17 de fev de 2015

Jônatas, Um Líder Incomum


O exército sob o comando de Saul estava com medo, escondido e seu numero diminuía cada vez mais. Alguns, desiludidos, tinham até passado para o lado dos inimigos. Os homens de Saul, além de sentirem medo  e se esconderem em cavernas,  estavam também angustiados (1 Sm. 13: 6,7). Eles sofreram ataques não somente físicos, mas emocionais também.
Para piorar a situação, o capítulo 13 de 1 Samuel conta que Saul tomava decisões precipitadas em relação ao costume de se esperar o sacerdote para a oferta de sacrifícios antes da peleja. O exército estava sem armas.
No capítulo 14 do mesmo livro, percebe-se a maneira diferente de Saul e Jônatas comportarem-se diante da batalha. Quero me deter aqui. Enquanto Saul estava debaixo da romeira, Jônatas decidiu descer ao campo de batalha! Aliás, este espírito inquieto era uma marca na vida do filho do rei que aprendeu a amar Davi, desafeto de seu pai! Enquanto Saul com dois mil homens aguardava na montanha de Betel, Jônatas com apenas mil em Gibeá, resolveu atacar as tropas dos filisteus (1 Sm. 13: 2,3)! 
Jônatas era inquieto e era o tipo de líder de atitude, não esperava a coisa melhorar ou piorar para agir. Gostava de aproveitar oportunidades, sabia que as tais eram únicas e poderia não tê-las mais. Esta marca no caráter de Jônatas o fez comandar uma das maiores investidas do exército de Saul contra os filisteus!
Quero compartilhar com você acerca de lições preciosas que aprendo com este jovem líder no capítulo 14 de Primeiro Samuel!

1. Diferente de Saul, ele não escolhe "ficar debaixo da romeira". Ficar debaixo da romeira, é o mesmo que esperar para ver no que vai dar. É se conformar com o estado de fracasso, é se tornar indiferente à baixa no exército e ao desânimo, medo e angústia que dominavam os liderados. Jônatas toma uma decisão isolada e perigosa, poderíamos chamar de suicida! Se desse errado, ele seria o responsável por um dos maiores desastres na história das batalhas de Israel. Jônatas estava disposto a assumir riscos! Um líder precisa estar pronto a assumir riscos! Qual sua atitude diante das batalhas em teu ministério? "Ficar debaixo da romeira"ou assumir os riscos que a batalha oferece?

2. Visto que sua decisão poderia pôr tudo em risco e que também não poderia ser compreendida por muitos, Jônatas compartilhou de suas pretensões apenas com seu escudeiro. Lembre-se: atitudes ousadas e, aparentemente insanas, não devem ser compartilhadas com qualquer um. Um líder precisa ter um fiel escudeiro, aquele que lhe confiaria a vida, que sabe que suas atitudes, embora ousadas, são fruto de um coração corajoso e confiante! Com quem você compartilha as decisões mais ousadas de teu ministério? Peça a Deus que levante para o teu ministério escudeiros fiéis, dispostos a assumir os riscos que requerem o teu ministério!

3. Jônatas tinha uma compreensão espiritual da batalha que ora travava (1 Sm. 14:6). Enquanto os soldados estavam fragilizados e por se acharem em menor número, nenhuma ordem de ataque tinha sido dada por seu rei, Jônatas compreendia que o Senhor não precisa de números para dar vitória ao seu povo. Jônatas tinha uma visão espiritual, enquanto a maioria condicionava sua vitória ao poder bélico do exército. Qual visão você tem de seu ministério e das batalhas que você trava diariamente? 

4. Jônatas sabia esperar a hora de Deus (1 Sm. 14: 8-10)! Apesar de sua ousadia, o que importava para Jônatas mesmo era o sinal de Deus! Às vezes temos planos ousados, bem elaborados, temos até nosso fiel escudeiro, mas se fizermos as coisas sem que Deus nos indique em que hora devemos agir, nada disso valerá. Jônatas esperou por um sinal. Se aquela guarnição os ignorasse, eles voltariam, todavia, se os desafiassem a descer, este então seria o sinal de Deus para eles! Líderes de sucesso esperam a hora de Deus, sabem reconhecer sua voz e sua vontade!

5. Durante a batalha, Jônatas se tornou um com seu escudeiro (1 Sm. 14:13). Foi um trabalho em equipe. Enquanto Jônatas derrubava o inimigo, seu escudeiro matava aqueles que ele derrubava. Um líder que trabalha em equipe, unido, terá mais probabilidade de vencer as batalhas da vida! Isto os fez avançar e impor medo aos confiantes filisteus. Nunca caia na armadilha de pensar que, por ser o líder, poderá sozinho vencer os desafios que a liderança oferece.

Conclusão

A batalha solitária de Jônatas e seu fiel escudeiro ganhou proporções tão grandes que, foi capaz de levantar o ânimo dos que estavam escondidos em sua depressão nas cavernas e até daqueles que tinham passado para o lado dos inimigos. O próprio Saul saiu de debaixo de sua romeira. A Bíblia diz que houve tremor no arraial dos filisteus e a batalha cresceu a ponto de se ouvir um grande alvoroço (1 Sm. 14: 14-23)! Tudo porque Jônatas saiu de sua zona de conforto, ousou enquanto a maioria se escondia e enquanto o outro líder, seu pai, descansava debaixo da romeira.
Líderes ousados, são líderes incomuns, eles empreendem pequenas batalhas que se transformam em grandes e únicas batalhas. Líderes incomuns são aqueles que acreditam em coisas pequenas, que aos olhos da maioria parecem loucura. Líderes incomuns não condicionam seus ministérios ao cansaço e desânimo de seus liderados. Líderes incomuns agem quando a maioria tem medo de agir! 

Nenhum comentário: