos muito bem!
Pois é, membros e congregados da Adesal e aqueles que saíram dela para autodenominarem-se de campos filiados a Ceadeb, agora assistem, comentam ou ficam indiferentes à novela ridícula cuja trama central envolve nada mais, nada menos que disputa. 
Depois de reconhecer que precisa devolver os templos tomados indevidamente da Adesal, a Diretoria da Ceadeb, sai de cena e coloca os Pastores líderes dos campos onde tais templos foram tomados, como responsáveis e como aqueles que não tem interesse em negociar.
A CGADB, cujo comportamento diante desta crise é mais que questionável, que não serviu como moderadora do episódio, que discursou em ambos os ambientes com frases de efeito que dava a entender apoio incondicional, um dia lá, outro dia cá, agora segue fazendo o mesmo papel tosco nesta saga noveleira que causa asco em qualquer que tenha o mínimo de senso moral e ético!
Reuniõesinhas políticas, feitas por quem não quer perder as somas de contribuições de ambas as instituições, são arranjadas com o único objetivo de não dar direito a qualquer um dizer que nada se fez! 
A CGADB simplesmente não fez o que deveria ser feito: agir como moderadora, punir com base no Estatuto e no Regimento Interno aqueles que feriram a ética que deve nortear as relações entre Igrejas e Convenções, ignorou o grave erro cometido pela Ceadeb de invadir o campo de Salvador, apropriar-se de templos, fazer desviar-se centenas do rebanho da Adesal, simplesmente para atingir o Presidente dela.
Agora, depois de tantos capítulos amargos, a novela dá um tom de fim, mas, como acontece nas tramas globais, por motivos tantos, a novela não chega ao fim e os capítulos que se seguem parecem mais com desfechos indesejados e revoltantes!
O Presidente da Adesal chegou a publicar em sua página do Facebook uma nota onde pedia oração por algo que teria ido resolver em São Paulo, que envolvia a Igreja de Salvador. Até o momento em que fechava este artigo, 34 comentários foram postados dando apoio ao Presidente!
O Presidente da Ceadeb que discursava como aquele que tinha poderes para disciplinar o Pastor da Adesal, que incentivou a falsa idéia de que membros da Adesal seriam "rebeldes", que financiou os chamados novos campos da Ceadeb, antes congregações da Adesal, agora discursa como quem está disposto ao diálogo. O mesmo que tinha proibido ministros da Ceadeb em receber os da Adesal em seus conclaves, agora diz que os tais são bem vindos! Pior: muitos ministros da Ceadeb calam-se diante destes absurdos e ainda acham tal atitude coerente e sensata!
Esta novela ridícula precisa acabar, posições éticas e comprometidas com a Palavra de Deus precisam ser assumidas por todos nós. Pastores da Adesal que eram Pastores de Setor e que arrastaram rebanhos inteiros, que se apropriaram de bens alheios, um crime penal, precisam pedir perdão à Igreja de Salvador, assim como a Diretoria da Igreja em Salvador precisa cumprir com supostas obrigações diante da Ceadeb.
A Igreja de Salvador continua crescendo, o Senhor continua salvado e centenas, periodicamente, descem às águas batismais. Uma nova Diretoria foi eleita pelo ministério, graças ao fato de ter ganhado na justiça este direito, no principal processo movido pela Ceadeb contra a Igreja em Salvador. O Presidente da Adesal lançou para 2015 um projeto que prevê o crescimento e a estabilização financeira da instituição. 
Isto indica que a Adesal não é um bando de "rebeldes" como queria que assim fosse considerada o Presidente da Ceadeb. A Adesal é a Igreja de Cristo, Ele está à sua frente e como Igreja esperamos da Diretoria da CGADB um mínimo de senso moral e ético, comum em qualquer instituição ou órgão que se preze. 
Quem é a CGADB senão a Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil? Aquela de quem aprendemos valores que norteiam nossas igrejas nesta nação. Seu Presidente está a cerca de 30 anos à sua frente e isto prova seu valor como homem de Deus e executivo capaz de conduzir processos delicadíssimos aos longo desses quase 30 anos! Homem cujo carisma e amabilidade conquistou lideranças espirituais e políticas em toda esta nação. Nós, ministros da Conframadeb e membros da Adesal, acreditamos que numa atitude de coerência e comprometimento com a verdade, o senhor Presidente da CGADB optará por conduzir esta crise para um caminho de perdão, justiça e equidade, resgatando a fraternidade e estabelecendo um novo tempo de paz entre as duas instituições baianas.

Nenhum comentário: